O Departamento de Saúde da União publica diretrizes para detectar e tratar casos de varíola dos macacos

O Ministério da Saúde da União divulgou nesta terça-feira orientações detalhadas sobre como monitorar, identificar, confirmar e tratar a infecção pelo vírus no país. Embora mais de 300 casos suspeitos ou confirmados de varíola dos macacos tenham sido identificados mesmo em países não endêmicos, nenhum caso de varíola dos macacos ainda foi identificado na Índia.

De acordo com as diretrizes, se uma pessoa é suspeita de ter a infecção, ela deve ter viajado para os países afetados nos últimos 21 dias, ter uma erupção cutânea inexplicável e um dos outros sintomas, como linfonodos inchados, febre, dor de cabeça, dores no corpo e fraqueza profunda. Além disso, somente após a realização de um teste de PCR ou sequenciamento do material genético, o caso suspeito é confirmado através do envio da amostra do paciente ao Instituto Nacional de Virologia-Pune.

Enquanto isso, o Programa Integrado de Vigilância de Doenças (IDSP) – uma rede que rastreia doenças infecciosas no país – foi solicitado a permanecer vigilante sobre os casos, juntamente com unidades de saúde, principalmente clínicas de dermatologia, clínicas de doenças sexualmente transmissíveis, clínicas médicas e clínicas pediátricas. .

“Mesmo um caso de varíola dos macacos é considerado um surto. Uma investigação detalhada pelas Equipes de Resposta Rápida deve ser iniciada pelo IDSP”, dizem as diretrizes.

As diretrizes também mencionam que a rede deve monitorar os viajantes dos países afetados por 21 dias para ver se eles desenvolvem sintomas. Se o fizerem, sua amostra será coletada. Enquanto isso, as diretrizes também fornecem detalhes sobre o tratamento de lesões de pele, desidratação e alívio de sintomas como febre, coceira, náuseas, vômitos, dores de cabeça e mal-estar. Afirma ainda que durante o período de isolamento, os pacientes devem estar atentos a sinais como dor nos olhos e visão turva, falta de ar e dor no peito, consciência prejudicada, convulsões, diminuição da micção, má alimentação e letargia.

De acordo com as orientações, foi solicitado aos contatos assintomáticos que não doassem sangue, células, tecidos, órgãos ou sêmen durante o período de isolamento. Qualquer aluno da pré-escola que seja um contato pode ser expulso da creche, pré-escola ou outro ambiente de grupo, de acordo com a política. Além disso, os viajantes internacionais para países que relataram casos de varíola dos macacos foram aconselhados a não entrar em contato próximo com indivíduos doentes e animais selvagens mortos ou vivos. Eles também foram orientados a não comer carne de animais selvagens ou usar cremes, loções ou pós feitos com ela.

Enquanto isso, as autoridades de saúde do aeroporto também foram solicitadas a se familiarizarem com os sintomas da varíola dos macacos e realizarem exames térmicos rigorosos e histórico de viagens.

Casos de varíola foram relatados nos Estados Unidos, Reino Unido, Bélgica, França, Alemanha, Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Suécia, Austrália, Canadá, Áustria, Israel e Suíça, entre outros. Há também países como Camarões, República Centro-Africana, Congo, Gabão, Libéria, Nigéria e Serra Leoa onde a doença é endêmica.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.