O Enigma do Lítio: Expandido – The Portugal News

Uma análise conduzida pela SoSMinErals (Security of Supply of Mineral Resources) para o Comitê Britânico de Mudanças Climáticas estima que 265.000 toneladas de carbonato de lítio seriam necessárias dos fabricantes para fornecer baterias inovadoras NMC 811 para alimentar todos os carros e vans leves do Reino Unido até que se tornem elétricos até 2050 e que todas as novas vendas desses veículos sejam alimentadas por bateria apenas até 2035. Caminhões estão isentos.

Outros recursos metálicos que seriam necessários para garantir essa meta de substituição total são: 208.000 toneladas de cobalto, 7.200 toneladas de neodímio/disprósio e 2.362.000 toneladas de cobre. De forma ameaçadora, o relatório conclui que “não há muitos recursos metálicos sendo extraídos e refinados em todo o mundo hoje para que a Grã-Bretanha cumpra suas metas de transição verde na próxima geração”. Em setembro de 2021, havia 32 milhões de carros e vans registrados no Reino Unido. O número global estimado foi de um bilhão – uma duplicação em menos de vinte anos.

A China domina a produção global de minerais essenciais à manufatura, com 60% de elementos de terras raras e 45% de minérios do tipo molibdênio, mas tem garantido concessões em todo o mundo, como cobalto na RDC, lítio na Austrália, platina e ouro na África do Sul e vários elementos da América do Sul. Os EUA, por outro lado, fecharam muitas de suas minas e fábricas nos últimos trinta anos. Em 1990 era o maior produtor mundial de recursos naturais; Hoje ocupa o 7º lugar, importando trinta de seus minerais mais usados.

Por esta razão, as actuais propostas para a extracção e refinação do lítio e outros recursos minerais preciosos de Portugal necessitam urgentemente de ser revistas para garantir que não estão a ser exploradas por vorazes predadores industriais e comerciantes de mercadorias cujo único interesse é obter grandes lucros para si e não para a melhoria da saúde ecológica e econômica do nosso país.

Mesmo supondo que os garimpeiros empreendedores chineses tenham sucesso em sua busca global por novas concessões de mineração e tenham a logística para literalmente mover montanhas para centros de produção, parece altamente improvável que as metas ambiciosas para a transição completa de veículos elétricos até o ano 2050 possam ser alcançadas. Além disso, pouca atenção parece ter sido dada sobre de onde virá a eletricidade para carregar um bilhão de baterias quando os combustíveis fósseis para usinas elétricas forem eliminados. As alternativas de energia eólica, solar e hídrica usam os mesmos recursos minerais cada vez mais escassos para produzir maquinário operacional e têm tempos de retorno relativamente curtos antes que o reparo ou a substituição se tornem necessários. Eles não são “verdes” na criação, operação e aposentadoria.

O que anuncia para o nosso planeta não é o início de uma Terceira Guerra Mundial, mas de uma Segunda Guerra Fria, em que a luta pela propriedade dos recursos naturais, mas finitos, e o poder de decidir sobre seu uso benéfico se limita a uma parte seleta da mundo, é liderada por oito bilhões de habitantes. A batalha que se segue não será tanto de ideologia (capitalismo versus comunismo) quanto de sistemas e quem os controla.

Os EUA continuarão a dominar a tecnologia da informação global e os mercados financeiros, potencialmente estendendo-se a outros estados da América cujos governantes já são controlados política e comercialmente. Mas seus muitos empreendimentos nas economias da Europa e da África vão vacilar à medida que as alianças entre a China e a Rússia (e talvez a Índia) inexoravelmente avançam e se expandem para essas áreas. Onde há risco de conflito armado, como na Ucrânia, as sanções impostas pelos EUA sobre finanças, tecnologia e entretenimento são efetivamente combatidas pela retirada de blocos opostos da exportação de matérias-primas e produtos manufaturados. Por exemplo, a Rússia e a Bielorrússia juntas produzem mais da metade da produção mundial de potássio.

Devido aos seus cobiçados recursos naturais, Portugal desempenhará um papel proporcionalmente maior na futura economia europeia. Este deve ser um conceito centrista, evitando alianças militares (como a OTAN) com os blocos dominantes e, portanto, dedicado a proteger o meio ambiente e promover sua cultura em benefício de uma população gradualmente reduzida.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *