O vetor africano HLB está se espalhando ao longo da costa de Portugal

A primeira detecção do vetor HLB, a pulga cítrica africana, foi no ano passado na região citrícola portuguesa do Algarve, Aljezur. Um ano depois, o inseto colonizou cerca de 200 km da costa atlântica portuguesa mais a sul e já está a menos de 120 km das primeiras plantações em Huelva, Ayamonte.

Desde que foi detectada no Porto em 2015, a temida pulga-das-folhas se espalhou continuamente por toda a costa do país vizinho e também se estabeleceu em partes da Galiza, Cantábria, Astúrias e País Basco.

A disseminação aparentemente imparável do inseto, que carrega a cepa africana HLB ou Huanglongbing, menos virulenta, mas igualmente nociva, já foi confirmada pela última auditoria da Comissão Europeia (CE) realizada em Portugal em novembro passado.

A reportagem alertou que as medidas tomadas pelo país vizinho “não são suficientes para erradicar ou mesmo conter a Trioza”. Além disso, a confirmação da presença de outro vetor em Israel levou as autoridades a “questionar o futuro a médio prazo da citricultura espanhola”, segundo Inmaculada Sanfeliu, presidente do Comitê de Gestão de Citros (CGC).

Em seu relatório, funcionários da DG Saúde e Segurança Alimentar já haviam destacado a “incapacidade das autoridades de promover ações imediatas para erradicar a praga das plantas hospedeiras em jardins privados, a menos que os proprietários cooperem voluntariamente” e “a falta de conhecimento das parcelas em que a praga ocorre”.

Sabendo-se que o T. erytreae colonizou toda a costa algarvia, a principal região citrícola do país com uma produção de 370 mil toneladas, não é difícil imaginar que o insecto esteja agora a rumar para o interior em direcção a Huelva.

De acordo com um estudo feito pelo próprio CGC, a citricultura espanhola pode ser reduzida pela metade em sete anos e desaparecer em menos de 15 anos quando a bactéria HLB finalmente chegar.

A associação agora insiste que a CE deve aumentar muito os controles nas fronteiras, tanto para portos produtores quanto para portos de passageiros que também podem transportar material vegetal infectado.

A empresa está neste momento a apelar a uma revisão urgente da estratégia comunitária sobre produtos sintéticos ao abrigo da mais recente proposta de regulamento sobre a utilização sustentável de produtos fitofarmacêuticos. Isso incluiria a proibição de grandes áreas dedicadas à produção de citros.

“O controlo biológico, confirmado pelos resultados do parasitóide Tamarixia dryi nas Canárias ou na Galiza, funciona e produz resultados contra o Trioza, mas, como mostra a situação em Portugal, não é suficiente. Estamos enfrentando a pior doença, devemos ter todas as armas à nossa disposição”, disse a presidente do CGC, Inmaculada Sanfeliu.

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *