Orquestra afegã encontra esperança em Portugal enquanto a música morre em casa

LISBOA, 13 Dez (Reuters) – Quando o Taleban tomou o poder, os músicos afegãos sabiam que seu futuro estava em perigo. O maestro Shogufa Safi, 18, fugiu. Agora em Portugal, a sua nova casa, sente-se seguro mas o seu sonho é regressar um dia e levar a música de volta às ruas do seu país.

“Não senti paz na minha vida”, disse Safi emocionado, mas esperançoso, depois de desembarcar na capital portuguesa, Lisboa, na segunda-feira, com 272 membros do Instituto Nacional de Música do Afeganistão (ANIM), incluindo estudantes, funcionários e parentes. .

“Meu grande sonho é voltar ao Afeganistão… É um grande sonho”, disse ele. “Acredito que voltarei… e ensinarei a geração mais jovem.”

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

Safi é uma das musicistas da famosa orquestra feminina afegã Zohra, parte do ANIM. Eles tocaram em algumas das principais casas de shows do mundo, do Carnegie Hall de Nova York à Royal Opera House de Omã. Consulte Mais informação

Portugal concedeu asilo a todos os membros do ANIM e suas famílias imediatas, tornando-se a maior operação de resgate de uma comunidade afegã auto-suficiente desde a tomada do Afeganistão pelo Talibã em agosto, disse o instituto de música.

Sob o regime repressivo do Talibã de 1996-2001, a música foi proibida. Embora os islamistas radicais ainda não tenham reinstituído formalmente a proibição desta vez, o Talibã ordenou que as estações de rádio parassem de tocar música em partes do Afeganistão.

Assim que os insurgentes talibãs assumiram o poder, o diretor e fundador da ANIM, Ahmad Sarmast, soube que tinha que tirar seus alunos do país. Fugiram para o Qatar com a ajuda de vários doadores, antes de partirem para Portugal.

“Estou muito feliz por estar em Portugal porque vejo todos os meus amigos a sorrir”, disse outra jovem maestrina, Marzia Anwari. “Eles são o futuro do Afeganistão.”

Vários jovens músicos saíram de voos fretados comerciais com novos instrumentos, de tambores a violinos. Seus velhos instrumentos foram deixados para trás no campus da ANIM em Cabul, que agora é o centro de comando do Talibã.

O futuro da música pode parecer sombrio em sua terra natal, mas Sarmast acredita que agora que seus alunos estão seguros, eles podem não apenas perseguir seus sonhos artísticos, mas também manter viva a rica herança musical do Afeganistão.

O ANIM reabrirá em Lisboa no próximo ano, e o grupo regressará aos grandes palcos assim que se estabelecerem.

“É impossível para o Talibã silenciar o povo afegão”, disse Sarmast.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

Reportagem de Catarina Demony, Miguel Pereira e Pedro Nunes em Lisboa; Editado por Mark Heinrich

Nosso padrão: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *