Os desempregados não aparecem para entrevistas, dizem hoteleiros

Os desempregados inscritos nos centros de emprego à procura de trabalho no setor do turismo “não vieram para entrevistas” e alguns disseram que “só podiam aparecer depois das 20h”, denunciaram os hoteleiros algarvios.

Esta questão tem sido destacada pelos hoteleiros algarvios que questionam como é que estas pessoas podem receber subsídios de desemprego quando recusam o trabalho “através do pagamento de salários acima da média”.

De acordo com a Associação dos Hoteleiros do Algarve (AHETA), existe uma grave carência de trabalhadores que afeta o setor do turismo, apesar de cerca de 6.000 pessoas da região com origem turística estarem registadas como desempregadas junto da agência nacional de emprego (IEF).

A nível nacional, a Associação Portuguesa de Hotelaria (AHP) diz que o número de trabalhadores atualmente necessários no setor do turismo pode já ultrapassar os 15.000 necessários até 2021.

Uma “experiência” foi realizada recentemente no Algarve envolvendo associações empresariais, o conselho de turismo (RTA) e o IEFP – a ideia é atrair estes desempregados para trabalhar no sector. Cerca de 500 pessoas estão cadastradas como cozinheiras em busca de trabalho.

Falar com o dia Depois de Amanhã O chefe da agência de notícias AHETA, Hélder Martins, disse que os representantes do IEFP chegaram a participar em entrevistas e “tentaram convencer essas pessoas a ocupar os cargos oferecidos, mas recusaram, apesar de conseguirem empregos bem remunerados”.

O chefe do hotel disse que era “absurdo que essas pessoas recusassem empregos apenas para continuar recebendo benefícios de desemprego” e questionou se este era um caso de alguns deles fazendo trabalhos não anunciados.

“Alguns diziam que só podiam vir para entrevistas depois das 20h, outros ajudavam primos… (e não podiam comparecer)”, disse Martins. o dia Depois de Amanhã.

O CEO do Grupo Pestana, Pedro Lopes, também suspeita que muitos destes desempregados estejam a trabalhar ilegalmente.

“O Algarve tem 15.000 desempregados, dos quais cerca de 6.000 procuram trabalho no setor do turismo. Mas quando essas pessoas são chamadas para entrevistas e não aparecem, é porque não querem trabalhar, e algumas têm de trabalhar ilegalmente”, disse à Lusa.

Algumas das pessoas que compareceram às entrevistas “frequentemente disseram que só podiam estar lá depois das 20h, o que significa que estavam ocupadas fazendo alguma coisa”, disse Lopes, acrescentando que o governo deveria “monitorar essa situação mais de perto”.

“Se as pessoas não querem trabalhar, não é certo que recebam seguro-desemprego quando milhares de vagas são oferecidas neste setor”, disse.

Jorge Beldade, director regional do Grupo Minor (dono do hotel Tivoli no Algarve), também falou da dificuldade do grupo em atrair trabalhadores.

“O IEFP tem 15.000 pessoas à procura de trabalho, mas quando pedimos a um grupo de 30 pessoas apenas três ou quatro apareceram para as entrevistas e fizeram de tudo para não serem contratados”, disse.

Segundo Beldade, os entrevistados “gostariam de continuar a receber subsídio de desemprego enquanto trabalhavam em biscates”, em vez de trabalhar a tempo inteiro.

O problema é tanto mais grave quanto o Algarve espera um verão recorde em termos de turismo.

“Teremos o melhor verão de todos os tempos, as reservas estão em um nível superior ao de 2019, este ano será ótimo, mas não conseguiremos entregar o nível (qualidade) que deveríamos devido à falta de mão de obra ” ele lamentou.

O chefe da AHETA, Hélder Martins, lamenta ainda que “agora há oportunidade de ganhar dinheiro”, não há trabalhadores suficientes para manter a qualidade do serviço. Alguns restaurantes e hotéis podem até ter que reduzir o número de mesas e quartos que oferecem.

A solução a curto prazo é unânime, confiar nos empresários do turismo – contratar imigrantes, maioritariamente de países de língua portuguesa.

Na quarta-feira, o governo português aprovou um novo regime para facilitar a concessão de vistos aos cidadãos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Por Michael Bruxo
michael.bruxo@algarveresident.com

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.