Os socialistas de Portugal conquistaram uma grande vitória – mas a extrema direita ressurgente é uma ameaça | Johanna Ramiro

BPolíticos de esquerda entusiasmados em toda a Europa estarão, sem dúvida, assistindo às eleições gerais do último fim de semana em Portugal e tomando notas. Surpreendentemente, o Partido Socialista (PS), de centro-esquerda, conquistou uma histórica maioria absoluta com 117 dos 230 assentos no parlamento. Apesar das pesquisas na véspera da eleição apontarem para um possível empate, o partido de oposição de centro-direita PSD foi derrotado. O mapa político em Portugal está agora quase todo pintado de vermelho.

Portugal é uma espécie de outlier europeu. Sua recuperação econômica das crises do início dos anos 2010 foi elogiada em todo o mundo, com crescimento em um ponto ultrapassarem a média da zona do euro. Enquanto a maioria dos países da Europa lutava para manter suas infecções por coronavírus sob controle, tornou-se o líder mundial em vacinas – quase 90% da população está costurado duplo. E ao contrário de outros países que elegeram governos de esquerda em 2015, Portugal desfruta de estabilidade política com os socialistas no comando desde então.

O que os resultados do último fim de semana nos dizem? À direita, houve uma divisão nas filiações entre o veterano enfraquecido do PSD; o Chega de extrema-direita (que significa Basta); e a recém-fundada Iniciativa Liberal (IL) favorável aos negócios. Pela primeira vez na história democrática moderna de Portugal, os democratas-cristãos de direita, outrora o terceiro maior partido no Parlamento, não relegaram um único deputado. À esquerda, a Câmara ganhou com força, com o primeiro-ministro António Costa canibalizando grande parte do eleitorado normalmente mais radical, deixando apenas mordidas para partidos como o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda anticapitalista.

Uma lição aprendida com esses resultados é a dor Os anos de economia após a crise bancária de 2008 não foram esquecidos. Para o então PSD de centro-direita, isso ainda é uma cruz. Sua tentativa às vezes de apelar taticamente para a esquerda não funciona. Portugal é um país onde a esquerda ainda está profundamente enraizada na vida das pessoas comuns, onde os sindicatos estão se unindo ao Partido Comunista e os millennials estão se unindo às forças eco-socialistas, o que significa que o “conservadorismo da classe trabalhadora” não encontra muito apelo .

Para social-democratas e socialistas brandos como Costa, dadas as circunstâncias, esta foi uma vitória particularmente doce. O PS está no poder desde 2015, mas foi prejudicado pelas políticas que acompanham um governo minoritário, dependendo de acordos oficiais ou práticos com a extrema esquerda. Quando os comunistas e o bloco de esquerda começaram a reclamar no ano passado sobre o nível de investimento público em um momento de crise social, Costa sabia que essa era sua chance de falir. Ele poderia perder tudo, mas também poderia ganhar muito e se livrar de seus seguidores radicais. Após seis anos de saudade, o primeiro-ministro realizou seu desejo.

De fato, pode haver uma lição para partidos irmãos em toda a Europa. O Partido Trabalhista sob Keir Starmer, por exemplo, poderia pelo menos aprender algo com Costa sobre como trabalhar com a extrema esquerda até que a vitória seja garantida. Para os comunistas e radicais, a eleição foi um duro aprendizado. Eles descobriram que você pode trabalhar com o centro para ganhar poder, mas uma vez que você está lá, você tem que esculpir sua própria identidade, o que eles não fizeram – e acabaram pagando o preço.

Mas a lição mais importante dessas eleições diz respeito ao sucesso rastejante da extrema direita. A terceira maior força política em Portugal – um país com uma orgulhosa história antifascista onde a ditadura foi derrubada numa revolução socialista sem derramamento de sangue em 1974 – é hoje o Chega. Ela trouxe de volta um MP barulhento e mal-humorado em 2019. Quando o Parlamento voltar em meados de fevereiro, terá um grupo de 12 pessoas. São uma dúzia de deputados que representam um partido cujo líder tentou repetidamente demonizar a minoria cigana, cujos representantes têm sido associados à nostalgia da ditadura de Salazar e têm um registo de comentários inflamatórios relacionados com a raça.

É realmente uma lição antiga. Qualquer oxigênio entregue à extrema direita é perigoso. A normalização de um discurso de extrema-direita pela televisão nacional, jornais diários e pelos comentaristas, ainda que por causa de tópicos de conversa contraditórios, muitas vezes serve apenas como um ímpeto. Num país que derrubou a extrema-direita do poder há quase 50 anos, é particularmente preocupante e inquietante ver os seus homólogos modernos regressarem ao Palácio de São Bento, onde se encontra o Parlamento. Por todo o doce alívio que o Partido Socialista pode sentir, a ascensão do Chega é um lembrete de que a complacência nunca é uma opção.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *