OVNIs são estudados em Vila do Conde

Um grupo de antigos investigadores criou o Centro de Estudos dos Fenómenos Aeroespaciais (CIFA) em Vila do Conde, no distrito do Porto, com o objectivo de estudar fenómenos “extraordinários”.

Em declarações à agência noticiosa Lusa, Vítor Moreira, um dos fundadores e presidente do CIFA, esclareceu que a intenção é estudar e estudar “fenómenos extraordinários” ocorridos no país e a sua “confirmação científica”.

“Não vamos perseguir luzes, nem identificar fenómenos à distância”, disse Vítor Moreira, sublinhando que o objetivo é tratar os fenómenos aeroespaciais extraordinários “com seriedade” e ajudar a população a compreendê-los.

Sem teorias da conspiração

“Atualmente, há necessidade de educar a população e incentivar uma visão mais equilibrada do que são esses fenômenos”, argumentou, acrescentando que a CIFA “não se baseia em teorias da conspiração”.

Fundada em julho de 2021 por uma equipe de pesquisadores que estudaram esses fenômenos nas décadas de 1980 e 1990, a CIFA é atualmente composta por uma equipe multidisciplinar que inclui advogados, engenheiros, jornalistas e policiais.

A investigação do centro sobre fenômenos aeroespaciais é baseada em arquivos – físicos e digitais – bem como em documentos e relatórios de outras organizações coletados “nos bastidores e anonimamente” desde 2018.

Para além da documentação, o trabalho do CIFA assenta também em informação veiculada nos meios de comunicação social portugueses, uma “fonte importante” para a qual a equipa irá centrar a sua atenção, e com o conhecimento de outras entidades como o Instituto Marítimo Português e a Instituto Marítimo enfrentará atmosfera (IPMA).

“Existem quase 2.000 registros de eventos extraordinários em Portugal. Temos históricos de casos muito confiáveis, mas ainda é uma história. Sabemos que narrativas são narrativas e queremos ir mais longe”, frisou.

Para agir rapidamente

“Planejamos posteriormente estabelecer protocolos para trabalhar eficazmente com a Força Aérea e a Guarda Nacional Republicana (GNR) para chegar aos casos individuais que possam surgir no interior”, disse, argumentando que o objetivo é “agir rapidamente”. evacuação mais eficaz”.

Vítor Moreira salientou que a equipa já tinha desenvolvido “um trabalho de avaliação de eventos que foram relevantes no ano passado”, o que deu origem ao relatório anual dos eventos, em que “nenhum caso foi classificado como excepcional”, para o qual uma explicação e validação científica existiu para os 19 eventos de visualização.

“A porcentagem de casos declarados diz respeito principalmente à tecnologia de drones, bem como a vários tipos de balões”, disse o funcionário.

Vítor Moreira sublinhou que no próximo ano a CIFA espera apresentar “um modelo mais consistente e preciso” dos relatórios recebidos e prevê que para 2023 continue a trabalhar “não com hipóteses mas com certezas”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.