Países ricos como o Canadá estão viajando para outra conferência climática da COP depois de não atingir a meta de financiamento de US$ 100 bilhões

Países ricos como o Canadá, que causaram a maior parte das emissões globais de carbono que alteram o clima, estão indo para outra conferência climática global depois de falhar – mais uma vez – em cumprir seus compromissos financeiros com os países que sofrem o impacto das mudanças climáticas.

No período que antecedeu a COP27, de 6 a 18 de novembro no Egito, o ministro do Meio Ambiente do Canadá e o oficial internacional do clima da Alemanha publicou um relatório de progresso concluiu que é necessário mais trabalho para fornecer Cdn136,2 bilhões (US$ 100 bilhões) em financiamento climático anual.

“Sabemos que não mobilizamos US$ 100 bilhões em 2020, fizemos isso por meio deste relatório [we] mostrar o compromisso contínuo dos países industrializados para atingir esse objetivo o mais rápido possível”, escreveram o ministro do Meio Ambiente Steven Guilbeault e Jennifer Morgan, ministra das Relações Exteriores da Alemanha e oficial internacional de proteção climática.

O relatório cita os números mais recentes de 2020 da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mostrando que os países desenvolvidos mobilizaram US$ 83,3 bilhões para ajudar os países mais pobres a se afastarem dos combustíveis fósseis e se prepararem para tempestades. Isso é mais do que os US$ 79,6 bilhões destinados à ajuda climática em 2019.

No ano passado, Canadá e Alemanha reconheceram que os países desenvolvidos coletivamente não cumpriram suas promessas, mas expressaram “confiança de que a meta será cumprida em 2023”.

Na sexta-feira, os dois países destacaram onde o mundo desenvolvido ficou aquém. Apontaram a necessidade de dobrar o financiamento para a adaptação às mudanças climáticas, reduzir as barreiras burocráticas ao financiamento de projetos e mobilizar o financiamento privado e os bancos internacionais de desenvolvimento.

Guilbeault e Morgan também se juntaram a altos funcionários dos EUA, como a secretária do Tesouro Janet Yellen e o chefe do clima do presidente Joe Biden, John Kerry, ao criticar instituições internacionais como o Banco Mundial por não fazerem o suficiente para ajudar os países em desenvolvimento.

O secretário de Meio Ambiente Steven Guilbeault participa de uma sessão de perguntas e respostas em uma conferência do Canadian Climate Institute em Ottawa na terça-feira, 18 de outubro de 2022. (A IMPRENSA CANADENSE/Sean Kilpatrick)

“O Banco Mundial tem um papel particularmente importante a desempenhar, e alguns bancos multilaterais de desenvolvimento são mais proativos do que outros”, disse Guilbeault em entrevista coletiva na sexta-feira. “Mas acho que há um desejo claro de tornar o Banco Mundial um dos mais ambiciosos.”

A CBC entrou em contato com o Banco Mundial para comentar e não recebeu resposta imediata. O relatório conclui que o Banco Mundial forneceu US$ 31,7 bilhões em financiamento climático em 2022 – 19% a mais do que contribuiu em 2021. No entanto, só fez essa contribuição sob pressão de países em desenvolvimento e desenvolvidos, diz o relatório.

A atualização de sexta-feira veio antes da conferência sobre mudanças climáticas da Conferência das Partes (COP) no Egito. A conferência anual é o fórum global de tomada de decisões necessário para implementar o Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climáticaadotada no início da década de 1990, e os subsequentes acordos climáticos.

O compromisso anual de US$ 100 bilhões foi feito há mais de uma década na conferência COP15 em Copenhague, Dinamarca. Baseou-se no reconhecimento de que o mundo desenvolvido é o principal responsável pela geração de emissões que causam as mudanças climáticas, que agora estão afetando desproporcionalmente os países mais pobres.

A União Europeia e os 23 países representados na COP15 se comprometeram a cumprir a promessa de dinheiro até 2020.

Canadá precisa intensificar: grupo ambientalista

De acordo com o relatório, o compromisso total do Canadá com esse pacote de financiamento climático prometido é de US$ 5,3 bilhões em cinco anos, 40% dos quais na forma de doações.

Julie Segal é Gerente Sênior de Finanças Climáticas da Environmental Defence, um grupo de defesa do meio ambiente. Ela disse que o corte do Canadá desses US$ 100 bilhões deve ser de cerca de US$ 9 bilhões – e não é o único país rico que não está crescendo.

Uma jovem brinca em frente à sua tenda em um campo de ajuda humanitária em Jaffarabad, um distrito na província de Baluchistão, no sudoeste do Paquistão, em 29 de setembro de 2022. O Paquistão foi recentemente atingido por inundações que danificaram ou destruíram mais de 2.000 hospitais e centros de saúde e deixaram quase 1.700 mortos. (Foto AP/Zahid Hussain)

“Todos os países desenvolvidos não dão peso suficiente a esta questão”, disse Segal à CBC. “Todos os países desenvolvidos estão se movendo muito devagar nessa questão.”

Ao final da COP26, a última cúpula internacional do clima, os países industrializados se comprometeram a dobrar os fundos disponíveis para adaptação. No entanto, de acordo com o relatório de progresso, Luxemburgo e Portugal ainda não estabeleceram metas para aumentar o financiamento.

“É uma traição vergonhosa que as nações ricas continuem cronicamente inadimplentes em suas promessas de financiamento climático”, disse Tasneem Essop, diretor executivo da Climate Action Network International, em comunicado à mídia.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *