Paulo Sousa, Jorge Jesus e a ‘vergonhosa’ briga de treinadores que despedaça o flamengo em dificuldades

A pressão sobre o atual titular Sousa só aumentou depois que o favorito dos fãs, Jesus, afirmou que adoraria a chance de voltar ao Rio

Nem tudo está bem no gigante brasileiro Flamengo.

O time carioca pode ter chegado às oitavas de final da Copa Libertadores sem suar a camisa, mas isso não é suficiente para seus torcedores notoriamente exigentes, que querem ver mais de seus heróis ou, se não, mudanças rápidas de pessoal.

No centro do ataque estão dois treinadores portugueses, um lembrado com carinho no Mengão e cuja presença ainda espreita, e outro cujo mandato poderá em breve chegar ao fim.

Graças à fantástica atuação de Jorge Jesus no Flamengo e às vitórias consecutivas de Abel Ferreira na Libertadores no comando do Palmeiras, os treinadores dos primos lusófonos do Brasil do outro lado do Atlântico estão muito em voga nos principais clubes do país.

Ainda em São Paulo, Ferreira está praticamente no topo da Série A, ao mesmo tempo em que inicia a última defesa do Palmeiras na Copa com um perfeito 18/18 para chegar às oitavas de final com facilidade.

Em outros lugares, o Corinthians recorreu ao ex-técnico do Porto, Vitor Pereira, enquanto o Botafogo também nomeou Luis Castro, um técnico com larga experiência no clube.

O Flamengo, por sua vez, procurou imitar os anos de glória de Jesus recorrendo a Paulo Sousa, que não deixou que seus compromissos anteriores com a seleção da Polônia e os próximos play-offs da Copa do Mundo impedissem um novo começo no ensolarado e pitoresco Rio.

Paulo Sousa Flamengo GFX

Imagens Getty

No entanto, o meio-campista ex-Juventus, Borussia Dortmund, Inter e Portugal já anda na corda bamba.

Em seu primeiro mês no cargo, o Flamengo sofreu duas derrotas finais, na Supercopa e no Campeonato Carioca, e sua temporada na Série A começou de maneira claramente esmagadora, empatando três e perdendo dois dos seis primeiros jogos para terminar em 16º lugar para provar .

O Flamengo dificilmente é o primeiro grande clube brasileiro a ter um mau começo na La Liga, tendo se distraído com os compromissos do grupo da Libertadores. Mas Sousa tinha outro adversário improvável para enfrentar: ninguém menos que seu ilustre antecessor Jesus, que divulgou abertamente seu trabalho na mídia em uma violação impressionante do código de treinamento.

“Eu quero voltar [to Flamengo] sim”, disse Jesus UOL. “Mas não sou só eu. Posso esperar até 20 de maio. Depois disso, tenho que decidir o que fazer da minha vida.

“Essa equipe ainda me toca. Me incomoda vê-la em apuros. Tenho certeza de que se eu tivesse continuado, teríamos alcançado um domínio de longo prazo aqui. Estávamos bem à frente dos outros clubes.”

Jesus Sousa

Os comentários de Jesus foram recebidos com aplausos do torcedor do Flamengo, silêncio cauteloso na diretoria e raiva nua do círculo íntimo de Sousa.

“Vimos um momento infeliz. Só quem está perturbado e angustiado pode mostrar tamanha falta de ética, respeito e profissionalismo”, disse o agente de Sousa, Hugo Cajuda, em comunicado.

“Apesar de sua longa história, a pessoa acima consegue subir mais um degrau neste episódio vergonhoso.

“É uma continuação do ‘eu’ que sempre ofusca o ‘nós’ e tenta justificar tudo. As justificações e desculpas devem ser dadas aos adeptos do Benfica que gastaram 150 milhões de euros e viram zero troféus (quando Jesus estava no comando)!”

De qualquer forma, Jesus está fora da mesa depois de aceitar uma oferta para treinar o Fenerbahce na próxima temporada da Liga dos Campeões. Mas isso fez pouco para aliviar a pressão sobre Sousa.

Os torcedores continuam cantando o nome de Jesus nas arquibancadas do Maracanã e, no domingo, um pequeno grupo se dirigiu à sede do clube, no bairro da Gávea, para pedir a demissão do português, com lenços brancos e faixas para sublinhar.

A subsequente vitória por 2 a 1 no derby sobre o Fluminense, que derrotou seus arquirrivais graças ao segundo gol de Gabigol na temporada, aliviará as tensões no clube.

Mas Sousa ainda tem muito trabalho a fazer para convencer seus críticos de que pode restaurar os dias de glória de seu compatriota.

O trabalho do Flamengo provou ser um cálice envenenado nos últimos anos. Após a saída de Jesus em 2020, Domenec Torrent, Rogério Ceni e Renato Gaucho entraram e saíram do banco sem manter a trilha de glória que caracterizou o ano do veterano no comando.

Cada homem tinha seu próprio ponto de venda. Torrent, anos de experiência como o número 2 de Pep Guardiola; Ceni, prestígio indiscutível de sua passagem como goleiro no São Paulo; enquanto Renato havia levantado a Libertadores com o Grêmio e guiado o Mengão à final de 2021, onde perdeu por pouco para o Palmeiras.

Mas nenhum desses trios conseguiu alcançar o sucesso instantâneo e assim seus dias estavam contados enquanto o espectro de seu antecessor continuava a assomar.

Sousa sabe que pode ser o próximo no bloco de corte, mas parece determinado a lutar até o fim e, apesar de seu início impressionante no Brasil, o técnico tem qualidade em seu elenco e o know-how para fazer isso mudar as coisas – se ele conseguir a chance.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.