Pedro Gonçalves: O Sporting Lisboa encontrou o próximo Bruno Fernandes?

Pedro Gonçalves marcou 14 golos no campeonato português esta época, mais cinco do que qualquer outro

A franqueza do então técnico do Sporting lisboeta Jorge Silas chocou poucos na conferência de imprensa. “Como vamos substituir Bruno Fernandes? Precisamos de três jogadores para isso”, respondeu. “Não há ninguém como ele em Portugal.”

Preencher o vazio deixado por Fernandes quando ingressou no Manchester United em janeiro de 2020 por £ 47 milhões iniciais parecia uma tarefa impossível. Muito mais cedo do que o esperado, no entanto, o clube de Lisboa parece ter conseguido a contratação de Pedro Gonçalves, um meia-atacante de 22 anos que não teve sucesso no Wolves, mas custou 5,6 milhões de libras.

Desde que se juntou a nós de Famalicão, o rapaz encarregado de preencher o vazio deixado pela partida de Fernandes para Old Trafford conseguiu decolar.

Embora ele possa não ser tão influente quanto Fernandes em seu jogo geral, ele está provando ser ainda mais prolífico em termos de gols e assistências.

Na primeira metade da atual temporada, “Pote”, como também é conhecido, contribuiu com 14 gols e duas assistências em 15 jogos do campeonato, uma contagem um pouco melhor do que seu antecessor, que teve oito gols e sete assistências em 16 jogos ao intervalo -tempo da campanha de 2019 -20.

Ao contrário de Fernandes, todos os golos de Gonçalves vêm de jogo aberto.

Sua forma foi uma parte fundamental na conversão de uma equipe consistentemente insatisfatória em candidatos ao título. O Sporting ainda não perdeu um jogo no campeonato português e tem 10 pontos de vantagem no topo. Eles ergueram o troféu pela última vez em 2001/02.

A pressão de terminar um período tão longo sem sucesso quebrou jogadores no passado, mas isso não parece ser um problema para Gonçalves.

Um finalizador mortal e agora ligado ao Liverpool e ao Manchester United, ele fez coisas que nem mesmo seu ex-técnico do Famalicão, João Pedro Sousa, lhe daria crédito.

“Quando o pegamos de Wolverhampton [in mid-2019] Ele era um jogador que quase não tinha tempo de jogo”, diz Sousa, que já trabalhou como assistente no Everton, Watford e Hull City.

“Ele obviamente não era o jogador de futebol que é agora, mas ele entendeu claramente o jogo e seus diferentes momentos – algo que faz a diferença no futebol da primeira divisão. Ele teve a chance de jogar comigo em várias posições no meio-campo – quando Double pivô, ala e número 10.

“Nesta temporada, vemos ele em um papel mais avançado, mais próximo do alvo, com mais envolvimento no gol.

“Ele está mostrando uma capacidade de chegar ao último terço e atacar que eu não sabia que tinha, então tenho que parabenizar Ruben Amorim [Sporting boss] Portanto. É o sonho de todo treinador ter um jogador tão versátil quanto Pedro.”

Apesar de ter apenas uma temporada completa em seu currículo, Gonçalves – que tem uma cláusula de liberação de € 60 milhões – não parece muito preocupado com o hype que o cerca.

Ele ainda aborda os jogos da mesma forma que fazia quando criança em Vidago, uma vila de 1.000 habitantes no norte de Portugal, onde passava os dias chutando bolas em ambulâncias no quartel de bombeiros onde seu padrasto João trabalha.

“Eu costumo descrevê-lo como um jogador de rua porque contra quem ele está jogando, não importa se é um Pizzi. [Portugal defender and Benfica captain] ou um jogador da terceira divisão – é exatamente o mesmo para ele”, diz Fabio Martins, seu ex-companheiro de equipe no Famalicão e agora no Al-Shabab da Arábia Saudita. “Ele não sente a pressão dos grandes jogos.”

Talvez Gonçalves se sinta tão confortável em um estádio de futebol porque ele literalmente cresceu em um estádio de futebol.

A sua mãe, Maria, foi a esposa do kit Vidago, a equipa que representa a cidade onde nasceu, e por isso viveu a maior parte da sua infância numa casa de três quartos no estádio.

Ele costumava convidar seus amigos para jogar futebol e não voltava para casa até que seus pais apagassem a luz.

Já aos nove anos jogou pelo Chaves, clube que oscila entre a primeira e a segunda divisão do futebol português. Ele foi então levado a um teste com o Braga, um clube de gigantes estabelecido, e ficou tão impressionado que o contratou imediatamente.

“Lembro-me de olhar para ele e pensar: ‘Esse menino não é um jogador – por que eu deveria usá-lo?’ Ele era pequeno, um pouco gordinho e parecia ter acabado de pular da cama”, lembra Jaime Leite, um de seus primeiros mentores.

“Era nosso último treino da semana. Eu tinha algumas coisas em mente que queria fazer, mas no final decidi dar uma chance a ele. Ele me disse que jogaria em qualquer lugar no ataque, então foi para isso.

Em cinco minutos ele marcou dois gols, um dos quais arremessou a bola para o nosso goleiro. Não podíamos acreditar em nossos olhos. Ele era um fenômeno. No final, trabalhamos juntos por quatro anos e construímos uma relação pai-filho.

“Ele é um garoto incrível que veio do nada, não tinha uma família rica, lutou sozinho, então ele merece todos os holofotes que recebe.”

Pedro Gonçalves
Gonçalves fez uma aparição sênior pelo Wolves em dois anos no clube, um jogo da Copa da Liga contra o Sheffield Wednesday

Gonçalves optou por deixar o Braga antes da estreia sénior e, tal como Fernandes, que começou a carreira em Itália, começou os seus dias de profissional no estrangeiro.

O craque português Sub-21 mudou-se para Valência, mas não pôde jogar lá por um ano depois que a Fifa se recusou a aceitar sua inscrição. Ficando duas temporadas em Espanha, voltou a fazer as malas, desta vez para o Midlands e para o Wolves, onde reencontrou Nuno Espírito Santo, que tinha treinado o Valência.

Ele dividiu uma casa com o também português Ruben Neves, mas as coisas não correram bem em campo, tendo feito apenas uma aparição no time principal – como substituto na vitória por 2 a 0 da Carabao Cup no Sheffield Wednesday, em agosto de 2018.

Lobos usaram parte da taxa que receberam por ele instalar um novo campo de relva artificial na sua academia,link externo enquanto eles ganhariam mais se ele se mudasse novamente – acredita-se que eles receberiam uma porcentagem de qualquer revenda que Famalicão receberia.

Agora ele finalmente está tendo a chance de provar a si mesmo em um grande palco e nada parece estar segurando-o – nem mesmo seu temperamento.

“Ele é um pouco chato no bom sentido”, diz Martins. “Mas às vezes de um jeito ruim também, gemendo muito, falando sem parar, sempre discutindo com os adversários.

“Talvez seja assim que ele possa se concentrar no jogo. Conheço muitos jogadores de futebol que são assim – essas coisas são completamente normais”.

Sousa concorda que Gonçalves tem uma personalidade avantajada – ele exibe qualidades que às vezes são vistas no homem que substituiu no Sporting.

“Ele odeia perder – não apenas no jogo, mas antes do jogo, depois do jogo, durante a semana, em todos os lugares”, diz Sousa.

“Ele é um personagem altamente competitivo, mas está aprendendo a se controlar com mais maturidade quando as coisas não estão indo como ele quer em campo. Esse foi um aspecto que entendemos que ele precisava melhorar quando o contratamos – e ele fez”.

Como se viu, havia de fato alguém em Portugal que era muito parecido com Fernandes – em termos de habilidade e caráter futebolísticos. O Sporting parece ter conseguido o impossível.

Em torno do banner BBC iPlayerEm torno do rodapé do BBC iPlayer

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.