Pendurado por um fio? “Todos os dias há outro escândalo…”

Especialistas discutem se o governo de Portugal pode continuar a ser um soldado…

UMA tópico comum agora está em todos os noticiários se o governo de maioria absoluta de Portugal “tem condições de continuar”.

Todos os dias alguém leva um tiro‘ disse à SIC o ex-primeiro-ministro do PSD e actual autarca da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes – confiante nisso O presidente Marcelo deve notificar oportunamente a crescente sujeira e o senso geral de declínio da autoridade.

O fim de semana foi particularmente marcado pela “retorno repentino da amnésia” pelo ex-ministro das infraestruturas Pedro Nuno Santos. Sim, ele agora lembra que passou um papel debaixo do seu nariz detalhando os detalhes meio milhão de euros de “aperto de mão de ouro” oferecido ao ex-director da TAP, que depois promoveu a um cargo de topo na NAV. Esses lapsos de memória podem acontecer no governo…

Outra profunda inquietação foi suscitada pela “descoberta” deste ex-Secretário de Estado da Saúde Jamila Madeira foi lobista da RENque ganhou três vezes o seu salário de deputada durante vários meses enquanto servia como deputada antes de pedir transparência à Comissão sobre a sua opinião sobre a situação.

Na semana passada, Jamila Madeira anunciou que tinha suspendido o contrato com a REN, mas E quanto a todos aqueles meses em que ela efetivamente representou esta empresa chinesa?

O colunista Octávio Ribeiro recorda hoje no Correio da Manhã que “Durante a pandemia foi possível ver (Jamila Madeira) recebendo toneladas de produtos chineses, comprado às pressas com dinheiro público. Ainda não está claro se Jamila terá rompido relações com o setor privado nesta fase, com as regras sendo ditadas em Pequim.”

E depois há os detalhes intermináveis ​​de “alegações de corrupção” e investigações do Ministério Público.

Já são literalmente tantos que a agência noticiosa Lusa fez um ‘recapitular’ em inglês,(de “alguns dos casos”) para ajudar os leitores a marcar pontos.

Sábado viu discussões sobre como isso potencial “escândalo” na gestão do ministro das Finanças, Fernando Medina, na Câmara Municipal de Lisboa foi ampliado para acomodar o anos em que o primeiro-ministro António Costa foi presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

a O primeiro-ministro disse que não tinha “absolutamente nenhuma ideia sobre o assunto, e por isso não vou comentar”. Mas foram palavras quase verbais do ex-ministro das infraestruturas Pedro Nuno Santos sobre o rico aperto de mão dourado de que agora se lembra de repente e a situação do ex-ministro da defesa João Gomes Cravinho, que afirmou não ter conhecimento de qualquer trabalho perdido no antigo hospital militar – e quem agora parece que vai saber que um trabalho avaliado em € 750.000 saiu completamente do orçamento (onde acabou em incríveis € 3,2 milhões).

Em suma, foi um daqueles fins de semana em que todos têm uma opinião sobre o que aconteceu, e muito pouco parece bom para o governo.

O Correio da Manhã afirmou no sábado que “o O Presidente da República não descartou a possibilidade de demitir o atual governoe pediu ao António Costa que construísse um novo se Fernando Medina finalmente tem que entregar sua demissão em resultado do inquérito de Lisboa (que seria o 14.º no governo desde março passado). Mas eu Esta opção leva a lugares potencialmente escurosjá que todos os novos cargos estariam sujeitos ao questionário de 36 itens criado para eliminar candidatos com esqueletos em seus armários – e encontrar candidatos capazes de responder às várias perguntas da maneira certa parece ser uma grande tarefa.

Domingo recorreu a isso Investigação ‘Paulo Cafôfô’, e “Falhas” em suas demonstrações de resultados para vários anos. Deputado Cafôfô confirma que assim é “nada a esconder”, e que tinha a impressão de que não precisava declarar dinheiro em contas “se fosse menos de 50 salários mínimos…”

“Isso é tudo muito complicado e muito desconfortável‘ meditou Pedro Santana Lopes no ar – referindo-se neste caso particular ao lapso de memória de Pedro Nuno Santos, mas igualmente bem à situação mais geral em que ‘vivemos todos numa situação de desconfiança (…) atiraram em alguém e neste governo (os tiros) atingiram ministros estratégicos, o que enfraquece o governo”.

Santana Lopes quase chegou a afirmar que esse governo efêmero, marcado por tanto “furor”, fora “enfeitiçado”. O primeiro-ministro tem de parar o ciclo, disse ao locutor da SIC. “Deve haver ‘basta’!” e o começo de algo mais …” ele gesticulou, suas mãos descendo para “basta!”.

Então uma nova semana começa e ninguém está apostando no que esperar. Olhando “além de Portugal”, para países como o Reino Unido e os EUA, gafes políticas (assim como falhas de memória) parecem ser o sabor do mês, se não da estação: Portugal não tem o monopólio de eventos que se desenrolam ou as coisas vão errado (pelo menos essa é uma maneira de olhar para isso).

natasha.donn@portugalresident.com

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *