Perfuração de petróleo no Algarve aprovada – The Portugal News

Partidos políticos, grupos de interesse e a sociedade em geral reagiram com descrença e consternação esta semana depois que altos funcionários do governo uniram forças para informar ao país que a exploração de petróleo na costa sudoeste de Portugal começaria em setembro. A notícia tornou-se oficial na sequência de uma decisão da Agência Portuguesa de Protecção do Ambiente (APA) de que não era necessário um estudo de impacto ambiental para determinar os efeitos adversos da perfuração ao largo da costa algarvia.

Não houve partido político que não criticasse a decisão de permitir que o consórcio ENI/Galp iniciasse a exploração de petróleo na costa algarvia, com deputados do Partido Socialista no poder aderindo à calúnia da APA.
Em comunicado divulgado na noite de quarta-feira, os deputados que representam a filial algarvia do partido disseram que a APA se tornou “inútil, até mesmo um obstáculo, na hora de formular a política ambiental em Portugal. Eles agem contra as recomendações do legislador no Parlamento e contra a opinião de associações e organizações que trabalham pelo meio ambiente.”
Os socialistas disseram que a decisão é “contra os interesses do Algarve e do país e de certa forma a APA acaba de confirmar a sua própria insignificância”.
Os deputados locais recordaram ainda que o turismo representa cerca de um quinto das exportações do país, avaliadas em 15 mil milhões de euros, sendo o Algarve cerca de metade desse número.
A decisão de permitir a continuação das perfurações ao longo da Bacia do Alentejo surgiu depois de o presidente da APA, Nuno Lancasta, ter anunciado que as perfurações previstas, com início previsto para setembro num local a 46 quilómetros de Ajezur, “não tiveram impactos adversos significativos”.
A perfuração está sendo realizada a uma profundidade de 1.070 metros e será realizada inicialmente pelo navio-sonda Sapien 12000, que foi implantado em operações na costa do Marrocos até o mês passado. A tripulação a bordo será de cerca de 150.
A prospecção tem duração prevista de três meses em um período de 50 dias úteis.
Membros do partido de oposição PSD expressaram sentimentos semelhantes aos de seus oponentes políticos, dizendo que a decisão da APA só servirá para aumentar a “desconfiança e insegurança” entre os moradores.
Recordaram ainda que na consulta pública participaram mais de 42.000 pessoas, sem ter em conta as opiniões dos inquiridos.
Os Verdes, entretanto, já agendaram um debate com outros partidos da oposição para esta sexta-feira, dizendo que vão aproveitar esta oportunidade para contestar a decisão de não realizar uma avaliação de impacto ambiental.
O Bloco de Esquerda, parte da coalizão governista, também pediu cabeças para rolar, argumentando que o papel da APA deve ser agir para proteger o meio ambiente sempre que houver dúvidas sobre possíveis danos a ele.
Quando o ministro das Relações Exteriores, Augusto Santos Silva, anunciou a decisão da APA, o governo anunciou que não seriam emitidas mais licenças para futuras prospecções petrolíferas na atual legislatura, que termina no próximo ano.
No entanto, o ministro acrescentou que o governo vai honrar os acordos de licenciamento existentes e as respectivas obrigações contratuais no interesse da estabilidade comercial.
O controverso acordo foi acordado em 2007 pelo governo socialista liderado por José Sócrates, com o ministro da Economia, Manuel Pinho, a assinar o acordo. Ambos os ex-políticos estão atualmente sendo investigados por suborno e corrupção, entre outras coisas.
Entretanto, Augusto Santos Silva, que também é efetivamente vice-primeiro-ministro, acrescentou que a descoberta de petróleo ao largo da costa algarvia ajudaria Portugal a tornar-se menos dependente da importação de combustíveis fósseis.
“Vamos precisar de petróleo para vários fins por algum tempo”, disse ele, observando que o governo acompanhará de perto as medidas impostas pela APA para garantir “segurança contínua e mitigação de riscos ambientais”.
Jorge Botelho, líder do grupo comunitário AMAL da Câmara Municipal do Algarve, lamentou a decisão, que qualificou esta semana como “contrária ao que esperávamos”. O atual autarca de Tavira insiste também que a perfuração não é isenta de riscos e apresenta potenciais ameaças ambientais.
Anunciou ainda que os pareceres dos peritos confirmaram que esta medida terá impacto no ambiente, ao mesmo tempo que terá efeitos adversos no dinamismo económico da região, nomeadamente ao nível do turismo.
Esta notícia surge um mês depois de o governo português ter ganho “Ouro” nos Prémios Europeus de Subsídios de Combustíveis Fósseis de 2018. O prêmio indesejado foi para o maior desperdício de dinheiro dos contribuintes apoiando a energia suja.
A segunda edição de um concurso único organizado pela Climate Action Network (CAN) Europe foi vencida por Portugal para o licenciamento de empresas nacionais de gás e petróleo para perfurar águas profundas no sudoeste do país.
Os vencedores são os governos que desperdiçam o dinheiro dos contribuintes apoiando a energia suja.
Uma campanha digital em toda a Europa em março levou as pessoas em toda a Europa a votar nos piores subsídios aos combustíveis fósseis.
O objetivo dos prêmios, criados pela CAN Europe, é, segundo a organização, “descobrir as formas bem ocultas como os governos europeus estão usando o dinheiro dos contribuintes para apoiar os combustíveis fósseis às custas do clima, do meio ambiente e da meio ambiente.” a saúde das pessoas e aumentando a pressão para eliminar rapidamente os subsídios aos combustíveis fósseis”.
Ele disse que Portugal ganhou ouro por conceder às empresas nacionais de gás e petróleo uma licença para perfurar em alto mar na província do Alentejo, no sul, uma área de biodiversidade protegida e hotspot turístico.
Após a notícia, Francisco Ferreira, Diretor da Zero em Portugal, acrescentou: “É inaceitável que o governo português esteja favorecendo o acesso a empresas de perfuração de petróleo offshore enquanto o país lidera e planeja se comprometer com uma ação climática ambiciosa neutra em relação ao clima até 2050”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.