Por que Portugal se tornou um oásis de estabilidade – POLITICO

LISBOA – Todas as comemorações do primeiro aniversário de António Costa como primeiro-ministro de Portugal foram prejudicadas pelo anúncio desta semana de que o homem Costa, que se acreditava dirigir o maior banco de Portugal por cinco meses, renunciou e os esforços do governo para aliviar a instabilidade financeira do país sistema para apoiar o país, tinha duvidado .

Mas em comparação com as ameaças existenciais enfrentadas por tantos líderes europeus e políticos tradicionais, o primeiro-ministro socialista de Portugal parece bonito.

Uma pesquisa divulgada na sexta-feira mostrou um índice de aprovação de 81 por cento, acima dos 47 por cento em dezembro de 2015. Nada mal comparado a outros líderes de centro-esquerda como o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi, que caiu para cerca de 30 por cento, e o presidente francês François Hollande. definhar em 4 por cento.

“Conseguimos cumprir todas as nossas promessas ao povo português”, disse Costa na terça-feira depois que o Parlamento aprovou seu orçamento de 2017 para continuar construindo essa alternativa.”

O populismo de extrema-direita, crescendo em toda a Europa, está em grande parte ausente em Portugal, e o governo roubou o apoio dos dois partidos de extrema-esquerda que apoiam o governo minoritário no Parlamento. Tanto o Partido Comunista Português com 6 por cento como o Bloco de Esquerda com 8 por cento perderam alguns pontos desde a eleição.

“Os eleitores que há um ano realmente não confiavam em António Costa passaram a gostar muito dele” — Nuno Garoupa da Católica Global School of Law em Lisboa

De acordo com a sondagem publicada no jornal Diário da Notícias, o Partido Socialista de Portugal ganharia 43 por cento dos votos se as eleições fossem agora.

A aversão de Portugal à política de extrema-direita pode ser parcialmente explicada pelo legado duradouro do ditador Antonio Oliveira Salazar, cujo regime severo durou mais de quatro décadas até ser derrubado por uma revolução em 1974. Portugal também não viu um afluxo recente de refugiados ou um afluxo repentino de imigrantes, que alimentaram o crescimento da extrema direita em outros lugares. As comunidades de imigrantes, principalmente do Brasil, da África lusófona e de países do Leste Europeu, como Ucrânia e Romênia, estão comparativamente bem integradas.

Medos radicais infundados

A emergência de Portugal como um oásis de estabilidade na problemática Europa surpreendeu muitos, que temiam que o acordo de coalizão de Costa com a extrema esquerda criasse um conflito com o compromisso de Lisboa com as regras fiscais da zona do euro.

Até agora, ele conseguiu conciliar demandas concorrentes. O governo aumentou as pensões, reverteu os cortes salariais do setor público, suspendeu os planos de privatização e eliminou gradualmente os impostos sobre a poupança, evitando por pouco a punição de Bruxelas.

Costa foi apoiado por notícias econômicas positivas. Depois de anos de atraso, a economia de Portugal cresceu mais rápido do que qualquer outra na União Europeia no terceiro trimestre, segundo dados Dados do Eurostat publicado em 15 de novembro. O desemprego está em seu nível mais baixo em cinco anos. As exportações e os investimentos estão se recuperando.

Enquanto isso, o turismo em alta, a vitória da seleção nacional de futebol na Euro 2016 e a ascensão do ex-primeiro-ministro António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas ajudaram a acalmar o clima sombrio que obscureceu o sentimento nacional desde a zona do euro crise de 2009 Tem.

Até mesmo a vitória esmagadora do candidato de centro-direita apoiado pela oposição nas eleições presidenciais de janeiro em Portugal jogou nas mãos de Costa.

O hiperativo abraçou o ex-avaliador da TV Presidente Marcelo Rebelo de Sousa tem um papel em grande parte cerimonial, mas é muito popular e desenvolveu uma reação com seu primeiro-ministro socialista que impulsionou a posição centrista de Costa.

“Eleitores que realmente não confiavam em António Costa há um ano passaram a gostar muito dele”, disse Nuno Garoupa, da Católica Global School of Law, em Lisboa. “Os eleitores do centro que não gostaram da sua campanha ou da sua coligação com os comunistas e o bloco estão agora dispostos a dizer que António Costa tem qualidades.”

Por outro lado, o Partido Social-Democrata (PSD) da oposição parece sem liderança desde que Costa o superou ao formar a coalizão de esquerda que chegou ao poder no ano passado. O partido não abandonou sua associação com políticas de austeridade muito difamadas, e o ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho tem o índice de popularidade mais baixo de qualquer líder partidário.

Há revoltas contra ele dentro do partido, que certamente aumentarão se as pesquisas não mostrarem mudanças antes das eleições municipais nacionais de setembro próximo.

Rainha Isabel II encontra-se com o Presidente de Portugal Marcelo Rebelo de Sousa | Dominic Lipinski-WPA Pool/Getty Images

No entanto, alguns no partido acreditam que a popularidade de Costa será de curta duração devido às pressões econômicas. “O primeiro-ministro pinta um quadro ilusório do verdadeiro estado do país”, disse Hugo Soares, vice-líder do grupo PSD no parlamento. “O governo não tem estratégia. Eles inventam a política à medida que avançam. Não há nenhuma reforma estrutural. A economia está em estagnação”.

O PSD obteve um sucesso raro na semana passada, quando uniu forças temporariamente com apoiadores do bloco de esquerda radical do governo para aprovar uma exigência parlamentar de que a alta administração do banco estatal Caixa Geral de Depósitos divulgue seus ativos.

Isto contribuiu para a demissão do CEO António Domingues e de outros administradores da CGD. Domingues foi contratado por Costa para liderar uma reestruturação do maior credor de Portugal em agosto, após meses de negociações. As demissões colocaram em dúvida um plano de recapitalização de € 5 bilhões para o banco em dificuldades, que é visto como essencial para os esforços para estabilizar o frágil setor financeiro do país.

A vulnerabilidade do setor bancário torna Portugal vulnerável a choques externos.

Os analistas estão preocupados. A agência de classificação canadense DBRS alertou contra a consideração de um rebaixamento do grupo bancário. Ele disse que as demissões podem minar o plano de reestruturação ao “impor mais desafios para o grupo retornar à lucratividade, reduzir problemas de qualidade de ativos e aumentar a confiança dos investidores”.

A vulnerabilidade do setor bancário torna Portugal vulnerável a choques externos. Com 129 por cento do produto interno bruto – cerca de 232 bilhões de euros – sua dívida é a terceira mais alta da zona do euro, depois da Grécia e da Itália. Mesmo que o governo Costa atinja sua meta de crescimento de 1,5% para o próximo ano, pouco fará para aliviar o fardo.

Dúvidas sobre a economia europeia, agravadas pelo Brexit, o impacto da próxima administração de Donald Trump nos EUA e o referendo de domingo em Itália, aumentaram os juros que Portugal tem de pagar pela sua dívida. É um eco preocupante da crise que empurrou o país para um resgate internacional em 2011.

Na semana passada, Costa afirmou ter restaurado “calma e normalidade” ao país.

Se ele não consegue se defender das ameaças financeiras, a restauração parece precária.

Elite Boss

Leave a Reply

Your email address will not be published.