Portugal começa a limpar

O Correio da Manh informou a 22 de Setembro que os procuradores do caso Operação Lex alegaram que Rui Rangel tinha recebido 900.000 numerário que tinha depositado na sua conta bancária, num total de 270 depósitos registados. Os promotores acreditam que esse dinheiro vem de crimes como corrupção passiva.

O primeiro julgamento da chamada “Operação Lex” começou no dia 21 de setembro no Supremo Tribunal Federal (STJ), com o primeiro julgamento de testemunhas, quase dois anos após o Ministério Público indiciar 17 réus. O processo está a decorrer no Supremo Tribunal de Justiça de Portugal, pois o crime envolveu um juiz do tribunal de segunda instância.

Rui Rangel, ex-juiz do Tribunal da Relação de Lisboa, foi indiciado por dois crimes de corrupção passiva, quatro crimes de abuso de poder, um crime de usufruto de vantagem indevida, um crime de privação de funções, seis crimes de falsificação de documentos, seis crimes acusações de fraude fiscal e uma acusação de branqueamento de capitais.

Entre os arguidos estavam três ex-juízes: Rui Rangel, Fátima Galante (ex-mulher de Rangel e também juiz) e Luís Vaz das Neves (ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, que se aposentou) e o ex-presidente do Benfica Luís Filipe Vieira, vice-presidente do clube, Fernando Tavares, empresário José Veiga, etc.

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *