Portugal diz que pode enfrentar escassez se a Nigéria não entregar todo o GNL que é devido

Portugal pode enfrentar problemas de abastecimento neste inverno se a Nigéria não entregar todo o seu gás natural liquefeito (GNL) como deveria, disseram os ministros do meio ambiente e energia do país da UE na segunda-feira.

Questionado sobre se muitos países procuram agora alternativas ao gás russo, existe a possibilidade de a Nigéria não conseguir satisfazer os seus volumes de fornecimento de GNL, Duarte Cordeiro disse que embora o governo tenha dado a Lisboa garantias de que o faria, “existem riscos . não obedece”.

“No dia a dia, podemos ter problemas, como a indisponibilidade dos volumes de gás planejados”, disse Cordeiro em conferência em Lisboa organizada pela CNN Portugal.

Cordeiro não disse o que impediria a Nigéria de fornecer seu GNL contratado.

A produção de petróleo e gás na Nigéria foi prejudicada pelo roubo e destruição de oleodutos, deixando o terminal da produtora de gás Nigeria LNG Ltd em Bonny Island operando com 60% da capacidade.

A Nigéria LNG, que é propriedade das empresas petrolíferas estatais NNPC Ltd, Shell, TotalEnergies e Eni, não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

Apesar de Portugal ter reservas de gás a 100 por cento da capacidade de armazenamento, Cordeiro disse que se se materializassem menos carregamentos de GNL nigerianos, teriam de procurar abastecimentos alternativos.

Com outros países europeus fazendo o mesmo, isso provavelmente levará a preços mais altos do gás importado, disse ele.

Portugal importou no ano passado 2,8 mil milhões de metros cúbicos de GNL da Nigéria, ou 49,5 por cento do total das importações, enquanto os Estados Unidos foram o segundo maior fornecedor com uma quota de 33,3 por cento.

Outros fornecedores incluem Trinidad e Tobago, Argélia, Catar e Rússia, esta última respondendo por apenas 2% no ano passado.

Portugal está a “diversificar os seus fornecedores para melhorar a segurança energética do país”, disse Cordeiro, acrescentando que está a adotar uma estratégia de redução do consumo de gás, ao mesmo tempo que aumenta a já elevada produção de eletricidade através de energias renováveis.

“Portugal preparou-se, como toda a Europa, para o que será um inverno difícil”, disse ele, instando a Comissão Europeia a avançar com a implementação de uma plataforma comum de compra de gás e preços de importação. (Reportagem de Sergio Gonçalves; Edição de Alexander Smith)

Este conteúdo aparece conforme fornecido ao The Globe pelo serviço de cabo original. Não foi editado pela equipe da Globe.

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.