Portugal diz que questão da cidadania de Abramovich está pendente de investigação – EURACTIV.com

Portugal disse na quinta-feira (10 de março) que não retiraria a cidadania do proprietário do clube de futebol do Chelsea, Roman Abramovich, por enquanto, pois essa medida não faz parte das sanções da UE contra oligarcas russos, mas seu status de cidadania pode mudar dependendo do país. resultado de um exame.

A Grã-Bretanha impôs nesta quinta-feira sanções ao homem de 55 anos, que possui cidadania israelense e portuguesa, em uma escalada de medidas contra os assessores do presidente russo, Vladimir Putin, após a invasão do Kremlin na Ucrânia em 24 de fevereiro.

Em comunicado enviado à Reuters, o Departamento de Justiça disse que as sanções impostas pelo Reino Unido ao russo Abramovich não se aplicarão fora do Reino Unido devido à sua saída da União Europeia.

O bloco, ao qual Portugal pertence, não impôs sanções a Abramovich, mas colocou na lista negra vários outros chamados oligarcas. As sanções não incluem a privação da cidadania dos estados membros da UE que as detêm.

Abramovich recebeu a cidadania portuguesa em abril de 2021 sob uma lei que previa a naturalização para descendentes de judeus sefarditas expulsos da Península Ibérica durante a Inquisição medieval.

A história dos judeus sefarditas na Rússia é pouco conhecida, embora Abramovich seja um sobrenome comum de origem judaica Ashkenazi.

Os promotores portugueses abriram uma investigação sobre a concessão de cidadania a Abramovich em janeiro. Na quinta-feira, uma fonte do governo português disse à Reuters que a cidadania de Abramovich pode ser revogada dependendo do resultado da investigação.

Um porta-voz de Abramovich não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

João Paulo Batalha, especialista em anticorrupção e vice-presidente da Frente Cívica, associação que denuncia irregularidades na vida pública, disse à Reuters que o governo português deve agir por conta própria, independentemente de a UE incluir Abramovich em sua lista de casos de corrupção. ou oligarcas não sancionados.

“Esta resposta contundente do governo português indica uma negligência flagrante… em relação aos interesses obscuros de Abramovich”, disse Batalha.

Ele disse que a cidadania de Abramovich não deve ser revogada por causa das sanções, mas por causa das “muitas alegações de fraude relacionadas ao processo de reconhecimento de supostos descendentes sefarditas”.

Batalha, juntamente com outros ativistas, comentaristas e políticos, têm dito repetidamente que a lei que oferece a naturalização para descendentes de judeus sefarditas precisa ser revista, acreditando que está sendo usada por oligarcas para se firmar na UE.

A genealogia dos candidatos é verificada por especialistas num dos centros judaicos de Portugal, Lisboa ou Porto. O centro do Porto foi responsável pelo julgamento de Abramovich. Eles negaram repetidamente irregularidades.

“É óbvio que a cidadania de uma pessoa não pode ser tirada assim… é por isso que a cidadania… é tão cobiçada e cobiçada pelos oligarcas. Oferece um alto nível de proteção”, disse Susana Coroado, presidente do escritório português da Transparência Internacional. “Mas também é por isso que não pode ser ‘vendido’.”

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *