Portugal em alerta máximo com subida das temperaturas

LISBOA, 11 Jul (Reuters) – Portugal se preparou para o aumento das temperaturas, elevando seu nível de alerta para o terceiro mais alto de quatro níveis nesta segunda-feira. O governo disse que milhares de bombeiros estão prontos para agir, mas também pediu às pessoas que evitem incêndios.

Como parte do estado de emergência, que vigora até sexta-feira, mas pode ser prorrogado, o governo proibiu o acesso público a florestas consideradas vulneráveis ​​e proibiu as queimadas.

Vários incêndios florestais eclodiram em Portugal nos últimos dias, mas as autoridades dizem que o pior ainda está por vir, já que as temperaturas na maior parte do país devem ultrapassar 40 graus Celsius (104 graus Fahrenheit) a partir de terça-feira.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

A agência meteorológica IPMA disse que as temperaturas podem chegar a 46 a 47 graus Celsius em algumas áreas, incluindo o Alentejo, uma região do sul conhecida por suas pastagens planas. A temperatura mais quente desde o início dos registros foi de 47,3 graus Celsius em 2003.

“Esta não é uma situação totalmente normal”, disse a meteorologista do IPMA Patrícia Gomes à SIC TV. “É sério em todos os sentidos – incluindo nossa saúde… não é comum experimentar períodos tão longos de temperaturas tão altas.”

A maior parte do território português enfrenta uma seca severa ou extrema durante os meses de inverno devido à falta de chuva, o que significa que uma quantidade significativa de vegetação seca deve ser queimada.

À medida que as mudanças climáticas causadas pelo homem provocam secas, espera-se que o número de incêndios florestais extremos aumente em 30% nos próximos 28 anos, de acordo com um relatório da ONU de fevereiro de 2022. continue lendo

O primeiro-ministro António Costa disse que 13.000 bombeiros estão disponíveis para combater os incêndios, mas alertou que só o poderão fazer se as pessoas cooperarem: “Cada um de nós tem um papel importante a desempenhar: não apagar incêndios, mas apagá-los para prevenir”.

A situação atual traz de volta memórias de um incêndio florestal devastador no município central de Pedrógão Grande em junho de 2017, o pior desastre da história moderna portuguesa, que matou 64 pessoas e feriu mais de 250.

Os partidos de oposição apontaram o dedo para o governo por não fazer o suficiente para evitar incêndios florestais, com os social-democratas de centro-direita dizendo que os bombeiros não têm recursos e o bloco de esquerda acusando o partido no poder de não fazê-lo precisa criar unidades de manejo florestal.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

Reportagem de Catarina Demony; Edição por Aurora Ellis

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.