Portugal em chamas – Residentes de Portugal

Incêndios no Algarve invadem a Quinta do Lago

“Bom dia a todos… Está bem agitado esta manhã”… Assim é o Algarve Acesse a página de observação de incêndios nas redes sociais (Alerta Incêndio Florestal/Alerta de Incêndios Florestais) recebeu hoje os visitantes depois de um incêndio que deflagrou a meio da noite perto da Universidade do Algarve alastrar-se até às fronteiras de Almancil.

Equipes de TV correram para o local e filmaram bombeiros nas áreas bem cuidadas da Quinta do Lago – mas ao início do dia parecia que este incêndio em particular havia sido contido – apesar dos ventos fortes e temperaturas escaldantes.

Várias casas ao redor da ETAR (estação de tratamento de água) em Pinheiros Altos foram evacuadas (“por precaução”), mas a presença de tantos bombeiros no local sugeriu que o incidente não ficaria muito fora de controle.

Nada poderia estar mais longe da verdade.

Nas palavras do repórter da Open Media no local, Bruno Filipe Pires: “O que vi hoje foi fogo táctico dirigido a uma das zonas mais prestigiadas do Algarve com rajadas de vento quente e seco de sudoeste.


“Pouco depois das 10h30 desta manhã, Richard Marques, Comandante da Área de Operações da Proteção Civil de Faro, no seu briefing sobre o incêndio que deflagrou ontem à noite na zona do Ludo das Gambelas, perto de Faro, alertou os jornalistas que os bombeiros enfrentam um dia difícil tem, com uma frente de incêndio que se estende por 8 km.

“Mesmo assim, acho que ninguém poderia prever o que aconteceu à hora do almoço na Quinta do Lago.

“As chamas varreram o campo de golfe com tanta rapidez que os jardineiros e funcionários da Infraquinta quase não tiveram tempo de alinhar os furos de irrigação com os pinheiros em chamas.

“Em poucos minutos, tudo estava pegando fogo. Não faço ideia se as casas escaparam; certamente não os jardins.

“A Quinta do Lago vai demorar décadas a recuperar. O dano é imprevisível. Para todos nós”

À tarde, a direção do grupo Quinta do Lago divulgou um comunicado:

Após a situação do incêndio na Quinta do Lago, a administração do Grupo Quinta do Lago gostaria de assegurar a todos os residentes que estão a acompanhar de perto a situação com as autoridades competentes que trabalham no local.

Algumas das áreas mais críticas perto do incêndio foram evacuadas por precaução. Decidimos também encerrar os nossos campos de golfe, instalações desportivas e os nossos outlets para garantir o bem-estar dos nossos residentes e hóspedes.

Gostaríamos também de apelar a toda a comunidade para que mantenha a calma e fique atento enquanto as autoridades locais no terreno estão a trabalhar arduamente. guarda“.

Foi uma tentativa de encontrar calma em um dia que era tudo menos calmo.

Mesmo quando a declaração foi divulgada, os relatórios indicaram que O fogo varreu Quarteira.

fMais a norte, onde a região centro – o distrito de Leiria em particular – esteve literalmente sob bombardeios durante quase uma semana, a situação não era melhor.

Incêndios que eclodiram na quinta-feira passada e que se acredita terem dominado o fim de semana reacenderam em meio a temperaturas incapacitantes – que atingiram recordes na casa dos 40 graus – ventiladas por ventos fortes e os níveis mais baixos de umidade.

Ironicamente, áreas que anteriormente não haviam sido danificadas estavam agora na linha de chamas avançando.

Aldeias foram evacuadas, casas queimadas, linhas de telecomunicações e infraestrutura destruídas.

Foto de Bruno Filipe Pires/Open Media

Portugal é um barril de pólvora depois de um inverno excepcionalmente seco: as barragens estão em níveis mais baixos de todos os tempos. “Esta é a pior conjugação de fatores”, alertou no fim de semana o ministro do Interior, José Luís Carneiro, reforçando a mensagem do governo de que agora todos têm a responsabilidade de proteger o bem comum.

O país entrou em situação de emergência – após situação de alerta – para incêndios florestais: é interdito o acesso às áreas florestais / foram reforçadas as equipas de combate a incêndios / foi colocado qualquer tipo de trabalho com máquinas que possam causar uma faísca que possa levar a um incêndio em espera. Mas nunca pode haver o suficiente: esta é a temporada tradicional de incêndios florestais, e nenhuma preparação parece mudar isso.

Em Vila de Rei, o primeiro-ministro António Costa pareceu indicar na manhã de quarta-feira que o “problema principal” é que os proprietários de terras NÃO estão a cultivar terras florestais. Ele pediu que todos os proprietários de terras registrassem suas terras, insistindo que isso não resultaria em penalidades financeiras ou impostos.

Mas mesmo esse caminho foi questionado por fontes da mídia que afirmam que as pessoas já “gastaram fortunas limpando suas terras quando o Estado não fez nada”.

Por exemplo, a escola incendiada na Bairrada, em Ansião, na terça-feira, era um edifício propriedade do Estado. Segundo o tablóide Correio da Manhã, “desapareceu porque a vegetação dava para o edifício”…

O maior medo nos últimos dias tem sido que Portugal possa ser atingido por uma tragédia na escala dos “incêndios assassinos” de 2017 que mataram mais de 100 pessoas.

As condições climáticas são muito semelhantes. Até agora, no entanto, houve apenas uma morte – e isso também deve ser confirmado como resultado de um incêndio: na noite de terça-feira, o corpo carbonizado de uma mulher foi encontrado em um local de incêndio na Murtosa, Aveiro. Muito pouco veio à tona sobre como a vítima chegou lá (na verdade, quem ela era). Uma autópsia determinará se a mulher morreu como resultado do incêndio ou de outras causas.

Com 12 incêndios significativos em andamento na manhã de quarta-feira – principalmente confinados à região central – os repórteres confirmaram que mais de 20.000 hectares de floresta já haviam sido queimados na última semana.

Mais de 17 fogos de apoio aéreo foram ativamente bombardeados com água antes do meio-dia – e este é o próximo ‘grande problema’: a professora universitária Helena Freitas explicou que um dos maiores problemas que a região central enfrenta atualmente é a ‘falta de água’.

Enquanto as regiões costeiras podem ver bombardeiros de água enchendo e reabastecendo seus compartimentos com água do mar, os incêndios internos não garantem esse tipo de “acesso ilimitado”: há cada vez menos lugares para esses aviões reabastecerem.

“Estamos a assistir a um drama em relação à água”, disse ao Diário de Notícias o especialista em biodiversidade e ecologia, que trabalha na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Faculdade de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra. “É um problema crônico e extremamente complexo.

“É uma das questões estruturais que não queremos abordar” – e já houve muitos momentos desesperados na semana passada, quando os bombeiros que tentavam fazer o seu melhor literalmente “ficaram sem água”.

SUPER BOCK SUPER ROCK / FARO BIKERS’ MEET forçado a mudar de planos

Em situação de emergência, nenhuma atividade pode ocorrer em áreas arborizadas. Assim, o Super Bock Super Rock Festival, que já estava bem estabelecido perto da Praia do Meco em Sesimbra, foi transferido para o Parque das Nações (Altice Arena) em Lisboa – com enormes despesas para os organizadores.

O Faro Bikers’ Meet, que começa hoje, também teve que fazer várias mudanças logísticas, pois o parque de campismo estava localizado dentro do que é considerado um país ‘florestal’. O primeiro-ministro António Costa disse na terça-feira que não deve haver “exceções” e, portanto, o elemento de campismo mudou-se para uma área urbana próxima.

ANIMAIS PERDIDOS

Quando não houve vidas humanas, o foco está nos animais e, infelizmente, na região de Leiria, alguns já morreram em edifícios agrícolas que ardiam.

Quando nossa edição em papel foi para impressão, no entanto, era difícil ter uma ideia de quantos animais e quais espécies haviam morrido. Um número de danos ainda não foi dado, simplesmente porque os incêndios estão em andamento: mesmo que eles sejam “extintos”, a probabilidade de um incêndio permanece constante.

Ao meio-dia de hoje não havia sinais de abrandamento das condições climatéricas: 16 dos 18 distritos de Portugal estavam sob “alerta vermelho” devido ao risco de incêndio; mais de 100 municípios estavam em “risco máximo de incêndio rural”; Um novo incêndio deflagrou no Parque Nacional da Peneda-Gerês (do qual todos os visitantes foram retirados devido à situação de emergência) e quatro bombardeiros de água Canadair, dois de Itália e dois de França, estavam a caminho para ajudar.

Nada parecia bom: Portugal está literalmente em chamas.

natasha.donn@portugalresident.com

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.