Portugal homenageia diplomata que salvou milhares de nazis

LISBOA, Portugal (AP) – Portugal prestou nesta terça-feira uma homenagem oficial a Aristides de Sousa Mendes, diplomata português que ajudou a salvar milhares de pessoas da perseguição nazi durante a Segunda Guerra Mundial, colocando uma sepultura com o seu nome consagrado no panteão nacional do país.

Os principais políticos e figuras públicas portuguesas assistiram à cerimónia formal televisionada, quando o túmulo foi colocado no marco de Lisboa ao lado de outras figuras famosas da história portuguesa.

O presidente do Parlamento português, Eduardo Ferro Rodrigues, disse que o comportamento de Sousa Mendes deu prestígio a Portugal.

“Pessoas que, no momento crucial, arriscam sua segurança e a de sua família pelo bem maior são raras. Sousa Mendes foi uma dessas pessoas”, disse Ferro Rodrigues em discurso.

A cerimónia marcou a conclusão da jornada de 80 anos de Sousa Mendes, de oficial português fora da lei a figura internacional homenageada.

Talvez o diplomata mais famoso de Portugal do século 20, Sousa Mendes desafiou seus superiores, incluindo o ditador António Salazar, quando serviu como cônsul em Bordeaux, na França, em 1940, emitindo vistos para muitas pessoas que temiam a perseguição nazista.

Os vistos portugueses permitiam que pessoas, incluindo judeus, fugindo do Holocausto fugissem através de Portugal neutro por via aérea e marítima para os Estados Unidos e outros lugares.

O serviço diplomático de Portugal deveria pedir a aprovação expressa do governo de Lisboa para emitir vistos a certas categorias de requerentes, enquanto o país enveredava por um caminho cauteloso para a neutralidade, mas Sousa Mendes emitiu vistos por sua própria iniciativa.

Leah Sills, membro do conselho da Fundação Sousa Mendes nos Estados Unidos, disse que voou para a cerimônia de 24 de maio de 1940 “para homenagear o homem que salvou meu pai e meus avós”.

“Foi apenas uma bela experiência”, disse ela.

Álvaro Sousa Mendes, neto de Aristides Sousa Mendes, disse que a sua família viu concretizada uma ambição.

“Esta foi uma cerimônia que pedíamos há muito tempo”, disse ele. “Finalmente ele foi reconhecido… com prêmios do Panteão Nacional.”

A quebra das regras resultou na demissão de Sousa Mendes do serviço diplomático, causando vergonha pública à sua família na época. Ele morreu na pobreza em 1954.

Décadas depois, ele ganhou reconhecimento por seu papel fundamental em salvar pessoas dos nazistas.

Em 1966, o memorial nacional do Holocausto de Israel, Yad Vashem, reconheceu Sousa Mendes como um Justo entre as Nações.

No ano passado, foi elogiado pelo Papa Francisco e, em março passado, o Senado dos EUA aprovou uma moção reconhecendo Sousa Mendes pelo “trabalho humanitário e de princípios”.

Só no final dos anos 80 é que foi reconhecido em Portugal, e as autoridades atribuíram-lhe as homenagens a título póstumo.

Em 2017, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa concedeu a Sousa Mendes a mais alta condecoração de Portugal, a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

No ano passado, o Parlamento português votou para homenagear o ex-diplomata no Panteão Nacional, colocando ali uma placa memorial e uma sepultura sem o seu corpo. Sousa Mendes queria ser enterrado na sua terra natal, perto de Viseu, no norte de Portugal.

Das 19 figuras históricas enterradas no Panteão Nacional, 12 contêm os restos mortais da pessoa.

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *