Portugal lamenta “pai da democracia” Mário Soares – POLITICO

LISBOA, Portugal – Portugal lamentou neste sábado a perda de Mário Soares, amplamente considerado o pai da democracia do país, que morreu aos 92 anos. Soares foi presidente de 1986 a 1996 e primeiro-ministro duas vezes. O ex-líder do Partido Socialista desempenhou um papel crucial na estabilização do país após a revolução de 1974 que derrubou quatro décadas de ditadura. Ele conduziu Portugal a um modelo democrático ocidental e supervisionou as negociações que levaram à adesão à União Europeia em 1986. “Perdemos hoje alguém que tantas vezes foi o rosto e a voz da liberdade pela qual lutou toda a sua vida. disse o actual primeiro-ministro e colega socialista António Costa. de acordo com a AFP. António Guterres, o novo secretário-geral da ONU, que serviu como primeiro-ministro de Portugal enquanto Soares era presidente, disse que Soares era “um daqueles raros líderes políticos que tiveram verdadeira grandeza tanto na Europa quanto no mundo”. Soares foi levado às pressas para o hospital da Cruz Vermelha de Lisboa na madrugada de 13 de dezembro, depois que os médicos descreveram uma “deterioração geral em sua saúde”. José Barata, porta-voz do hospital, confirmou que Soares morreu no sábado. Relatórios da Bloomberg. O governo decretou luto de três dias. “Ele foi um lutador pela liberdade”, e Portugal deve, doravante, lutar pela “imortalidade de sua herança”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de centro-direita de Portugal, que visitou Soares no hospital. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, também prestou homenagem ao “meu amigo” Soares, descrevendo-o como “símbolo e motor de resistência contra a ditadura e de luta pela transição democrática no seu país”. A sua declaração acrescentou: “A vida de Mário Soares esteve indissociavelmente ligada à história recente de Portugal e a momentos-chave do projeto europeu.” Soares foi um ferrenho opositor do regime autoritário de António de Oliveira Salazar, que governou o país a partir de 1932. No exílio na Alemanha Ocidental, fundou o Partido Socialista e voltou à recepção de herói após a “Revolução dos Cravos” que derrubou a ditadura em 25 de abril de 1974. Nos caóticos meses que se seguiram, Portugal brincou, e muitos temeram, a regra da esquerda deslizaria para fora da órbita ocidental. A eleição de Soares como primeiro-ministro em 1976 permitiu-lhe reforçar a democracia parlamentar, apoiada por laços estreitos com os socialistas franceses e os social-democratas alemães. Juntamente com o general António Ramalho Eanes, um oficial moderado do exército que foi eleito presidente em 1976, Soares foi creditado por manter Portugal no rumo ocidental. Ironicamente, dada a sua recente postura anti-austeridade, Soares foi estimulado em 1978 por uma onda de oposição às duras medidas fiscais que ele introduziu como parte de um programa do Fundo Monetário Internacional para sustentar as finanças do governo que se recuperavam da turbulência pós-revolucionária. No entanto, continuou a ser uma figura chave na política portuguesa, ocupando cargos em vários governos de coligação. Regressando ao cargo de Primeiro-Ministro em 1983, construiu o apoio à adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia, superando a oposição tanto a nível interno como no resto da Europa. Assinou o tratado de adesão em 12 de junho de 1985 no claustro do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa. Como líder do Partido Socialista de 1973 até sua eleição como presidente em 1986, Soares foi uma figura de destaque no movimento socialista europeu. Como presidente, foi um popular estadista sênior, vencendo a reeleição em 1991 com 71% dos votos. Ele foi carinhosamente chamado de “Papa Pausbäckchen”. Mais tarde, ele serviu como um influente membro do Parlamento Europeu de 1999 a 2004. Nos seus oitenta anos fez uma tentativa frustrada de regressar à linha da frente política portuguesa. Ele concorreu à presidência em 2006, mas recebeu apenas 14% dos votos, devido à sua idade e às disputas políticas dentro do Partido Socialista. Em seus últimos anos, Soares tornou-se um crítico feroz das políticas de austeridade impostas em resposta à crise financeira da zona do euro. Ele criticou a “troika” de funcionários da UE e do FMI que supervisionaram a economia após o resgate de Portugal em 2011 e o governo de centro-direita que governou o país até dezembro de 2015. “As medidas de austeridade impostas pela troika e a ideologia do atual governo não nos levarão a lugar algum, ou mais precisamente, só piorarão as coisas”, escreveu ele no jornal Publico em um artigo de opinião de 2012 que marca o aniversário da revolução de 1974. “Os portugueses são um grande povo, eles não vão esperar para reagir, esperemos que pacificamente.” Ele saudou a eleição do governo radical Syriza na Grécia, mas frequentemente citou o presidente dos EUA, Barack Obama, e o papa Francisco como figuras mundiais que ele mais admirava. Como um jovem dissidente, ativista de esquerda e advogado de figuras proeminentes da oposição, Soares foi preso várias vezes pela ditadura e exilado brevemente na colônia insular africana de São Tomé, em Portugal, na década de 1960. Eventualmente, ele foi para o exílio na Itália, França e Alemanha Ocidental, onde desenvolveu laços pessoais estreitos com líderes socialistas europeus. Ao regressar, Soares juntou-se a Álvaro Cunhal, o líder histórico do Partido Comunista Português, para se dirigir à tumultuada multidão revolucionária num comício de 1 de maio de 1974 em Lisboa, mas os dois rapidamente se desentenderam sobre os rumos do país. Com o apoio dos Estados Unidos e da Europa Ocidental, Soares prevaleceu e manteve Portugal na NATO e no Bloco Ocidental. “Não foi fácil instalar em Portugal uma democracia pluralista, burguesa e multipartidária aberta ao mundo… país. Tudo mudou: a mentalidade dos portugueses, a nossa riqueza material, o desenvolvimento da cultura e da educação, as nossas relações com a Europa e o mundo.” Soares tornou-se um defensor declarado dos dissidentes que se opunham ao domínio soviético na Europa de Leste. Ele foi o primeiro líder ocidental a visitar Praga durante a “Revolução de Veludo” que derrubou o regime comunista na Tchecoslováquia e formou uma amizade duradoura com o líder tcheco Václav Havel. O seu papel na rápida independência das colónias portuguesas fez com que Soares fosse amplamente respeitado em África, mas colheu a inimizade duradoura de muitas das centenas de milhares de colonos portugueses que fugiam de Angola e de outros territórios. Maria Barroso, sua esposa de 60 anos, morreu em 2014, aos 90 anos. Eles deixaram uma filha, Isabel Soares, psicóloga, e um filho, João Soares, político socialista que foi prefeito de Lisboa de 1995 a 2002.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *