Portugal regista mais de 1.000 mortes relacionadas com o calor

Portugal registrou mais de 1.000 mortes pela onda de calor, com o chefe da saúde alertando na terça-feira (19 de julho) que o país deve se preparar para os efeitos das mudanças climáticas à medida que as temperaturas continuam subindo.

“Portugal… está entre as regiões do mundo que podem ser (mais) afetadas pelo calor extremo”, disse Graça Freitas, chefe da agência de saúde DGS, à Reuters. “Temos que estar cada vez melhor preparados para os períodos de calor.”

As temperaturas em Portugal atingido pela seca chegaram a 40 graus Celsius (104F) na semana passada e, embora tenham caído nos últimos dias, Freitas disse que permaneceram acima dos níveis normais para a época do ano.

A DGS relatou anteriormente 238 mortes adicionais na onda de calor de 7 a 13 de julho, mas Freitas disse que o número de mortos subiu para 1.063 em 18 de julho.

Altas temperaturas, seca e má gestão florestal foram responsáveis ​​por vários incêndios florestais que varreram Portugal atingido pela seca. Os bombeiros também estão combatendo incêndios em outros países do sul da Europa, incluindo a vizinha Espanha.

Carlos Antunes, investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, disse que os dados mostram que os idosos são os mais propensos a morrer devido às ondas de calor.

O número de mortes no futuro dependerá, entre outras coisas, das medidas preventivas que as pessoas tomarem para se proteger, de como as casas de repouso cuidam dos residentes e da adaptação das infraestruturas.

“Com as mudanças climáticas, espera-se que esse aumento da mortalidade se intensifique e, portanto, precisamos agir em nível de saúde pública para minimizar o impacto”, disse Antunes em entrevista.

(Reuters)

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *