Portugal vai tomar medidas contra a Polónia e a Hungria por violação dos valores europeus – EURACTIV.com

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal confirmou esta segunda-feira a intenção da Presidência portuguesa do Conselho da UE de avançar com os processos contra a Polónia e a Hungria por alegadas violações dos valores europeus.

Salientando que “o Estado de direito é um dos temas fundamentais do programa da Presidência portuguesa do Conselho da União Europeia” [EU]Augusto Santos Silva assegurou que Portugal vai adiantar os processos em curso contra a Polónia e a Hungria por alegadas violações dos valores da UE.

“Acompanhámos o trabalho conjunto, que incluiu a análise aprofundada do segundo conjunto de cinco Estados-Membros de acordo com a sua situação de Estado de direito.”

O Conselho de Assuntos Gerais fez esta avaliação em abril passado e também avançaremos os processos do Artigo 7 em andamento”, disse Santos Silva na abertura da conferência de alto nível sobre o Estado de Direito na Europa. organizado pela Presidência portuguesa e a decorrer em Coimbra.

O artigo 7.º, consagrado no tratado da UE, prevê medidas preventivas em caso de “risco claro de violação grave dos valores da UE” e sanções para “violações graves e persistentes” desses valores, suspeita levantada contra a Polónia em 2017 e a Hungria em 2018.

O Estado de direito é também uma questão importante da Presidência portuguesa da UE noutras formações, acrescentou o ministro, referindo-se ao Conselho Judicial que trabalha na “aplicação da Carta dos Direitos Fundamentais” e ao Conselho Social centrado nas “estratégias de inclusão” e planos de ação para “Combater a discriminação, o racismo, o antissemitismo e o discurso de ódio”, sublinhou.

Este é, portanto, “um tema que perpassa as várias formações do Conselho da UE”, salientou Augusto Santos Silva.

“Isso diz respeito a todos nós, não diz respeito apenas a alguns e não a outros. Preocupa-nos a todos, sobretudo porque é uma condição necessária para a nossa adesão à União Europeia”, recordou, já que o Estado de direito é um dos princípios fundamentais do projeto europeu.

Santos Silva disse que os 27 estados membros devem “verificar sempre em conjunto através de métodos de revisão pelos pares” o estado do Estado de direito em cada um dos países, sublinhando a importância do relatório anual da Comissão Europeia nesta área.

O Estado de direito “é também um tema de interesse de todos os europeus”, disse o ministro, salientando que este princípio é um dos “temas-chave” da Conferência sobre o Futuro da Europa, que se realizará na 9ª edição da UE portuguesa. Presidência.

Portugal, que assumiu a presidência da UE em janeiro, prometeu impulsionar o progresso nos casos abertos contra a Polônia e a Hungria.

No entanto, a pandemia tem dificultado as negociações, sendo que as audições nos Conselhos de Assuntos Gerais têm de ser realizadas presencialmente; caso contrário, podem ser impugnados perante o Tribunal de Justiça da UE.

As audições estão finalmente marcadas para 22 de Junho no Conselho “Assuntos Gerais”, que reúne os 27 Ministros dos Assuntos Europeus.

A 20 de abril, a Presidência portuguesa organizou ainda no Conselho Assuntos Gerais um debate dos 27 sobre a situação do Estado de direito na Alemanha, Irlanda, Grécia, Espanha e França, iniciativa lançada durante o segundo semestre da Presidência alemã de 2020, que visa estabelecer um diálogo entre os países sobre o Estado de Direito.

O primeiro diálogo teve lugar no Conselho “Assuntos Gerais” de Novembro. Os Estados-Membros examinaram o Estado de direito na Bélgica, Bulgária, República Checa, Dinamarca e Estónia, seguindo uma ordem alfabética que exclui o país que exerce a Presidência do Conselho.

[Edited by Josie Le Blond]

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.