Preocupações com botox barato

O uso de toxina botulínica em cabeleireiros por quem não tem formação clínica é um risco para quem deseja corrigir “imperfeições”, mas não tem meios para fazê-lo com segurança.

Chiara Pussetti coordenou o projeto “EXCEL – Em busca da Excelência” desenvolvido por um grupo multidisciplinar de investigadores do Instituto de Ciências Sociais (ICS) e da Faculdade de Medicina (FM) da Universidade de Lisboa.

Ao longo de cinco anos, esta equipa identificou várias anomalias, como a venda de cremes clareadores de pele com substâncias proibidas em Lisboa, mas também a facilidade de encontrar pessoas a aplicar botox sem serem treinadas para o fazer.

“O que descobrimos em nosso trabalho é que há muita intervenção médica, o uso dessas tecnologias injetáveis ​​por pessoas que não são treinadas ou que não são médicos que não são dermatologistas”, disse ela.

Em entrevista à agência Lusa, o antropólogo referiu que o preço “muito mais baixo” deste procedimento quando é feito ilegalmente em cabeleireiros e consultórios dentários determina a escolha de quem quer livrar-se das rugas.

“É um problema muito sério”, disse ela, observando que cada vez mais pessoas também estão solicitando Botox pela internet e aplicando-o em uma prática chamada “faça você mesmo” (DIY) seguindo tutoriais e vídeos online, o que é óbvio é saúde riscos.

“Hoje vivemos em uma sociedade onde podemos obter quase tudo o que queremos online com um clique. Portanto, podemos facilmente comprar a toxina botulínica online para usar em casa. E há toneladas de tutoriais e vídeos no YouTube”, explicou ela.

As oportunidades financeiras determinam a escolha nesta área: “Uma clínica na Avenida da Liberdade nunca terá o preço de uma clínica na Amadora, ainda que o tratamento seja o mesmo.”

“Muitas pessoas que estão recorrendo a essas soluções de ‘baixo custo’ – como silicone industrial para criar curvas e coisas que podem entrar no sistema sanguíneo e são extremamente prejudiciais à saúde – estão vivendo em situações precárias e econômicas.”

Destinam-se, portanto, a “um público de baixo poder aquisitivo”. Quem vem da classe média ou média alta, com um mínimo de poder aquisitivo, prefere ir ao médico e ter a garantia de quem, se houver algum problema, saiba dar uma solução, como ajudar.”

“A disponibilidade a um preço muito baixo seduz muitas pessoas. Por isso digo que a busca pela perfeição é extremamente transversal, mas seduz muitas pessoas com renda muito baixa e para quem às vezes a aparência, a beleza e o corpo são o último recurso para ter alguma mobilidade profissional”.

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.