Presidente da Câmara de Portugal: Os detalhes dos manifestantes foram repassados ​​às embaixadas

LISBOA, Portugal (AP) – A Câmara Municipal de Lisboa fornece há anos às embaixadas estrangeiras informações pessoais sobre manifestantes que organizam manifestações fora das suas instalações, disse o autarca da capital portuguesa na sexta-feira.

A prática também continuou depois que uma nova lei de privacidade que entrou em vigor em 2018 a tornou ilegal, disse o prefeito Fernando Medina.

Medina não especificou quais embaixadas foram informadas, mas deu um exemplo de informação fornecida à embaixada israelense em 2011 para mostrar que os chefes anteriores do conselho usaram o mesmo processo. As informações fornecidas na época nomeavam pelo menos uma pessoa que participou do protesto contra o comportamento israelense nos territórios palestinos, disse ele.

O prefeito falava ao divulgar os resultados de uma auditoria interna preliminar sobre por que o conselho da cidade compartilhou com autoridades russas os detalhes pessoais de pelo menos três dissidentes baseados em Lisboa. Dissidentes organizaram um protesto em Lisboa há cinco meses em apoio ao líder da oposição russa Alexei Navalny.

A troca de informações, noticiada pela primeira vez pelos jornais portugueses Expresso e Observador no início deste mês, provocou um escândalo.

Medina disse que a auditoria descobriu que os dados pessoais dos manifestantes foram enviados às embaixadas 52 vezes desde 2018. Uma revisão mais abrangente agora analisa os casos antes de 2018.

As regras do conselho sobre informar as embaixadas sobre a identidade dos manifestantes não são claras, apesar da lei de privacidade, disse ele. Os procedimentos do Conselho estabelecem que as informações devem ser enviadas às “autoridades competentes”. Durante muitos anos, entendeu-se que os detalhes eram repassados ​​à polícia portuguesa, governo e missões diplomáticas afetadas pelo protesto.

As recomendações para alterar os procedimentos, principalmente após a mudança na lei de 2018, não foram atendidas e o oficial de proteção de dados do conselho deve ser demitido, disse Medina

Daqui para frente, o conselho só compartilhará informações sobre os organizadores dos protestos – que devem solicitar a permissão do conselho para realizar manifestações – com a polícia e o governo portugueses, disse Medina.

A polícia se oferecerá para realizar uma “análise de segurança” para avaliar a segurança das pessoas cujas informações foram compartilhadas com potências estrangeiras, disse ele.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.