Ronaldo regressa quando o internacional português enfrenta o Sheriff pelo Manchester United

Uma pergunta que provavelmente todos nos fizeram em entrevistas de emprego é: “Onde você se vê daqui a cinco anos?”

É certo que é difícil imaginar Roman Abramovich adicionando isso à sua lista de perguntas essenciais antes de conhecer potenciais gerentes do Chelsea durante seu tempo como proprietário. Afinal, nenhum treinador conseguiu sequer três anos e meio seguidos nas mãos do russo.

Mas Luiz Felipe Scolari entrou no que acabou sendo um curto período como técnico do Chelsea com uma visão bastante clara para seu futuro. Na sua primeira conferência de imprensa do Chelsea em Neuchâtel, Suíça, onde esteve sediado com a sua equipa portuguesa para o Euro 2008, “Felipão” – então com 59 anos – deu-se mais cinco anos na gestão.

“Farei 60 anos em breve e não quero ser técnico para sempre. Quero trabalhar mais cinco anos e depois me aposentar”.

Mais de 14 anos depois, Scolari está finalmente prestes a se separar. Mas primeiro ele tem uma última chance de glória com o Athletico Paranaense na final da Copa Libertadores no sábado, um sucesso que ele acredita ser o “ponto alto” de sua carreira de treinador de 40 anos.

O catalisador

A grande maioria do time do Athletico ainda não tinha nascido quando Scolari oficializou sua primeira final da Libertadores em 1995.

Ele liderou seu amado Grêmio – o time que ele torceu crescendo – ao seu segundo título continental naquela ocasião, graças a uma vitória agregada de 4-2 sobre o Atlético Nacional da Colômbia em agosto de 1995.

Um gol contra cômico de Victor Marulanda – um gol cortado contra o visionário ‘Scorpion Kick’ Rene Higuita – colocou o Grêmio em seu caminho antes de Mario Jardel derrubar o excêntrico goleiro do Atlético para fazer 2 a 0 antes do intervalo da primeira partida.

Paolo Nunes marcou de perto no início do segundo tempo, depois que Higuita novamente não conseguiu defender a bola. A finalização inteligente de Juan Pablo Angel pelo menos garantiu que o Atlético voltasse para casa com algo a enfrentar na segunda mão e o gol madrugador de Victor Aristizabal em Medellín alimentou a fé, mas Dinho terminou com um pênalti aos 85 minutos.

Este lado do Grêmio foi a pura personificação do ethos que acabou por definir o estilo de jogo de Scolari. Pode não ter sido uma equipe cheia de superestrelas, mas eles eram duros e trabalhadores. Não era exatamente um “jogo bonito”, mas eles eram uma força de ataque clínico e Scolari os levou a seis troféus em três anos.

Ainda assim, a segunda vitória de Scolari na Libertadores em 1999 – com o Palmeiras – foi sem dúvida a precursora de seu feito mais famoso.

Em primeiro lugar, foi o primeiro título de Libertadores do Palmeiras. Uma vitória por 4 a 3 nos pênaltis sobre o Deportivo Cali após os dois empatarem em 2 a 2 no final das duas partidas, o sucesso impulsionou Scolari a uma posição muito diferente na gestão e provou que sua mágica no Grêmio não foi um acaso.

“Consolidei minha carreira com este título, ele realmente ampliou meus horizontes e me deu a oportunidade de me desenvolver ainda mais. Isso foi possível pelo Palmeiras.”

Reconhecimento mundial

Menos de um ano depois de trocar o Palmeiras pelo Cruzeiro, em junho de 2000, Scolari conseguiu o maior emprego de todos.

Com a campanha do Brasil nas eliminatórias da Copa do Mundo em risco, Scolari foi contratado para ajudá-los a cruzar a linha de chegada. Ele certamente conseguiu.

A Seleção perdeu para o Uruguai no primeiro jogo de Scolari e foi humilhada pela eliminação de Honduras na Copa América de 2001.

Mas eles obtiveram os resultados que os levaram ao Japão e à Coreia do Sul, onde prosperaram.

A exclusão de Romário por Scolari do elenco final foi controversa, mas logo foi esquecida quando o torneio começou, já que o Brasil se inspirou no lendário trio de Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho.

Eles foram de longe o melhor time a vencer todos os sete jogos da Copa do Mundo de 2002 – o primeiro time a vencer 100 por cento de seus jogos em uma única edição do torneio desde 1970 – e conquistou o quinto título que ampliou o recorde.

A carreira de Scolari estava feita. Ele ajudou a corrigir os erros de 1998 e houve a confirmação de que não havia mais nada que ele pudesse fazer pelo time quando deixou o cargo após a Copa do Mundo.

Ele então assumiu Portugal e levou-os à final do Euro 2004 antes de ser eliminado nas semifinais e quartas de final da Copa do Mundo de 2006 e Euro 2008, respectivamente.

Scolari não conseguiu repetir o sucesso do Brasil com Portugal, mas foi campeão mundial e nada poderia tirar isso dele.

Maior conquista de todas?

Este mandato de cinco anos para Portugal foi uma espécie de anomalia – Scolari nunca conseguiu quatro anos em um emprego e desde que deixou o Chelsea no início de 2009, ele teve uma carreira bastante nômade.

Mas naquela época havia um ponto baixo que até ameaçou ofuscar seu sucesso na Copa do Mundo de 2002.

Claro, Scolari foi o responsável quando o Brasil foi destruído em casa pela Alemanha na Copa do Mundo de 2014, com os eventuais campeões vencendo a partida da semifinal em Belo Horizonte por 7 a 1 em uma das partidas mais infames da história do torneio.

Os jogadores brasileiros deixaram o campo chorando, Scolari renunciou e muitos diriam que o Brasil ainda não está curado desse pesadelo.

“Preciso de um abraço”, disse Scolari ao retornar ao Grêmio no final daquele mês. “Voltei naquele momento porque preciso de um abraço, um pouco de carinho.”

Ele pode não ter ajudado o Grêmio a ter sucesso, mas desfrutou de uma temporada cheia de troféus na China com o Guangzhou Evergrande e até levou o Palmeiras à glória do Brasileiro em 2018.

Mas a situação em que ele se encontra agora no Athletico é ainda mais notável – sim, é o Athletico e não o Atlético depois que o clube voltou ao seu nome fundador em 2018.

Scolari foi contratado como diretor técnico em maio e também assumiu o cargo de técnico até o final da temporada, com a tarefa de estabilizar o navio após o Athletico passar por um trecho difícil que terminou em uma derrota constrangedora por 5 a 0 sobre a Libertadores x Bolívia. The Strongest atingiu o pico, custando a Fabio Carille seu emprego.

Ninguém pode contestar a influência de Scolari, que guiou o Athletico – que ele afirma ter apenas o 13º maior orçamento do Brasil – apenas à sua segunda final da Libertadores. O Flamengo espera e é favorito, mas Scolari sofreu um choque ao levar seu time tão longe em primeiro lugar.

“Esta carreira está realmente chegando ao fim”, disse ele à Associated Press. “Se vencermos a Copa Libertadores será o culminar de uma carreira pela qual trabalhei muito. Nunca esperei tanto ganhar tudo o que ganhei.”

Teria sido fácil para Scolari se afastar para sempre em 2014 e se punir pela humilhação do Brasil entrando em uma aposentadoria auto-zombadora.

Mas ele lutou e está à beira de uma conquista que ele acredita que irá eclipsar tudo o que veio antes.

Aleixo Garcia

"Empreendedor. Fã de cultura pop ao longo da vida. Analista. Praticante de café. Aficionado extremo da internet. Estudioso de TV freelance."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *