Tempos de espera hospitalares relacionados com o português

Os tempos de espera para consultas especializadas e cirurgias são as principais queixas dos inquiridos portugueses num estudo publicado hoje, que aponta para uma maior confiança no setor privado de saúde.

O estudo, intitulado “Os portugueses e a saúde na era pós-pandemia”, produzido pelo Observatório Universitário Europeu da Saúde, refere que 48,7% dos inquiridos dizem ter dificuldade em aceder a aconselhamento especializado e 30,2% deles esperaram mais de três meses para uma dessas nomeações.

“Isso acaba por afetar o acesso do doente aos cuidados médicos e faz a diferença”, admitiu à Lusa Ana Passos, uma das coordenadoras do estudo, sublinhando: “Ainda que três meses seja pouco tempo para algumas coisas, é para algumas consultas é demais e as pessoas não estão satisfeitas com essa espera”.

O estudo, que analisou as perceções portuguesas dos serviços de saúde em termos de acesso, utilização, qualidade e confiança, mostra ainda que 35,4% indicam dificuldades na realização de exames de diagnóstico, sendo que 27,2% há mais de três meses um destes exames está à espera de ser realizado .

Confiança do Setor Privado

Quase três quartos confiam ou confiam muito no setor privado, em comparação com 56,1% no setor público.

Dos que utilizaram serviços de saúde no último ano, 51,5% optaram pelo setor público e 67,7% pelo privado.

Entre os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS), os cuidados de saúde primários (GP ou outro médico do centro de saúde) são os mais procurados.

22% não têm clínico geral. Entre os usuários do setor privado, os serviços mais utilizados (56%) são consultas especializadas em hospitais.

No geral, a qualidade dos serviços (públicos e privados) é avaliada positivamente, destacando-se bom atendimento (97% dos entrevistados), educação clara e perceptível (89%), conforto e informação (87%).

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *