Trump minimizou o impacto do hack maciço, questionando o envolvimento da Rússia

19 Dez (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em seus primeiros comentários sobre uma violação generalizada de dados em todo o governo dos EUA, minimizou neste sábado uma campanha de espionagem cibernética e questionou se a Rússia era a culpada, como seu principal diplomata acusou a si mesmo.

“O hacking cibernético é muito maior na mídia de notícias falsas do que realmente é”, disse Trump no Twitter no sábado. “Rússia, Rússia, Rússia é o canto prioritário quando algo acontece porque Lamestream está, principalmente por razões financeiras, com medo de trazer à tona a possibilidade de que possa ser a China (talvez!).

A afirmação de Trump de que a China pode estar por trás do hacking, que até agora afetou mais de meia dúzia de agências federais, incluindo os Departamentos de Comércio e do Tesouro, contradiz comentários de seu próprio secretário de Estado e de vários legisladores informados sobre o assunto.

“Podemos dizer com muita clareza que é a Rússia que é cúmplice dessa atividade”, disse o secretário de Estado Mike Pompeo na sexta-feira em entrevista. O legislador republicano Mitt Romney em um tweet na quinta-feira disse que o hack era “como bombardeiros russos voando repetidamente sem serem detectados em nosso país”.

Um porta-voz do Departamento de Estado não respondeu imediatamente a um pedido de comentário no sábado.

”O NSC está atualmente focado em investigar as circunstâncias que cercam este incidente e trabalhar com nossos parceiros interagências para mitigar a situação. Haverá uma resposta apropriada aos atores por trás dessa ação”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Ullyot, por e-mail.

Somando-se à confusão semeada pelo tweet de Trump, fontes do governo disseram que funcionários da Casa Branca redigiram e estão prontos para divulgar uma declaração na sexta-feira de que a Rússia está por trás da intrusão cibernética maciça.

No entanto, os funcionários foram posteriormente instruídos a não publicar a declaração, disse a fonte sob condição de anonimato, sem explicar quem deu a ordem ou por quê.

Adam Schiff, o presidente democrata do Comitê de Inteligência da Câmara, disse em um tweet em reação aos comentários de Trump: “Outro dia, a escandalosa traição deste presidente à nossa segurança nacional. Outro tuíte desonesto que parece ter sido escrito no Kremlin.”

O Kremlin negou envolvimento.

Em seu tweet, Trump marcou Pompeo e o diretor de inteligência nacional John Ratcliffe.

O Escritório do Diretor de Inteligência Nacional, ou ODNI, não comentou publicamente sobre quem estava por trás da violação massiva de dados, que explorou um software desenvolvido pela empresa de gerenciamento de rede SolarWinds, amplamente utilizado nos setores público e privado.

Um porta-voz da ODNI não respondeu aos pedidos de comentários.

Daniel Hoffman, ex-chefe da estação da CIA em Moscou, disse que o governo Trump precisava explicar rapidamente por que Pompeo estava culpando a Rússia, enquanto o presidente duvidava dessa avaliação.

Ele observou que Pompeo atuou como diretor da CIA antes de se tornar o principal diplomata dos EUA e tem uma “compreensão muito sofisticada da segurança nacional. Como ele ligou o ataque à Rússia e o presidente não o fez?”

Hoffman disse que “com base em tudo o que sabemos”, o hack foi dirigido pelo serviço de inteligência externo da Rússia, conhecido como SVR, usando o APT29, um grupo de hackers russos conhecido como “Cozy Bear”.

“Não queremos especular que foi outra pessoa. Temos que ser claros na atribuição de atributos porque quando você age em resposta, você tem que estar certo”, disse Hoffman.

Relatado por Christopher Bing; Editado por Daniel Wallis

Nosso padrão: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *