“Uma força deslumbrante e poderosa para o bem e para a mudança”: amigos e colegas lembram a falecida artista e pioneira feminista Paula Rego

Paula Rega pintora, escultora e força feminista, morreu hoje, 8 de junho, em sua casa no norte de Londres. Ela tinha 87 anos.

O artista luso-britânico sofria de uma curta doença Vitória Miro, sua galeria desde 2020. (Rego também é representada pela London’s Galeria Cristea Roberts para suas impressões.)

Paula foi um artista destemido que pintou a vida e o mundo de frente – uma força notável, deslumbrante e poderosa para o bem e a mudança. Estou orgulhoso que a galeria tenha conseguido celebrar e promover seu trabalho nos últimos anos de sua vida.” Vitória Miró Artnet News anunciou em um e-mail. “Perdemos um grande artista.”

Uma contadora de histórias visual inovadora, Rego é conhecida pela qualidade sombria e de conto de fadas de seu trabalho figurativo, que muitas vezes é impregnado de temas políticos. Ela também era uma ativista conhecida na promoção dos direitos das mulheres e da liberdade reprodutiva.

Paula Rego, oratório (2009). Foto de Ben Davis.

Rego, que começou a desenhar quando tinha apenas quatro anos, tem uma carreira de 60 anos. Mas, como costuma acontecer com artistas mulheres mais velhas, sua descoberta veio tarde na vida. No deste ano ela teve uma aparição de estrela Bienal de Veneza, o que correspondia um show no Posto Avançado de Veneza de Miro (em exibição até 18 de junho).

Na exposição internacional da Bienal “O leite dos sonhos(até 27 de novembro), o crítico da Artnet News, Ben Davis, identificou uma sala escura dedicada inteiramente às pinturas e esculturas de Rego como um dos “momentos de compensação espetaculares” do evento.

“Estou profundamente triste com a morte da extraordinária artista Paula Rego”, disse a curadora da Bienal de Veneza, Cecilia Alemani, à Artnet News por e-mail. “Ao longo de sua vida, Rego trabalhou incansavelmente e intransigentemente em questões muito complexas, como liberdade de expressão, direitos das mulheres, direitos ao aborto e políticas conservadoras e reacionárias constantemente condenadas”.

Ela acrescentou: “Sua contribuição vai muito além do mundo da arte: ela foi um modelo para uma geração de mulheres que a olhavam como um exemplo de artista destemido que nunca teve medo de defender suas crenças”.

Paula Rego, <em data-recalc-dims=mulher cachorro (1994). ©Paula Rego, cortesia da artista e Victoria Miro, Londres. ” width=”1024″ height=”753″ srcset=”https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-dog-woman-1024×753.jpg 1024w, https:// /news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-dog-woman-300×221.jpg 300w, https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/ paula-rego-dog-woman-50×37.jpg 50w, https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-dog-woman.jpg 1400w” size=”(max- largura: 1024px) 100vw, 1024px”/>

Paula Rego, mulher cachorro (1994). ©Paula Rego, cortesia da artista e Victoria Miro, Londres.

Nascida em 1935, Rego cresceu sob a ditadura fascista do ex-presidente português António de Oliveira Salazar, incutindo-lhe um espírito de rebeldia contra a censura que influenciou grande parte do seu trabalho quando adulta.

Ela se mudou para o Reino Unido em 1951 e se matriculou na Slade School of Fine Art de Londres no ano seguinte. A carreira profissional de Rego começou em 1962, quando expôs com artistas como David Hockney e Frank Auerbach com o London Group.

Ela teve três filhos com ela Victor Willing, um artista britânico que ela conheceu enquanto estudava em Slade, bem como vários abortos – sobre os quais ela foi aberta. O casal se casou em 1959 e permaneceu junto até a morte de Willing em 1988.

Victor Willing e Paula Rego na década de 1960.  Foto cortesia de Nick Willing.

Victor Willing e Paula Rego na década de 1960. Foto cortesia de Nick Willing.

A primeira exposição individual de Rego foi na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, em 1965, e em 1969 representou Portugal na Bienal de Arte de São Paulo.

Mas o reconhecimento veio mais lentamente na Grã-Bretanha A primeira exposição individual de Rego em Londres não foi até 1981 na extinta AIR Gallery. Sua primeira retrospectiva abre em Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa e o galeria de cobras 1988 Londres.

“Eu estava frustrado e quebrado”, disse Rego a Tracey Emin no livro Paula Rego: O Esquecido, publicado este ano por Victoria Miro para marcar a primeira exposição do artista na galeria. “Foi um grande alívio quando vendi uma pintura.”

Mais recentemente, no entanto, Rego teve uma série de grandes exposições individuais. De 2019 a 2020 surgiu uma exposição itinerante no Museu Irlandês de Arte Moderna, Dublim; a Galeria Nacional Escocesa de Arte Moderna, Edimburgo; e Galeria MK Em Milton Keynes, Reino Unido. Em 2018 fez shows no Museu de L’OrangerieParis e o La Virreina Centro de la ImagenBarcelona.

Paula Rego, <em data-recalc-dims=A danca (1988). Coleção da Tate Britain, Londres. ©Paula Rego, cortesia da artista e Victoria Miro, Londres. ” width=”1024″ height=”805″ srcset=”https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-the-dance-1024×805.jpg 1024w, https:// /news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-the-dance-300×236.jpg 300w, https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/ paula-rego-a-dança-1536×1207.jpg 1536w, https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-the-dança-50×39.jpg 50w, https:// news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-the-dance.jpg 1560w” size=”(max-width: 1024px) 100vw, 1024px”/>

Paula Rego, A danca (1988). Coleção da Tate Britain, Londres. ©Paula Rego, cortesia da artista e Victoria Miro, Londres.

A maior retrospectiva de sempre de Rego abriu em Junho passado às TateBritainLondres, e viajou para Museu de Arte Haia na Holanda. Atualmente pode ser visto em Museu Picasso Málaga até 21.8. Uma exposição individual separada em Arnolfini em Bristol, “histórias subversivas‘ fechou no mês passado.

“Paula Rego foi uma das artistas mais originais e reconhecidas do nosso tempo. Ao longo de sete décadas, ela reinventou a pintura figurativa e a forma como as mulheres são representadas”, disse um representante do Museo Picasso Málaga à Artnet News por e-mail. “Rego buscou novas e diferentes maneiras de contar histórias com suas imagens, e seus trabalhos estão enraizados em sua experiência pessoal, ao mesmo tempo em que se conectam ao que está acontecendo no mundo.”

Influenciada pela mitologia, contos populares, literatura, política e história da arte, Rego também se baseou em sua própria biografia pessoal para criar obras de arte psicologicamente atraentes que falam de verdades essenciais sobre os relacionamentos humanos.

Paula Rego, <em data-recalc-dims=A artista em seu ateliê (1993). Cortesia de Leeds Museums and Galleries (Leeds Art Gallery), UK/Bridgeman Images, ©Paula Rego.” width=”743″ height=”1024″ srcset=”https://news.artnet.com/app/news -upload /2021/09/The-Artist-in-her-Studio-743×1024.jpg 743w, https://news.artnet.com/app/news-upload/2021/09/The-Artist-in-her- Studio- 218×300.jpg 218w, https://news.artnet.com/app/news-upload/2021/09/The-Artist-in-her-Studio-36×50.jpg 36w, https://news.artnet.com/ app/news-upload/2021/09/The-Artist-in-her-Studio-1393×1920.jpg 1393w” size=”(max-width: 743px) 100vw, 743px”/>

Paula Rego, A artista em seu ateliê (1993). Cortesia de Leeds Museums and Galleries (Leeds Art Gallery), UK/Bridgeman Images, ©Paula Rego.

Muitos de seus trabalhos eram ilustrações poderosas da experiência feminina, da determinação feminina diante do sofrimento e da adversidade, e muitas vezes apresentavam sua amiga e modelo de longa data, Lila Nunes.

“Eu pinto as mulheres que conheço. Eu pinto o que vejo. Eu transformo as mulheres em protagonistas porque eu sou uma”, disse Rego Guardião em 2021.

Ela começou sua série “Aborto” em 1998, depois que um referendo sobre a legalização do aborto em Portugal falhou. As pinturas retratam mulheres se recuperando de procedimentos ilegais de aborto.

“Isso ressalta o medo, a dor e o perigo do aborto ilegal que as mulheres desesperadas sempre recorreram”, disse Rego. Guardião em 2019. “Tornar o aborto ilegal está forçando as mulheres a adotarem uma solução de quintal.”

Paula Rego, <em data-recalc-dims=Sem título nº 1 (1998), "cancelamento" Series. ©Paula Rego, cortesia da artista e Victoria Miro, Londres. ” width=”938″ height=”1024″ srcset=”https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-abortion-938×1024.jpg 938w, https://news .artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-abortion-275×300.jpg 275w, https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego- aborto-46×50.jpg 46w, https://news.artnet.com/app/news-upload/2022/06/paula-rego-abortion.jpg 1240w” size=”(max-width: 938px) 100vw, 938px” />

Paula Rego, Sem título nº 1 (1998), série “Aborto”. ©Paula Rego, cortesia da artista e Victoria Miro, Londres.

O trabalho foi usado posteriormente para promover um segundo referendo sobre o aborto em 2007, que foi bem-sucedido.

“A série surgiu da minha indignação”, disse Rego em uma entrevista de 2002. “É inacreditável que as mulheres que abortam sejam consideradas criminosas… Mas tudo isso vem do passado totalitário de Portugal, de mulheres vestidas de aventais e fazendo bolos como boas donas de casa.”

Entre outras coisas, Rego foi nomeada a primeira Artista Residente da Galeria Nacional de Londres em 1990 e foi nomeada Dama pela Rainha Elizabeth II em 2010. Em 2004, o Presidente Português concedeu-lhe a Gra-Cruz da Ordem de Sant’Iago da Nation Espada.

Paula Rego em seu estúdio em Londres, 2021. Fotografia de Gautier Deblonde, ©Gautier Deblonde, cortesia da artista e Victoria Miro.

Paula Rego em seu estúdio em Londres, 2021. Fotografia de Gautier Deblonde, ©Gautier Deblonde, cortesia da artista e Victoria Miro.

Em seu país natal, Portugal, o governo construiu um museu dedicado ao seu trabalho. A Casa das Histórias de Paula Regoem 2009. Localizado fora de Lisboa, na cidade de Cascais, o museu foi projetado pelo arquiteto Eduardo Souto de Moura e abriga uma coleção de 200 gravuras de Rego, além de empréstimos de desenhos, pinturas e trabalhos preparatórios do artista.

“A cultura portuguesa perdeu um dos seus mais importantes e irreverentes criadores, alguém que se distinguiu como mulher, ser humano e artista”, disse o autarca de Cascais Carlos Carreiras Reuters.

Rego deixa três filhos, Cas, Victoria e Nick Willing, além de vários netos e bisnetos. Nick é um cineasta que dirigiu um premiado documentário da BBC em 2018. segredos e históriassobre sua vida e carreira.

consequências Notícias Artnet no Facebook:


Quer ficar um passo à frente do mundo da arte? Assine nosso boletim informativo para receber as últimas notícias, entrevistas perspicazes e declarações críticas incisivas que impulsionam a conversa.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.