Videogames e desempenho cognitivo em pré-adolescentes

Estudos anteriores se concentraram nos efeitos negativos dos videogames nos jovens, como depressão ou agressividade. No entanto, o presente estudo analisou dados sobre o desenvolvimento cognitivo do cérebro adolescente em 2.217 crianças em uma escala maior Estudo de Desenvolvimento Cognitivo do Cérebro Adolescente (Estudo ABCD), financiado pelos Institutos Americanos de Saúde (NIH).

Os pesquisadores revisaram as respostas dos participantes, os resultados dos testes cognitivos e as imagens cerebrais de cerca de 2.000 crianças entre 9 e 10 anos, divididas em dois grupos: aquelas que nunca jogam videogame e aquelas que jogam todos os dias por três ou mais horas.

Essa duração foi escolhida porque excede a recomendação da Academia Americana de Pediatria de uma a duas horas de videogame por dia para crianças mais velhas.

Ambos os grupos tiveram que realizar as mesmas duas tarefas. No primeiro, as crianças viram setas apontando para a esquerda ou para a direita e tiveram que clicar no botão apropriado o mais rápido possível.

Na segunda tarefa, os jovens viram um primeiro rosto e depois um segundo, após o qual deveriam dizer se pertenciam à mesma pessoa, desta vez para testar a sua memória de trabalho, uma memória de curto prazo.

Depois de corrigir alguns vieses estatísticos relacionados, como renda dos pais, QI e saúde mental, os pesquisadores descobriram que as crianças que jogaram videogames tiveram um desempenho consistentemente melhor nas tarefas.

Durante os testes, os cérebros das crianças foram observados usando técnicas especiais de imagem. Os cérebros das crianças que jogaram videogame mostraram mais atividade em áreas associadas à atenção e à memória de trabalho. “Os resultados levantam a possibilidade interessante de que os videogames fornecem uma experiência de aprendizado cognitivo com efeitos neurocognitivos mensuráveis”, conclui o estudo.

No entanto, ainda não é possível dizer se um melhor desempenho cognitivo leva a brincadeiras mais longas ou se brincadeiras mais longas realmente melhoram o desempenho das crianças observadas.

Para essas e outras respostas, espera-se que o estudo continue para que informações e conclusões mais estruturadas possam ser coletadas quando essas crianças forem mais velhas. A continuidade do trabalho também se correlaciona com outras variáveis ​​que podem afetar esses resultados preliminares, como: B. ambiente doméstico das crianças, atividade física e qualidade do sono.

O tempo excessivo da tela é obviamente ruim para a saúde mental e a atividade física, observam os pesquisadores, mas os resultados do estudo mostram que o tempo gasto jogando videogame pode ser melhor do que o mesmo tempo assistindo a vídeos no YouTube, por exemplo, que a falta cognitiva demonstrável tem um impacto.

Contacte para mais informações Grupo HPA Saúde em +351 282 420 400

Isenção de responsabilidade:
As opiniões expressas nesta página são do autor e não do The Portugal News.

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *