Zelenskyj pede apoio a Portugal

O Presidente da Ucrânia pediu a Portugal que ajude no processo de adesão do seu país à União Europeia e que use a sua influência nos países de língua portuguesa ao lado dos ucranianos.

“A Ucrânia já está a caminho da União Europeia (…) Se esta pergunta for feita, peço-lhe, peço-lhe novamente, que nos apoie neste caminho”, enfatizou Volodymyr Zelenskyy, que interveio em videoconferência o Casas do Parlamento Português.

“Estamos mais a leste e vocês mais a oeste, mas ambos sabemos que os valores que defendemos são os mesmos”, sublinhou o presidente da Ucrânia em uma reunião solene com altos funcionários e representantes da comunidade ucraniana as galerias.

A posição do governo português relativamente à adesão da Ucrânia à União Europeia (UE) causou inicialmente algum desconforto depois de o primeiro-ministro António Costa ter afirmado que esta adesão não é o que a Ucrânia precisa neste momento devido à morosidade e imprevisibilidade do processo.

Durante a cimeira do Conselho Europeu de 24 de março, Zelenskyy avaliaria individualmente cada uma das posições dos 27 líderes europeus, e quanto à posição de Portugal foi sintético, usando apenas três palavras: “Bem, é quase…”.

No dia seguinte, em entrevista à Rádio Renascença, a embaixadora da Ucrânia em Portugal, Inna Ohnivets, reiterou as palavras do Presidente, dizendo que a Ucrânia espera “uma atitude mais ativa do governo português” sobre o assunto.

Muito obrigado

Na presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Primeiro-Ministro, António Costa, dirigindo-se a deputados portugueses e convidados de alto nível, Zelensky agradeceu a ajuda humanitária, o acolhimento de milhares de ucranianos que fugiram da guerra, mas pediu por mais apoio militar, diplomático e político.

Para defender “a independência, a segurança, a democracia”, a Ucrânia conta com o apoio de Portugal, disse o Presidente da Ucrânia, que disse ainda esperar que as autoridades portuguesas possam levar esta mensagem a outras pessoas, sobretudo em relação aos países africanos de língua portuguesa.

“Exorto-vos a lutar contra a propaganda russa influenciando países próximos de Portugal”, sublinhou.

Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde se abstiveram na votação da Assembleia Geral das Nações Unidas em 7 de abril de uma resolução que votaria, por 93 votos, para excluir a Rússia do Conselho de Direitos Humanos por alegações de crimes de guerra e crimes contra humanidade nas Nações Unidas da Ucrânia.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.