Universidade recebe colóquio de pesquisa em enfermagem

Organizado pela Escola de Estudos de Enfermagem e Saúde, o XVII. O Colóquio Pan-Americano de Pesquisa em Enfermagem recebeu profissionais internacionais na Universidade de Miami para discutir os avanços na pesquisa e prática de enfermagem.



Na manhã de quinta-feira, Liz Madigan, CEO da Sigma Theta Tau International Honor Society of Nursing, a segunda maior organização de enfermagem do mundo, falou aos participantes do XVIII Colóquio Pan-Americano de Pesquisa em Enfermagem sobre a importância do desenvolvimento da liderança na enfermagem. profissão.

A conferência é realizada a cada dois anos pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em todo o mundo. A Escola de Enfermagem e Estudos de Saúde sediou o evento na Universidade de Miami esta semana. Aconteceu de 8 a 10 de novembro.

Madigan, que anteriormente liderou iniciativas globais de saúde como professora titular na Case Western Reserve University, onde também liderou o Centro Colaborador da OMS/OPAS para Enfermagem em Cuidados Domiciliares, abordou o impacto da pandemia nos enfermeiros e no futuro da profissão.

Durante seu discurso na Lakeside Village Expo da Universidade de Miami, ela destacou a importância de nutrir relacionamentos com mentores e reiterou o impacto que o apoio adicional pode ter na carreira de longo prazo de uma enfermeira. “Cada enfermeira é um líder e precisamos ajudá-los a ver isso”, disse ela.

Madigan continuou a incentivar o público a pensar criticamente sobre como sua liderança está construindo a profissão de enfermagem em diferentes países e como os enfermeiros contribuem para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – 17 objetivos como parte de um apelo global à ação pela saúde, equidade e prosperidade.

O colóquio de três dias foi recebido com alarde e calorosas boas-vindas de Cindy Munro, Reitora da Escola de Enfermagem e Estudos de Saúde, e Johis Ortega, Decano Associado de Iniciativas Hemisféricas e Globais.

“Nós nos reunimos para trabalhar em direção a ‘Construindo o Futuro da Enfermagem para a Saúde Universal’, unidos por uma visão convincente que tem o poder de transformar em todos os níveis – da infraestrutura que apoia a prestação de cuidados de saúde ao cuidador É dos educadores de enfermagem que preparam a próxima geração de enfermeiros, aos pesquisadores de enfermagem que desenvolvem novos conhecimentos e abordagens de tratamento, aos formuladores de políticas de saúde pública que influenciam a prestação de cuidados de saúde, que o cuidado compassivo seja prestado”, disse Munro.

Esta é a segunda vez que o colóquio é realizado nos Estados Unidos desde a sua criação em 1988. A primeira aparição do evento nos EUA em 2012 também foi organizada pela Escola de Enfermagem e Estudos de Saúde e atraiu enfermeiros e estudantes de 40 países.

A conferência deste ano contou com participantes de duas dúzias de países, incluindo Estados Unidos, Colômbia, Brasil, México, Espanha, Reino Unido, El Salvador, Chile, Israel, Portugal, Cuba, Jamaica, Bolívia e muitos outros países do Caribe e da América Latina. países americanos.

O tema do colóquio, ‘Construindo o futuro da atenção à saúde pública’, concentrou-se em destacar as concentrações e colaborações de pesquisa em países da América Latina e apoiar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da OMS.

A oradora principal da terça-feira, a diretora de enfermagem da OMS, Elizabeth Iro, se juntou virtualmente aos participantes da conferência para discutir as lições aprendidas durante a pandemia e incentivar os enfermeiros a buscar apoio onde necessário para se destacar. Iro foi anteriormente Ministro da Saúde das Ilhas Cook antes de ingressar na OMS.

“A colaboração pode fortalecer a eficácia e as mensagens políticas sobre questões comuns”, disse ela. “A colaboração entre equipes multidisciplinares é essencial para maximizar a contribuição para a prestação de cuidados de saúde primários, a conquista da cobertura universal de saúde e o alcance do desenvolvimento sustentável”.

A conferência aconteceu na quarta-feira com a palestrante Pamela Cipriani, presidente do Conselho Internacional de Enfermeiros. Antes dessa nomeação, ela foi reitora da Escola de Enfermagem da Universidade da Virgínia e presidente da American Nurses Association.

Cada discurso terminou com uma sessão de perguntas e respostas com o público. Após as palestras diárias, a conferência contou com painéis de discussão instigantes sobre a pesquisa na América Latina e no Caribe, o status do Relatório Mundial de Enfermagem e as políticas de saúde.

Os pesquisadores internacionais também tiveram a oportunidade de apresentar aos colegas resumos e pôsteres em inglês, espanhol e português sobre pesquisas relacionadas à prática clínica; estratégias educacionais; ou sistemas de saúde, serviços e equidade.

A pesquisa, diz Madigan, é importante para fornecer evidências para abordagens adicionais para apoiar o desenvolvimento de posições de liderança de enfermagem em todo o mundo.

“Por causa das credenciais, experiência e conhecimento que você tem como cientista de enfermagem, você pode fazer ainda mais para promover essas organizações”, enfatizou.




Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *