A seca na Europa está secando rios, matando peixes e diminuindo as colheitas

LUX, França — Certa vez, um rio passou por ele. Agora, poeira branca e milhares de peixes mortos cobrem a ampla vala sinuosa entre fileiras de árvores no antigo rio Tille, na vila de Lux, na região da Borgonha, na França.

De reservatórios secos e rachados na Espanha a níveis de água em queda nas principais vias arteriais, como os rios Danúbio, Reno e Pó, quase metade do continente europeu está sendo atingido por uma seca sem precedentes. Ela danifica fazendas, impõe restrições de água, causa incêndios florestais e ameaça espécies aquáticas.

No oeste, centro e sul da Europa não houve precipitação significativa por quase dois meses. E espera-se que o período de seca continue na pior seca em 500 anos, dizem os especialistas.

A mudança climática está agravando as condições, pois as temperaturas mais quentes aceleram a evaporação, as plantas sedentas absorvem mais umidade e menos neve no inverno limita o fornecimento de água fresca para irrigação no verão. A Europa não está sozinha na crise, as condições de seca também foram relatadas na África Oriental, no oeste dos Estados Unidos e no norte do México.

Enquanto caminhava pelo leito do rio de 15 metros de largura em Lux, Jean-Philippe Couasné, técnico-chefe da associação local de pesca e proteção do ambiente aquático, listou as espécies de peixes que morreram em o ladrilho.

“É de partir o coração”, disse ele. “Em média, cerca de 8.000 litros (cerca de 2.100 galões) fluem por segundo. … E agora zero litros.”

Em algumas áreas a montante, algumas das trutas e outras espécies de água doce podem procurar abrigo em tanques através de escadas de peixes. Mas esses sistemas não estão disponíveis em todos os lugares.

Sem chuva, “o rio continuará a esvaziar. E sim, todos os peixes morrerão. … Eles estão presos a montante e a jusante, sem água entrando, então os níveis de oxigênio continuam caindo à medida que o volume (de água) cai”, disse Couasné. “São espécies que vão desaparecer gradualmente.”

Jean-Pierre Sonvico, chefe regional da associação, disse que desviar os peixes para outros rios não ajudará, pois esses cursos d’água também serão afetados, causando superlotação e mais mortes.

“Sim, é dramático, porque o que podemos fazer? Nada”, disse. “Estamos esperando e esperando por tempestades com chuva, mas as tempestades são muito locais, então não podemos contar com elas.”

O Centro Conjunto de Pesquisa da Comissão Europeia alertou esta semana que as condições de seca estão piorando, afetando potencialmente 47% do continente.

Andrea Toreti, pesquisadora sênior do Observatório Europeu da Seca, disse que a seca em 2018 foi tão extrema que não houve eventos semelhantes nos últimos 500 anos, “mas este ano acho que é realmente pior”.

Nos próximos três meses, “ainda vemos um risco muito alto de seca na Europa Ocidental e Central e no Reino Unido”, disse Toreti.

A situação atual é resultado de longos períodos de seca causados ​​por mudanças no sistema climático mundial, disse o meteorologista Peter Hoffmann, do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático, perto de Berlim.

“É só que no verão nós sentimos mais”, disse ele. “Mas, na verdade, a seca se acumula ao longo do ano.”

A mudança climática reduziu as diferenças de temperatura entre as regiões e enfraqueceu as forças que impulsionam a corrente de jato que normalmente traz o clima úmido do Atlântico para a Europa, disse ele.

Uma corrente de jato mais fraca ou instável pode permitir que o ar excepcionalmente quente do norte da África chegue à Europa, levando a períodos prolongados de calor. O oposto também é verdadeiro quando um vórtice polar de ar frio do Ártico pode causar condições de congelamento bem ao sul de onde normalmente atinge.

Hoffmann disse que as observações nos últimos anos foram todas no topo do que os modelos climáticos existentes previam.

A seca fez com que alguns países europeus restringissem o uso da água e a navegação no Reno e no Danúbio está em risco.

O Reno pode atingir mínimos críticos nos próximos dias, tornando cada vez mais difícil o transporte de mercadorias – incluindo carvão e gasolina. No Danúbio, as autoridades da Sérvia começaram a dragar areia para aprofundar a hidrovia e manter o transporte tranquilo.

Na vizinha Hungria, grande parte do popular Lago Velence, perto de Budapeste, transformou-se em manchas de lama seca, onde pequenos barcos ficam encalhados. Sistemas de ventilação e circulação de água foram instalados para proteger a vida selvagem, mas a qualidade da água se deteriorou a ponto de uma praia ser proibida de nadar nos finais de semana.

Partes do Pó, o rio mais longo da Itália, são tão baixas que barcaças e barcos que afundaram décadas atrás ressurgem.

A seca também atingiu o sul da Inglaterra, que recebeu apenas 10% de sua precipitação média em julho. Os bombeiros estão lutando contra um número sem precedentes de incêndios de grama e as pessoas em várias áreas foram proibidas de regar seus gramados.

A instituição de caridade Rivers Trust disse que os riachos de giz da Inglaterra – que permitem que nascentes subterrâneas jorrem através da camada esponjosa de rocha – estão secando, ameaçando a vida selvagem aquática, como martins-pescadores e trutas.

Mesmo em países como Espanha e Portugal, acostumados a longos períodos de chuva, as consequências foram graves. Na região espanhola da Andaluzia, alguns produtores de abacate tiveram que sacrificar centenas de árvores para evitar que outras murchassem, já que o Lago Vinuela, na província de Málaga, caiu para apenas 13% de sua capacidade, 55% menos do que há um ano.

Alguns agricultores europeus, em áreas onde os lagos e riachos secaram, usam água da torneira para o gado, consumindo até 100 litros (26 galões) por dia por vaca.

Na normalmente verdejante Borgonha, onde nasce o Sena de Paris, a grama ficou amarelada e os tratores levantam enormes nuvens de poeira.

Baptiste Colson, dono de vacas leiteiras e plantações de forragem na vila de Moloy, disse que seus animais estão sofrendo com a seca, pois a qualidade e a quantidade de leite diminuem.

O líder de 31 anos do sindicato local Jeunes Agriculteurs (Jovens Agricultores) disse que foi forçado a estocar forragem de inverno em agosto.

“Essa é a maior preocupação”, disse Colson.

De acordo com um relatório de S.&P Insights sobre commodities globais.

Colson espera que o rendimento do milho caia pelo menos 30%, um grande problema para alimentar suas vacas.

“Sabemos que precisamos comprar ração… para que as vacas continuem produzindo leite”, disse ele. “Do ponto de vista econômico, o custo será alto.”

———

Os colaboradores deste relatório são Dana Beltaji e Jill Lawless em Londres, Frank Jordans em Berlim, Barry Hatton em Lisboa, Portugal, Ciarán Giles em Madrid, Dusan Stojanovic em Belgrado, Sérvia e Bela Szandelszky em Budapeste, Hungria.

———

Siga a cobertura climática da AP em https://apnews.com/hub/climate-and-environment

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.