A sequência ininterrupta do Marrocos na Copa do Mundo traz um alegre abraço árabe

DOHA, Catar (AP) – É um raro momento no Oriente Médio em que a voz do público ruge mais alto que a dos governos. Mas a surpreendente sequência de vitórias do Marrocos na Copa do Mundo no Catar inspirou alegria e orgulho entre os torcedores árabes, que, pelo menos por um momento, eclipsaram as muitas divisões políticas da região.

Talvez o mais impressionante seja a festa de amor entre os palestinos e a equipe marroquina, apesar da normalização das relações do governo marroquino com Israel sob os Acordos de Abraham de 2020.

A seleção marroquina agitou uma bandeira palestina após vencer a Espanha na semana passada, fazendo a alegria dos palestinos. Ao longo do torneio, a bandeira palestina foi hasteada por todos os lados, carregada por torcedores árabes e alguns não árabes – tanto que a piada é que a Palestina é a 33ª seleção na Copa do Mundo.

Os palestinos veem isso como um sinal de que o apoio público árabe à sua causa ainda é forte, mesmo que sintam que os governos árabes falharam com eles, com os Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Sudão também os apoiando. Normalize as relações com Israel.

“Eu não estava esperando isso. Ele espalha a mensagem e mostra que a Palestina não é apenas uma questão política, é uma questão humana”, disse Ahmed Sabri, um jovem palestino em Doha depois de assistir à vitória do Marrocos sobre Portugal no sábado. Ele tinha a bandeira palestina pendurada nas costas.

Seu amigo egípcio Yasmeen Hossam, envolto em uma bandeira marroquina, disse: “Esta é a primeira Copa do Mundo no Oriente Médio e a primeira PARA o Oriente Médio”.

O Marrocos é o primeiro time árabe e africano a chegar tão longe em uma Copa do Mundo e enfrentar a França nas semifinais na quarta-feira. Parte do abraço árabe da equipe se deve simplesmente ao fato de ter o que comemorar em uma região onde muitos países são assolados por crises econômicas, conflitos armados e repressão política.

Para alguns, é gratificante ver sua cultura exposta de forma positiva em um grande palco internacional – seja o time marroquino fazendo uma rápida oração muçulmana durante as partidas da fase de grupos, ou o atacante marroquino Soufiane Boufal, que acaba de vencer as quartas de final com seu mãe velada no campo dança Portugal.

“Todos nós nos apegamos a esta equipe marroquina como uma espécie de fonte de esperança e felicidade em um momento em que acho que todos nós precisamos de boas notícias”, disse Danny Hajjar, um escritor musical libanês-americano.

A emoção em torno de cada vitória transcendeu fronteiras e divisões políticas.

Os argelinos aderiram, embora seu governo tenha rompido os laços com o Marrocos no ano passado. Os dois países têm um conflito de longa data sobre o Saara Ocidental, que o Marrocos anexou em 1975 e onde a Argélia há muito apoia os saharauis da Frente Polisario, que lutam pela independência. A Argélia ficou chateada com o reconhecimento dos EUA da soberania marroquina no território em troca da normalização com Israel.

Na frequentemente tensa fronteira entre o Marrocos e a Argélia, torcedores de ambos os lados se alinharam e torceram uns pelos outros na terra de ninguém, mostraram vídeos nas redes sociais. Na cidade francesa de Nice, argelinos e tunisianos da diáspora se reuniram com marroquinos em cafés e nas casas uns dos outros para os Jogos, lançando fogos de artifício para comemorar ao longo da famosa Promenade des Anglais do Mediterrâneo.

Em contraste, a televisão estatal argelina nem mesmo cobriu as vitórias do Marrocos, removendo-as da cobertura diária da Copa do Mundo.

Para os palestinos, os jogos foram uma lufada de ar fresco. O processo de paz com Israel há muito apodreceu em uma jarra na prateleira; um governo de extrema-direita em Israel está prestes a tomar posse; As tensões aumentaram nos últimos meses, com vários ataques mortais de palestinos em Israel, incursões israelenses quase diárias na Cisjordânia e crescente assédio por colonos judeus.

Ao mesmo tempo, muitos palestinos se sentem esquecidos pelos governos árabes; Além dos Acordos de Abraham, países como Egito e Jordânia permaneceram em silêncio sobre o futuro dos palestinos enquanto aumentavam a cooperação com Israel.

O Catar, anfitrião da Copa do Mundo, é um apoiador vocal dos palestinos e uma importante linha de vida econômica para a Faixa de Gaza, que é governada pelo grupo militante Hamas há anos e isolada pelo Egito e Israel.

Ahmed Abu Suleiman, um técnico de futebol do campo de refugiados de Shati na cidade de Gaza, disse que estava orgulhoso de ver a bandeira palestina hasteada entre os torcedores em Doha com tanta frequência.

“Os regimes mudam, mas as pessoas permanecem as mesmas. Eles pensam sobre a questão palestina, sobre a ferida palestina”, disse ele.

Milhares de pessoas lotaram um pavilhão esportivo na cidade de Gaza com um telão doado pelo Catar para assistir ao jogo Marrocos x Portugal. Muitos seguravam cartazes com as bandeiras palestina e marroquina e o slogan “Um povo, um país”.

“É uma sensação indescritível. Juro que é como se os palestinos estivessem jogando”, disse um torcedor, Ibrahim al-Lilli. “Somos todos Marrocos.”

Cenas animadas também ocorreram em toda a Cisjordânia após a vitória. Em Jerusalém Oriental, dois homens estavam no topo do Portão de Damasco da Cidade Velha segurando uma bandeira marroquina vermelha enquanto centenas abaixo aplaudiam e cantavam: “Deus, Marrocos, Jerusalém é árabe”.

A vitória marroquina também repercutiu em Israel, lar de centenas de milhares de judeus de ascendência marroquina. Muitos israelenses, inclusive os presentes em Doha, torceram pelo time.

Avi Nachmani, porta-voz da Federação Mundial dos Judeus Marroquinos, com sede em Israel, disse que muitos israelenses de origem marroquina mantêm uma forte conexão com suas raízes. “Esse florescimento da equipe realmente aumenta a afinidade”, disse ele.

Ele disse que cenas de jogadores comemorando com suas mães o lembram de como os judeus marroquinos honram seus pais. “Eles não se esquecem de onde vêm”, disse ele.

No entanto, alguns ficaram consternados com a exibição da bandeira palestina. Em Israel e Jerusalém Oriental, a polícia se move rapidamente para derrubar qualquer exibição da bandeira, mesmo que não seja especificamente proibida.

Rudy Rochman, um israelense de ascendência marroquina, disse que se sente ligado ao time marroquino. Mas ele chamou o desfraldar da bandeira palestina de “deliberadamente ofensivo a Israel”.

Nas redes sociais, alguns disseram que o entusiasmo árabe pelo Marrocos está acabando com a grande população de etnia berbere que é igualmente, se não mais, parte da identidade do país. Outras vozes disseram que o controle de Marrocos sobre o Saara Ocidental e a discriminação sentida por muitos saharauis foram afogados em júbilo.

O Líbano é possivelmente o mais complicado, com divisões sectárias infiltrando-se na fidelidade ao futebol. Enquanto os libaneses são predominantemente torcedores do Brasil ou da Alemanha, muitos adotaram o Marrocos e se alegraram nas ruas depois de derrotar Portugal.

A semifinal com a França é mais polêmica. Grande parte do mundo árabe vê uma oportunidade para uma ex-colônia compensar seu ex-colonizador. Mas alguns no Líbano se sentem culturalmente ligados à França, especialmente os cristãos.

Após o jogo contra Portugal, brigas começaram em Beirute depois que um grupo de torcedores marroquinos de um bairro de maioria muçulmana percorreu um bairro cristão em motocicletas, alguns levantando bandeiras palestinas e gritando “Deus é maior”. Eles foram abordados por um grupo de homens locais que viram o comboio como uma provocação sectária.

Dada a história das divisões e da guerra civil de 15 anos, o escritor de música Hajjar disse que não ficaria surpreso se houvesse mais atrito nas ruas nas semifinais. Mas ele disse que “espera que todos possamos aproveitar o jogo do jeito que vai ser”.

___

o jornalista da AP Wafa Shurafa na Cidade de Gaza; Joseph Federman em Jerusalém; Barbara Surk em Nice, França; e Abby Sewell em Beirute contribuíram para este relatório.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *