Aldeias Combatem Incêndios Florestais em Portugal; A Europa está em chamas

BEMPOSTA, Portugal (AP) — Mais de 3.000 bombeiros lutaram quinta-feira ao lado de cidadãos portugueses que tentavam desesperadamente salvar as suas casas dos múltiplos incêndios florestais que assolam o país europeu, alimentados por temperaturas extremas e condições de seca ligadas às alterações climáticas.

O centro de Portugal foi particularmente atingido por uma série de incêndios esta semana. Na aldeia da Bemposta, os residentes usaram mangueiras de jardim para pulverizar os seus relvados e telhados na esperança de os poderem salvar da furiosa parede de chamas vermelhas que se aproximava pelas colinas de madeira no final da quarta-feira.

“Começou a espalhar-se nesta direcção, o vento soprava nesta direcção em direcção à serra”, disse António Carmo Pereira, 88 anos, enquanto apontava para as chamas nos arredores da sua aldeia. “Em alguns minutos eu não conseguia ver nada, apenas fumaça.”

“(É) perigoso, sim. Ele envolve todas as casas”, disse ele. “Estou com medo, mas para onde posso ir? Pular em um tanque de água? Deixe-me ficar aqui e ver.

Na quinta-feira, mais de 800 bombeiros continuavam a combater as chamas no distrito de Leiria, onde fica a Bemposta.

Prevê-se que as temperaturas no interior do país atlântico cheguem a 44 ° C (111 ° F), à medida que o ar quente e seco soprado da África permanece na borda ocidental da Península Ibérica. Em junho, 96% de Portugal foi classificado com seca “extrema” ou “grave”.

O ar quente e o solo ressecado combinados com ventos fortes criaram o coquetel perfeito para incêndios florestais graves.

O Governo do primeiro-ministro português, António Costa, prolongou esta quinta-feira o estado de alerta para incêndios florestais até domingo devido às altas temperaturas. O alerta de uma semana foi originalmente programado para ser executado até sexta-feira. O governo português fechou temporariamente o acesso público às florestas consideradas particularmente vulneráveis, proibiu o uso de máquinas agrícolas e proibiu o fogo-de-artifício.

Costa disse que os bombeiros tiveram que responder a 200 incêndios diferentes na quarta-feira e pediu aos cidadãos que fossem mais cuidadosos no campo.

“Mais do que nunca, somos nós que temos que ser extremamente cuidadosos”, disse Costa. “Uma grande tragédia pode resultar de um pequeno descuido.”

Cerca de 10.000 hectares (25.000 acres) foram queimados em Portugal esta semana, segundo a proteção civil. Cerca de 865 pessoas tiveram que evacuar suas casas na semana passada, embora muitas tenham retornado na quinta-feira. Mais de 30 casas e outros edifícios foram danificados.

O comandante da Defesa Civil, André Fernandes, disse que 160 pessoas, incluindo pelo menos 70 bombeiros, ficaram feridas até agora, mas não há mortes confirmadas nos incêndios em Portugal. Quatro pessoas, incluindo dois bombeiros, ficaram gravemente feridas. Portugal melhorou a sua segurança contra incêndios desde que os incêndios florestais mataram mais de 100 pessoas em 2017.

A União Europeia pediu aos Estados-membros que se preparem para os incêndios florestais Neste verão, o continente enfrenta outra mudança climática extrema que, segundo os cientistas, está sendo impulsionada pelas mudanças climáticas.

No centro da Hungria, os bombeiros descobriram um corpo na quinta-feira onde um pequeno incêndio florestal queimou durante a noite. Foi encontrado enterrado sob o telhado desabado de uma casa de fazenda incendiada perto da aldeia de Soltszentimre.

A Espanha ainda lutava contra um incêndio provocado por um raio na área de Las Hurdes, no centro-oeste, na segunda-feira, que consumiu cerca de 3.500 hectares (8.600 acres). As temperaturas em muitas partes da Espanha ultrapassaram a marca de 40°C (104F) por vários dias e devem permanecer altas na próxima semana.

Na França, dois incêndios na região de Bordeaux, no sudoeste da França, ficaram fora de controle pelo terceiro dia consecutivo, apesar dos esforços de 1.000 bombeiros e aviões de drenagem para contê-los.

Os incêndios destruíram mais de 3.850 hectares (9.500 acres) de florestas e pastagens, disse a emergência regional. Ele disse que os bombeiros estavam lutando para conter o incêndio por causa dos ventos fortes e da dificuldade de atingir o centro dos incêndios. Mais de 6.000 pessoas foram evacuadas de acampamentos e aldeias francesas nos últimos dias.

___

Joseph Wilson relatou de Barcelona, ​​​​Espanha. Angela Charlton em Paris, Ciarán Giles em Madri e Justin Spike em Budapeste, Hungria contribuíram para este relatório.

___

Siga todas as histórias da AP sobre mudanças climáticas em https://apnews.com/hub/climate

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *