Apoiar o Banco Africano de Desenvolvimento para promover os esforços de Cabo Verde para se tornar um centro regional de TIC | Banco Africano de Desenvolvimento

Cabo Verde está a caminho de se tornar um hub regional de TIC graças ao investimento do país numa visão de transformação digital com apoio ativo do Banco Africano de Desenvolvimento.

A primeira fase de construção dos principais edifícios do Parque Tecnológico de Cabo Verde, financiada pelo Banco Africano de Desenvolvimento, está 85% concluída e ficará concluída antes do final do ano, disseram hoje responsáveis ​​oficiais, 8 de setembro de 2022.

O projeto permitirá que o país da África Ocidental diversifique de uma economia dependente do turismo para uma economia cada vez mais orientada para a inovação.

Mais de 50% dos beneficiários do parque tecnológico serão jovens, principalmente da África Ocidental e de países africanos de língua portuguesa, como Ederlindo Lopes de Barros, de 17 anos, de Carbo Verde.

Durante a visita de quinta-feira ao data center do NOSi na Praia, o Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, Dr. Akinwumi Adesina, o jovem Barros, enquanto calmamente, mas com entusiasmo, pressionava o teclado e olhava para as enormes telas à sua frente.

Barros, estudante da Universidade de Cabo Verde, disse o Dr. Adesina, seu sonho é se tornar um engenheiro de segurança de rede. Ele está fazendo um estágio de seis meses em segurança de rede no NOSi, uma das organizações apoiadas pelo Banco Africano de Desenvolvimento.

Adesina disse: “É ótimo estar aqui e ver este data center. Congratulo-me por o financiarmos e ao Parque Tecnológico de Cabo Verde adjacente. Vivemos em um mundo digital, portanto, a capacidade de coletar, processar e armazenar dados e usar dados para tomar decisões informadas é vital. Estou muito satisfeito com o que vi no data center de Cabo Verde e principal parque tecnológico em construção.”

O presidente do banco descreveu o data center como de classe mundial e com altos padrões de segurança, e disse esperar que seus serviços sejam expandidos para muitos outros países.

“Estou muito satisfeito com o que o governo está fazendo para apoiar os jovens e educá-los em ciência, tecnologia e informação. Na revolução industrial moderna, você precisa dessas habilidades para trabalhar. Este é o futuro”, disse Adesina.

Mais de 15 empresas de tecnologia já manifestaram interesse no Parque Tecnológico de Cabo Verde, incluindo Microsoft, Unitel, Huawei e AfriLabs.

Autoridades dizem que as instalações de TIC permitirão a Cabo Verde educar, incubar e investir em jovens africanos inovadores, start-ups e nômades digitais. A mensagem é clara: os jovens africanos não precisam deixar o continente para serem bem-sucedidos. Cabo Verde tem as instalações necessárias e um sistema político solidário, disse Adesina.

“Estamos caminhando na direção certa em termos de transformação tecnológica. Faremos muito por Cabo Verde e pela sua juventude com o apoio do Banco Africano de Desenvolvimento”, disse o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde Olavo Correia, que acompanhou Adesina na sua visita ao parque tecnológico.

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.