Arsenal contrata Fabio Vieira: ‘Posso jogar à esquerda ou à direita, mas prefiro 10’

Está se tornando cada vez mais incomum nos dias de hoje que um compromisso seja uma surpresa completa. No entanto, a aquisição pelo Arsenal de Fabio Vieira, de 22 anos, pegou muitos desprevenidos – um verdadeiro flash do azul e branco do FC Porto.

Se os fãs ficaram surpresos com a velocidade do negócio, eles não estavam sozinhos. “Para mim, também foi rápido”, diz Vieira O atleta com um sorriso. “A mudança para o Arsenal aconteceu muito rapidamente. Mas eu me senti pronto. Agora é a minha vez.”

Foi um passo rápido, mas que levou muito tempo. Nascido em Santa Maria de Feira, uma vila medieval do interior da costa portuguesa, Vieira ingressou na equipa local aos cinco anos de idade antes de ser recrutado pela academia do Porto aos sete. “Quando eu era jovem, sempre foi meu sonho jogar pelo Porto”, diz ele. “Mas meu verdadeiro sonho era jogar na Premier League.”

Vieira compartilha o nome de um jogador que já alcançou status de ícone na Inglaterra e no Arsenal. Apesar de ter nascido em 2000, o jovem português conhece bem os feitos do seu homónimo. “Claro que Patrick Vieira é uma lenda”, diz ele. “Lembro-me de vê-lo na TV na Premier League e com a seleção.”

Coincidência significa que o recém-chegado chega com um vocal pronto. “Eu ouvi os fãs cantando no nosso amistoso na Alemanha!” Ele ri antes de começar a cantar hesitantemente: “’Vieira, whoah!’”

O Arsenal agiu rapidamente para garantir a contratação deste novo Viera. Vários outros grandes clubes europeus o cercaram, mas com apenas uma temporada completa no futebol de primeira divisão, a maioria esperava que ele ficasse na Primeira Liga por mais um ano. O Arsenal sabia que a melhor chance de contratá-lo era agir agora – e o técnico Mikel Arteta estava apaixonado o suficiente para arriscar.

“As discussões com o gerente e o Edu foram muito importantes”, diz Vieira. “Eles me disseram que me queriam no Arsenal. Gostei do projeto porque eles querem que jovens jogadores compitam em equipe e joguem juntos por três ou quatro anos”.

“Eles falaram com o Porto e o meu agente – as coisas correram muito rapidamente e sem problemas. Estou muito feliz por estar aqui agora. Foi uma decisão fácil: o Arsenal é um clube histórico”.

E para Vieira foi uma chance de cumprir sua ambição de jogar na Inglaterra. “É a melhor liga do mundo”, diz ele enfaticamente. “A Inglaterra sempre foi muito atraente para mim. Grandes jogadores portugueses já jogaram aqui: Cristiano Ronaldo, Bernardo Silva, Bruno Fernandes, João Moutinho, João Cancelo. Eu quero segui-los.”

A afirmação é típica de Vieira, que fala baixinho, mas com uma confiança serena. Não é por acaso que muitos dos jogadores nomeados por Vieira são conhecidos pelo seu talento ofensivo. Crescendo, seus ídolos eram o compatriota Ronaldo e Lionel Messi.


Vieira enfrentou o Liverpool no Porto (Foto: José Manuel Alvarez/Quality Sport Images/Getty Images)

“Eu amo Ronaldo e Messi”, diz ele. “Gosto de Messi por causa do estilo de jogo. É como o meu – canhoto, algumas das mesmas características. E o Ronaldo não por ser português, mas pelo trabalho e pela mentalidade. É incrível. E faz muitos gols. São jogadores incríveis”.

Desde jovem, Vieira desenvolveu uma ideia do tipo de futebol a que aspira – e acredita que o Arsenal está à altura dessa ambição. “Adoro futebol ofensivo, futebol bonito”, diz. “Posse. Qualidade.”

“Sou um jogador de ataque”, continua. “Gosto de fazer o último passe e ajudar meus companheiros a marcar. E também gosto de marcar gols.” Um recorde de seis gols e onze assistências em 27 jogos do campeonato na última temporada parece confirmar isso.

Claro, as conversas com Arteta incluíram discussões sobre o possível papel de Vieira em campo. “O técnico me disse que sabe que posso jogar como meio-campista – nº 8, No. 10 – ou na ala, esquerda ou direita. Eles sabem que sou um jogador versátil.” Como a maioria dos jogadores criativos, Vieira se sente mais em casa logo atrás do atacante. “Eu prefiro o número 10”, ele admite. “Esta é a minha verdadeira posição.”

Vieira tem aproximadamente 170 cm de altura com uma construção leve. É claro que a fisicalidade da Premier League provavelmente o colocará à prova. No entanto, o internacional Sub-21 de Portugal não se intimida. “É um grande desafio”, admite. “A Premier League é mais intensa, mais física. Eu não sou um jogador físico, então tenho que trabalhar duro e construir meu físico.”

“Mas para mim, minha inteligência e minha qualidade são as coisas mais importantes. Em Portugal nunca tive problemas com o lado físico. Antes que a bola venha para mim, tenho que observar e pensar no que vai acontecer a seguir. A inteligência é uma das minhas qualidades.”

Vieira já viu a intensidade do futebol inglês antes. “Jogamos contra o Liverpool na última temporada, então tive um gostinho da Premier League. Foi um desafio diferente, na Champions League, contra um time incrível. Eles são muito físicos, mas me senti confiante. Eu me senti bem em campo.” Aqui está essa certeza novamente. “Estou pronto para esta temporada.”

Apesar disso, ele é humilde o suficiente para aceitar que existem áreas em que pode melhorar. “Sou um jogador ofensivo, mas tenho que trabalhar na defesa. Os momentos defensivos são muito importantes no futebol, especialmente na Premier League: é mais físico, mais poderoso. É nisso que estou me concentrando. Meus treinadores no Porto trabalharam comigo na última temporada para melhorar meu desempenho físico e minha concentração nos momentos defensivos.”

Vir para a Inglaterra é um grande passo para um jovem jogador. É uma viagem ao desconhecido. “Minha família é uma família normal, uma família da classe trabalhadora”, diz ele. “Ninguém na minha família jogou futebol antes; Eu fui o primeiro. Passei 15 anos no Porto. Esta é a minha primeira grande mudança.”

Ajuda que o Arsenal tenha cada vez mais jogadores que falam português. No voo para a América, Vieira sentou-se com Cedric, Gabriel Martinelli e os outros recém-chegados Gabriel Jesus e Marquinhos. Ele está confiante de que a companhia o ajudará a encontrar seus pés.


A partir da esquerda: Marquinhos, Gabriel Jesus, Gabriel Martinelli e Fabio Vieira no voo da equipe para os EUA (Foto: Stuart MacFarlane/Arsenal FC via Getty Images)

“Tenho os caras que falam português aqui, os brasileiros”, diz. “É mais fácil para mim porque eles me ajudam com o idioma.” Não vai demorar muito para ele se atualizar. Apesar da charmosa insistência de que o inglês não é seu forte, ele conduz toda a entrevista em sua terceira língua – além do português nativo, também fala espanhol fluentemente. Ele será apoiado por seus novos companheiros de equipe.

“Claro que nos falamos em português – mas às vezes também em inglês porque eu e Marquinhos temos que aprender inglês. O inglês dele é pior que o meu!”

Para os jovens jogadores latinos, Cedric, de 30 anos, é um mentor valioso. “Ele é um bom profissional; ele tenta ajudar todo mundo”, diz Vieira. “É importante. Ele é mais velho, tem experiência – ganhou o Campeonato da Europa com Portugal. É uma boa pessoa”.

Vieira já jogou com Nuno Tavares pelo Portugal Sub-21 e eles têm uma boa relação – embora Tavares insista em chamá-lo de notório vilão da TV. “Ele diz que eu pareço T-Bag de Prison Break”, Vieira ri. “Oh meu Deus, ele me chama assim o tempo todo! Ele sempre brinca comigo.” Vieira vê a semelhança? Um encolher de ombros sugestivo, um sorriso pesaroso: “Mais ou menos!”

Em breve, Vieira fará a tradicional iniciação do Arsenal e se levantará para cantar uma música na frente de seus novos companheiros de equipe. “Ainda não tive que fazer o meu, mas está chegando”, diz ele. “Cedric me avisou: ‘Prepare!’.”

“Fazemos a mesma coisa no Porto – mas é diferente no Porto porque é a minha casa e conheço as pessoas! Mas estou bem, sem problemas. Não é fácil, mas vamos fazer!”

Como sempre, Vieira pensa um passo à frente. “Gosto de música brasileira, de músicas latinas”, diz. “É uma boa escolha – quando eu começo a cantar, os outros se juntam! Vai ser mais fácil, eles vão me ajudar!”

A namorada de Vieira vem visitá-lo na Inglaterra e sua família planeja visitá-lo em breve. “Você é meu apoio”, diz ele. Assim que a onda de calor do verão termina, ele precisa se adaptar a um novo clima. “Em Portugal o tempo é bom 90 por cento do tempo. Eu sei que a Inglaterra será diferente. Mas é a vida!”

Quando uma foto de Vieira com uma bota de proteção surgiu nas redes sociais, os torcedores do Arsenal entraram em pânico. No entanto, ele rapidamente dissipou as preocupações. “É uma pequena lesão que contraí há um mês com a selecção nacional”, explica. “Agora me sinto muito bem. Ainda não estou treinando 100%, mas corro. Estou melhorando dia a dia. E em poucos dias estarei de volta aos treinos completos com meus companheiros de equipe.”

Seus objetivos para a próxima temporada são uma chance na seleção principal de Portugal e um retorno à Liga dos Campeões – desta vez com o Arsenal. Como qualquer recém-chegado, ele sabe que um período de adaptação é inevitável. “Geralmente precisamos de algum tempo para nos ajustar – para conhecer a cidade, a liga e como os outros times jogam”, diz ele.

“Mas estou ansioso por isso. Mal posso esperar para jogar com os fãs no Emirates Stadium. É um estádio fantástico, torcedores fantásticos, nossos torcedores são fantásticos.

“Mal posso esperar para começar.”

(Imagem principal: produzida por Sam Richardson com Getty Images)

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.