Com um implante Walletmor, você pode pagar em máquinas de cartão apenas com a mão

Lars Goossens é um produtor de vídeo de 31 anos que trabalha para uma produtora belga em Antuérpia. Em seu tempo livre, ele adora fazer excursões, participar de festivais de música e observar os espectadores olhando fixamente enquanto ele paga em uma máquina de cartão colocando a mão esquerda sobre ela. Essa última parte é possível porque a mão esquerda de Goossens tem um pequeno implante de dispositivo feito por uma empresa londrina chamada Walletmor.

O pequeno dispositivo tem aproximadamente o tamanho de um alfinete de segurança e menos de 0,5 mm de espessura. É composto por um circuito integrado e um invólucro metálico que funciona como antena, e está envolto em um bio-invólucro hermético feito de um biopolímero. De acordo com a Walletmor, este biopolímero é totalmente seguro porque é feito de um material especial de grau médico. A Walletmor afirma ser a primeira empresa do mundo a oferecer uma solução de pagamento sem fio implantada no corpo humano.

“Existem muitos riscos quando você coloca qualquer coisa em seu corpo. Por esse motivo, realizamos uma variedade de exames médicos para garantir que não cause efeitos colaterais. O dispositivo e os materiais que o compõem foram aprovados em todos os procedimentos médicos testados quanto à inflamação, toxicidade, etc. Nós até testamos o dispositivo para garantir que ele seja totalmente biocompatível”, disse Wojtek Paprota, fundador e CEO da Walletmor, ao indianexpress.com.

O implante pode ser colocado em qualquer um dos 100 fornecedores de instalação certificados da Walletmor, que incluem hospitais, clínicas e centros de modificação corporal. Esses centros registrados estão no Reino Unido, Estados Unidos e em toda a Europa em países como França, Alemanha, Espanha, Portugal, Polônia, Noruega etc.

Goossens é retratado aqui com seu implante instalado em um centro registrado. (Crédito da imagem: Lars Goossens)

O implante baseado em Near Field Communication (NFC) é um dispositivo completamente passivo que não requer uma fonte de alimentação. Não emite ondas de rádio e só é ativado quando se aproxima de um terminal de pagamento sem contato. Por usar o padrão NFC amplamente utilizado, ele pode ser usado em qualquer terminal de pagamento que suporte a opção “tap-to-pay” para cartões de crédito e débito.

Após a implantação, o dispositivo pode ser pareado com um provedor de carteira digital que permite ao usuário manter o saldo da carteira e controlar os pagamentos por meio do dispositivo. O implante em si custa 199 euros.

O implante de pagamento Walletmor é retratado aqui. O implante é mostrado aqui no frasco à direita. (Crédito da imagem: Lars Goossens)

A Walletmor fez parceria com vários processadores de pagamento, incluindo MuchBetter no Reino Unido, iCard na União Europeia e PureWrist nos Estados Unidos. Os clientes da Walletmor podem usar os aplicativos desses provedores de serviços de pagamento para controlar o uso de seu implante: recarregar sua carteira, criar limites de pagamento, etc.

Goossens aprendeu sobre essa tecnologia quando um representante da Walletmor entrou em contato com seu amigo Kenneth, um jornalista de tecnologia de um canal de TV belga. Os dois amigos decidiram fazer os implantes juntos, embora o implante de seu amigo inicialmente não tenha funcionado. Parecia que um lote de dispositivos tinha um defeito de solda, embora a empresa tenha eventualmente substituído por uma opção de trabalho.

O implante demorou um pouco para se acostumar no início, pois a antena não era tão forte quanto as dos cartões de pagamento. Foi preciso um pouco de prática para Goossens descobrir como colocar a mão no terminal de pagamento para que fosse reconhecido na primeira tentativa. Ele admite que recebe reações estranhas toda vez que usa o dispositivo em um terminal. “Agora, quando vou a uma loja, tiro meu Apple Watch para que as pessoas saibam que não estou pagando assim. Eu digo ‘pague com cartão’ e depois uso minha mão no terminal só para ver a reação das pessoas”, disse ele.

Mas as reações que ele está recebendo pessoalmente são inofensivas em comparação com as que ele recebeu online. “Nós postamos sobre isso online e recebemos muito ódio. Fomos chamados de filhos de Satanás etc. As pessoas diziam que o governo poderia usar o chip para nos rastrear, mas isso não é verdade. Eles provavelmente digitaram esses comentários em celulares, o que é ainda mais fácil para os governos rastrearem”, enfatizou.

Ainda assim, Paprota, que tentou várias iterações do dispositivo em si mesmo, não desconhece o potencial de abuso da tecnologia. “A única coisa que temo sobre essa tecnologia é que um dia os governos dos países possam torná-la obrigatória para seus cidadãos. Se formos abordados para tal projeto, dizemos que não. Pode ser ótimo do ponto de vista comercial, mas não queremos fazer parte disso. Queremos que as pessoas tenham a liberdade de escolher por si mesmas”, enfatizou.

No entanto, ele acrescentou que quaisquer preocupações sobre o dispositivo também podem ser expressas para cartões de crédito que possuem o recurso de toque sem fio. Além disso, o usuário tem controle total sobre como o dispositivo é usado e pode definir limites para pagamentos que podem ser feitos usando o dispositivo. Você também pode desativá-lo temporariamente, se necessário.

Mas Paprota prevê muito mais usos para o dispositivo do que apenas pagamentos. “Por exemplo, se você precisar de uma ambulância, um paramédico registrado pode escanear sua mão em busca do chip e descobrir se você tem alguma alergia e outras informações. Também planejamos conectá-lo ao Digital EU para que você tenha seus dados de identificação onde quer que vá”, explicou.

E essas aplicações não estão tão longe. Na verdade, Goossens já conta com o implante para trancar e destrancar as portas de sua casa e estúdio.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *