Depois de um inverno seco, como Portugal aprende a conviver com a seca?

Até agora este ano tem havido pouca chuva em Portugal, com 95 por cento do país enfrentando condições severas ou extremas de seca. Os agricultores estão na vanguarda dessa tendência de mudança climática e, neste episódio do Climate Now, damos uma olhada em como eles estão lidando com isso, quais tecnologias podem usar para aproveitar ao máximo sua água e ouvimos as perspectivas sombrias para as próximas décadas.

Para começar, nosso resumo regular dos dados mais recentes do Serviço de Mudança Climática Copernicus.

Fevereiro quente na Europa

Fevereiro de 2022 foi 2,4 graus Celsius mais quente na Europa do que a média dos anos de 1991 a 2020.

O mapa de anomalias de temperatura confirma esse número, com a Europa e grande parte da Rússia sombreadas em vermelho, indicando temperaturas acima da média.

A situação era completamente diferente do Alasca à Groenlândia e ao Texas, nos EUA, onde as temperaturas às vezes ficavam bem abaixo da média de fevereiro.

Na Antártidaé o fim do verão e isso O gelo marinho atingiu sua segunda média mensal mais baixa já registrada. Em todo o continente havia 0,9 milhão de quilômetros quadrados a menos de gelo marinho do que a média em fevereiro.

Portugal nas garras de uma seca prolongada

Em Portugal, 95% do país enfrenta agora uma seca severa ou extrema devido à seca que atinge toda a Península Ibérica neste inverno.

Isso significa que os agricultores estão em um ano de crescimento extremamente difícil.

Então, como eles se adaptam? A Euronews deslocou-se ao leste de Portugal para conhecer o agricultor José Maria Falcão, que nos ligou para nos levar numa visita à sua quinta Torre Das Figueiras.

A nossa primeira paragem é um campo de cevada verde-claro – para um olho destreinado pode parecer saudável, mas José Maria disse-nos que já podia ver que as colheitas estavam desidratadas. A cevada normalmente deve ser mais alta, mais grossa e com raízes mais longas, mas é enfraquecida pela falta de chuva e sucumbe ao ataque de fungos:

“Isso é típico quando a planta está fraca. Se ela tem que crescer e tudo de ruim acontece com ela, tudo de ruim acontece com ela, assim como uma pessoa doente e desnutrida adoece com muito mais facilidade”, explicou José Maria.

Você não precisa ser um agricultor experiente para ver que o grande reservatório de irrigação de sua fazenda está quase vazio. O motivo é simplesmente a falta de chuva: José Maria registrou cerca de 10 milímetros de chuva em janeiro e fevereiro, contra 200 milímetros no mesmo período do ano passado.

No momento, suas azeitonas, romãs, amêndoas e outras culturas são irrigadas com água de um rio próximo. José Maria tem as licenças necessárias para usar essas fontes, mas sabe que o abastecimento não pode ser garantido no final do ano e o custo de bombeamento de água a mais de cem metros de subida continuará a aumentar à medida que os preços da energia sobem.

Efeitos do aquecimento global

No Serviço Meteorológico Português IPMApesquisador do clima Vanda Pires diz que o aquecimento global está desempenhando seu papel na seca que estão vendo este ano.

As últimas duas décadas em Portugal não foram apenas mais quentes em média, mas também as mais secas já registradas. Isso significa que as secas agora são mais comuns e os anos excepcionalmente úmidos são menos comuns.

Este número do IPMA, mostrando anomalias de precipitação desde 1930 em comparação com a média de 1971-2000, mostra como as secas se tornaram mais frequentes desde o início da década de 1990.

Vanda Pires diz à Euronews que esta tendência vai continuar. “Até o final deste século, as projeções apontam para um declínio das chuvas em todo o país. Essas diferenças podem ser perdas de chuva de 15% a 20% no norte e 30% a 40% na região sul, o que é bastante significativo”, disse Vanda.

De volta à quinta, José Maria mostra-nos o sistema de rega informatizado, sondas de humidade do solo e sensores de crescimento que utiliza para manter as suas amendoeiras vivas e produtivas. Ele tem um total de 48 sondas de solo em sua fazenda de 2.200 acres e consulta regularmente dados do Frota de satélites Sentinel para fazer o levantamento de sua terra.

“Não posso confiar nos meus olhos, quando olho não vejo nada. Eu tenho que olhar no subsolo para ver onde está a umidade. E assim posso manejar uma cultura que precisa de muita água com muito pouca água.”

Essa confiança na tecnologia e nos dados é respaldada por profissionais de irrigação Gonçalo Rodrigues – quem diz que devemos usar todas as ferramentas possíveis para gerenciar melhor a água que temos.

“Temos que aceitar isso como uma forma de ser, um modo de vida e nos adaptarmos o máximo possível a essa realidade em que vivemos”, explica.

Rodrigues diz que “usar sensores de monitoramento de água do solo, estações meteorológicas, sensores de colheita, imagens de satélite, imagens de drones” é o que realmente é necessário para “entender como nossas plantas estão se comportando”.

“Precisamos aprender e fazer o melhor uso da tecnologia disponível para nos tornarmos cada vez mais eficazes e eficientes”, conclui.

Equipe de produção Climate Now:

Câmera: Lionel Laval

**

Gráficos 3D: Vinod Kirouchenamourty

**

Gráfico de dados: Domenico Spano

Diretor de estúdio: Mathieu Carbonell

Gerente de estúdio virtual: Antoine Renaud

Iluminação do estúdio: Jérôme Soulillol

Gerente de Produção: Camille Cadet

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.