Destino político de Portugal incerto após orçamento do Estado

LISBOA, Portugal (AP) – O presidente de Portugal diz que as urnas são a melhor maneira de quebrar um impasse político depois que o parlamento do país descartou o orçamento de Estado do próximo ano proposto pelo governo socialista minoritário.

Mas o plano do líder de realizar eleições antecipadas pode sair pela culatra, pois criaria um campo de batalha político ainda mais volátil, dizem analistas.

O presidente Marcelo Rebelo de Sousa, que não tem poderes governamentais, mas está tentando garantir o bom funcionamento do país, disse antes da votação do orçamento de quarta-feira que convocaria uma votação antecipada se os parlamentares rejeitassem a proposta do governo.

Quando isso aconteceu, ele iniciou as consultas que precisava realizar antes de dissolver o Parlamento e definir uma data para as eleições, e rapidamente se encontrou com o Primeiro-Ministro e o Presidente do Parlamento durante o jantar.

Ele também se reunirá com lideranças políticas, federações sindicais e lideranças empresariais antes de convocar o Conselho de Estado, órgão consultivo, em 3 de novembro. Depois disso, é amplamente esperado que ele provavelmente convoque eleições em janeiro.

Perante um cenário político fragmentado, com a ascensão de partidos mais pequenos e a probabilidade de nenhum partido alcançar a maioria parlamentar, a ambição de Portugal é disponibilizar rapidamente dezenas de milhares de milhões de euros (dólares) em ajuda à reconstrução pós-pandemia, com a União Europeia à beira do jogo.

“Estamos entrando em um período de turbulência política no nosso país”, disse Francisco Pereira Coutinho, professor de política da Universidade Nova de Lisboa. “Estamos abrindo novos caminhos”

Pesquisas de opinião recentes sugerem que o Partido Socialista, de centro-esquerda, voltará ao poder com uma vitória confortável, com cerca de 39% dos votos. Isso ainda deixaria os socialistas perto de uma maioria parlamentar e Portugal de volta ao ponto de partida.

Os tradicionais partidos de oposição de centro-direita, por sua vez, estão em desordem. Tanto o principal Partido Social Democrata da oposição quanto o Partido Popular menor estão absorvidos em desafios de liderança.

O Partido Comunista de extrema esquerda e o Bloco de Esquerda viram sua popularidade diminuir para um único número nas últimas eleições.

Na última eleição em 2019, 10 partidos ganharam assentos no parlamento de 230 assentos.

Mais impressionante é a ascensão do primeiro partido populista de direita de Portugal Chega! (Basta!. Foi fundado há apenas três anos e atualmente tem uma legislatura, o líder do partido, advogado André Ventura. O Chega! pode acumular até 20 assentos em uma eleição, potencialmente tornando-se um rei.

Os passageiros de Lisboa, capital de Portugal, expressaram na quinta-feira desconforto sobre o que o futuro imediato reserva para o país de cerca de 10,3 milhões de pessoas.

Romi Silva, advogada, disse que Portugal “deve ultrapassar esta situação muito rapidamente para não desperdiçarmos ajuda da União Europeia”.

Rui Piedade, professor, disse que os políticos “deveriam estar preocupados com a crise que agora enfrentamos”.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.