Grã-Bretanha emite primeiro alerta ‘vermelho’ e se prepara para calor recorde enquanto a Europa arde

O Met Office da Grã-Bretanha emitiu seu primeiro alerta “vermelho” de calor excepcional, dizendo que temperaturas recordes esperadas no início da próxima semana colocarão até pessoas saudáveis ​​em risco de doenças graves e morte.

O alerta se aplica a segunda e terça-feira, quando as temperaturas na Inglaterra podem chegar a 40°C pela primeira vez, informou a agência meteorológica. A temperatura mais alta já registrada no Reino Unido é de 38,7°C e foi registrada em 2019.

“Esperávamos não chegar a essa situação, mas pela primeira vez estamos prevendo mais de 40°C para o Reino Unido”, disse Nikos Christidis, cientista do Met Office.

“Em um estudo recente, descobrimos que a probabilidade de dias extremamente quentes no Reino Unido aumentou e continuará a aumentar ao longo do século, com as temperaturas mais extremas esperadas para serem observadas no sudeste da Inglaterra”.

É o primeiro alerta vermelho sob o sistema de alerta de calor extremo do Met Office, que foi introduzido em 2021.

A Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA) elevou seu próprio nível de alerta para o nível mais alto. Alerta de uma “emergência nacional”.

“Nesses níveis, doença e morte podem ocorrer entre os aptos e saudáveis, e não apenas em grupos de alto risco”, disse UKHSA.

As duas autoridades emitiram alertas de nível mais baixo no início desta semana, já que as temperaturas estavam acima do normal em grande parte da Grã-Bretanha, apesar do clima mais frio na quinta e sexta-feira. As temperaturas devem subir no fim de semana antes de atingir o pico na segunda e terça-feira.

RELÓGIO | Cenas da onda de calor na Europa:

Grã-Bretanha abafada vê primeiro alerta ‘vermelho’ enquanto a Europa enfrenta ondas de calor e incêndios florestais

O Met Office da Grã-Bretanha emitiu seu primeiro alerta “vermelho” de uma previsão de calor extremo. A Europa experimentou um clima quente escaldante durante toda a semana, enquanto partes da França e Portugal lutavam contra incêndios florestais.

Calor mostra necessidade urgente de adaptação: especialista em clima

O alerta meteorológico, que cobre grande parte da Inglaterra, de Londres, no norte, a Manchester, também alerta para possíveis interrupções nos serviços aéreos e ferroviários e possíveis “apagões localizados e outros serviços essenciais, como água ou serviço de telefonia celular”.

O porta-voz do Met Office, Grahame Madge, chamou a situação de “muito séria”.

“Se as pessoas têm parentes ou vizinhos vulneráveis, agora é a hora de garantir que eles tomem as medidas apropriadas para lidar com o calor”, disse ele. “Porque se o prognóstico for o que achamos que será na zona de alerta vermelho, então vidas estarão em risco.”

Hannah Cloke, especialista em clima da Universidade de Reading, na Grã-Bretanha, disse que a onda de calor mostra que a mudança climática está aqui e há uma necessidade urgente de adaptação.

“É mais difícil lidar com essas temperaturas no Reino Unido porque não estamos acostumados a isso”, disse ela à Reuters. “Não temos casas projetadas para se refrescar, não temos ar condicionado e nossa infraestrutura não é projetada para o calor.”

Pedestres se refrescam com os pés na água da fonte em Trafalgar Square, no centro de Londres, nesta quarta-feira. (Justin Tallis/AFP/Getty Images)

Espectadores abanam-se durante um jogo do Campeonato da Europa Feminino da UEFA entre Áustria e Irlanda do Norte, no St Mary’s Stadium, em Southampton, no sul de Inglaterra, na segunda-feira. (Justin Tallis/AFP/Getty Images)

Vários países europeus estão a combater os incêndios florestais

À medida que o calor escaldante varre o continente, centenas de pessoas foram retiradas de suas casas na sexta-feira em meio a incêndios florestais na França, Espanha e Portugal.

Mais de 1.000 bombeiros, apoiados por bombardeiros de água, lutam desde terça-feira para controlar dois incêndios no sudoeste da França, alimentados por calor escaldante, isqueiros e ventos fortes.

Mais de 7.000 hectares de terra foram consumidos pelos incêndios, de acordo com os serviços de emergência regionais.

Esta imagem fornecida pelo Corpo de Bombeiros da região de Gironde, na França, mostra bombeiros combatendo um incêndio florestal perto de Landiras, no sudoeste da França, na quinta-feira. (SDIS 33/The Associated Press)

Na Espanha, o Ministério do Meio Ambiente disse que está ajudando a combater 17 incêndios florestais em todo o país.

Na cidade espanhola de Sevilha, um dos pontos mais quentes da Europa nesta semana, alguns sindicatos pediram que os trabalhadores voltem para casa. As temperaturas em muitas partes da Espanha ultrapassaram a marca de 40 graus por vários dias e devem fazê-lo na próxima semana.

Embora as temperaturas em Portugal tenham caído um pouco, elas ainda devem estar acima de 40°C em alguns lugares, com cinco municípios em alerta e mais de 1.000 bombeiros combatendo 17 incêndios florestais, disseram as autoridades.

Uma aeronave Air Tractor AT-802F “Fire Boss” participa em operações de combate a incêndios em Pombal, Portugal, na quinta-feira. (Octavio Passo/Getty Images)

Alguns hospitais estão sobrecarregados

A ministra da Saúde portuguesa, Marta Temido, disse na quinta-feira que o sistema de saúde enfrenta uma semana “particularmente preocupante” devido à onda de calor e disse que alguns hospitais estão sobrecarregados.

De 7 a 13 de julho, Portugal registrou 238 mortes adicionais devido à onda de calor, informou a agência de saúde do país.

A Espanha registrou 84 mortes adicionais atribuídas a temperaturas extremas nos primeiros três dias da onda de calor, segundo o banco de dados do Centro Nacional de Epidemiologia.

Um termômetro de rua marca 44°C durante uma onda de calor em Sevilha, Espanha, na terça-feira. (Jorge Guerrero/AFP/Getty Images)

Vacas leiteiras se refrescam sob pulverizadores de água em um celeiro em Vire-en-Champagne, noroeste da França, na quinta-feira. (Jean François Monier/AFP/Getty Images)

Itália atingida pela seca

Enquanto isso, a pior seca em mais de 70 anos reduziu o rio mais longo da Itália, o Po, a pouco mais que um fio em alguns lugares.

A Itália declarou estado de emergência ao longo do rio Po, que sustenta cerca de um terço da produção agrícola do país, depois de experimentar o mês de julho mais quente desde 1800, com temperaturas previstas para subir na próxima semana.

Barcos descansam no leito seco de um cais turístico ao longo do rio Po em Torricella, norte da Itália, na quinta-feira. (Antonio Calanni/The Associated Press)

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *