Obstetrícia em Lisboa/ Vale do Tejo em estado de “ameaça de fratura”

Este Falta de profissionais de saúde para obstetrícia na região de saúde Lisboa/Vale do Tejo ameaça o “pausa iminente” de serviços – independentemente de as autoridades usarem trabalhadores temporários ou não.

Esse é o aviso desta tarde Sindicato dos Médicos do Sul (SMZS) — uma semana depois que o país foi assaltado por histórias de maternidades à esquerda, à direita e ao centro fechando suas portas.

O governo “reagiu” – trabalhando em um plano de contingência e formando uma comissão – mas, como os críticos apontam: “O método do governo é simples: um plano de contingência quando as coisas chegam ao ponto de ruptura e uma comissão para… estuda problemas que não entende ou não sabe resolver” (isso vem num artigo de opinião de Miguel Sousa Tavares, no Expresso, intitulado “De trabalho para trabalho para resolução‘).

Como explica o SMZS, “o Há anos que o serviço de saúde do SNS tem falta de pessoal médico“. Os trabalhadores temporários foram destacados para preencher a escassez crônica de habilidades, mas os trabalhadores temporários também estão de férias – daí esta crise, que não parece estar desaparecendo apenas porque o governo criou uma comissão (e em breve apresentará uma emergência plano).

“A maioria dos serviços que já dependem de funcionários da agência estão ameaçando fechar suas portas neste verão”, diz o sindicato – reforçando o resultado final do mês: o A qualidade da assistência à saúde da mulher, principalmente na gestação e no parto, está constantemente sendo comprometida.

SMZS acusa Ministério da Saúde de não entender corretamente a situação — Prometendo pagamento de horas extras para trabalhadores temporários sem promessas de emprego permanente — e criando uma Comissão que carece dos recursos necessários para reorganizar eficientemente os cuidados obstétricos de emergência.

O sindicato enfatiza que é “urgente e inevitável que sejam tomadas medidas para reter médicos, fortalecer o serviço de saúde do SNS e proporcionar condições de trabalho dignas aos trabalhadores“.

O fim-de-semana está à porta quando a Administração Regional de Lisboa/Vale do Tejo anuncia o encerramento de mais um serviço obstétrico de urgência (no Hospital Beatriz Ângelo de Loures), pelo que quem pensa ir para lá “deve contactar outras unidades da região” deve procurar.

O governo, entretanto, prometeu que o seu plano de contingência “apenas para julho” – “com horários, taxas horárias e regras para o transporte de grávidas de ambulância entre hospitais” – será definido e apresentado na próxima segunda-feira.

Diogo Aires de CamposChefe da nova comissão de acompanhamento, o Expresso disse que os hospitais de Lisboa e da região sul estão “no olho do furacão” – mas que ele “só tem informações mais confiáveis ​​na segunda-feira“.

natasha.donn@portugalresident.com

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.