Os sociais-democratas portugueses preparam-se para mais 4 anos de governo

LISBOA, Portugal (AP) – O Partido Socialista, de centro-esquerda, obteve a maioria dos votos nas eleições gerais de Portugal no domingo e está prestes a liderar o governo por mais quatro anos.

Com 226 assentos no parlamento de 230 assentos por contagem oficial, os socialistas conquistaram 106 assentos, em comparação com 77 para o segundo lugar, o Partido Social Democrata.

O parlamento elege um governo, geralmente do partido com o maior número de legisladores.

No entanto, os socialistas perderam uma maioria parlamentar. Eles poderiam chegar ao poder como um governo minoritário ou formar alianças com outros partidos de esquerda para aprovar legislação – como fizeram com o Partido Comunista Português e o bloco de esquerda radical em seu último mandato.

Antonio Costa, o líder socialista e primeiro-ministro interino, disse que iniciará negociações com outros partidos para chegar a um acordo político nos próximos quatro anos.

“A estabilidade política é essencial para a credibilidade internacional de Portugal”, disse Costa num discurso de vitória.

Ele disse que seu novo governo continuará os esforços para melhorar as finanças públicas endividadas de Portugal – uma conquista importante em seu primeiro mandato que o tornou querido por portugueses e outros líderes europeus, que têm sido uma repetição da recente crise financeira do continente que deseja evitar.

Enquanto outros partidos socialistas perderam terreno em toda a Europa nos últimos anos, o governo de Costa conquistou respeito ao provar que estavam errados aqueles que diziam que estava gastando demais.

O bloco de esquerda, que conquistou 19 cadeiras na contagem incompleta, concordou em iniciar negociações com os socialistas sobre um programa de governo.

O Partido Comunista Português tinha 10 assentos e os Democratas-Cristãos cinco.

Pequenos partidos marginais também conquistaram um punhado de cadeiras, e algumas delas podem ser alvos para o governo ganhar apoio no parlamento.

Costa assumiu o poder há quatro anos com a promessa de reverter as medidas de austeridade introduzidas durante a crise financeira da Europa, quando Portugal precisava de um resgate internacional.

Agora seus socialistas estão colhendo os frutos da recuperação econômica de Portugal nos últimos anos. O crescimento anual aumentou de 0,2% em 2014 para 2,1% em 2018, e o desemprego caiu cerca de metade para 6% no período.

O défice orçamental – há muito uma tortura para Portugal com os governos a gastarem em excesso – está agora perto de zero sob a gestão financeira do ministro das Finanças, Mario Centeno, que também preside às reuniões dos ministros das Finanças das 19 nações europeias que partilham o euro-moeda utilizada.

Centeno deverá permanecer no cargo.

Os social-democratas ainda estão publicamente associados a cortes profundos e a uma recessão de três anos que terminou em 2014, quando estavam no governo. O líder do partido, Rui Rio, também luta para conter as divergências entre facções de seu partido.

Portugal não viu a ascensão de partidos populistas ou de extrema-direita, que ganharam destaque em outras partes da UE. Os protestos em Portugal tradicionalmente resultam em baixa participação – apenas cerca de metade dos 10,8 milhões de eleitores do país votam.

O próximo governo enfrenta vários desafios, incluindo a saída iminente do Reino Unido da UE. O Reino Unido é um dos mercados de exportação mais importantes de Portugal.

Enquanto os gastos do governo estão agora mais alinhados com as receitas, a dívida pública de Portugal equivale a mais de 120% do produto interno bruto – a terceira maior da UE. E a dívida pública, privada e corporativa combinada é mais de três vezes o PIB do país, diz o Banco de Portugal. Se as taxas de juros europeias subirem, os portugueses poderão ter grandes problemas.

Outros desafios incluem as mudanças climáticas, à medida que as chuvas diminuem na metade sul do país, e o envelhecimento da população que ameaça o financiamento da previdência social. A UE diz que com as taxas de fecundidade atuais, o número de portugueses cairá de 10,3 milhões este ano para 6,6 milhões em 2100.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *