Portugal abre processo disciplinar por cidadania de Abramovich

LISBOA, 15 Mar (Reuters) – Uma investigação sobre a concessão da cidadania portuguesa ao oligarca russo Roman Abramovich levou à abertura de processos disciplinares contra funcionários envolvidos no processo, informou a agência de notícias Lusa nesta terça-feira.

O bilionário russo recebeu a cidadania portuguesa em abril de 2021 sob uma lei que oferece naturalização a descendentes de judeus sefarditas que foram expulsos da Península Ibérica durante a Inquisição medieval. Consulte Mais informação

Há pouca história conhecida do judaísmo sefardita na Rússia, embora Abramovich seja um sobrenome comum de origem judaica Ashkenazi.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Uma investigação do Instituto de Registos e Notariado (IRN), que presta serviços de cidadania e passaporte, foi lançada em janeiro em meio a críticas de alguns ativistas, comentaristas e políticos que disseram que a lei deveria ser revista por acreditar que está sendo usada por outras pessoas .Oligarcas russos. para ganhar uma posição na UE.

O IRN, que não respondeu de imediato a um pedido de comentário da Reuters, disse à Lusa que, após uma investigação inicial, foram abertos processos disciplinares mas disse que os detalhes eram confidenciais.

Ele não disse quantos funcionários foram visados.

Uma segunda investigação sobre a concessão de cidadania a Abramovich foi aberta em janeiro pelo Ministério Público português e sua cidadania poderá ser revogada dependendo dos resultados.

Um rabino responsável pela emissão dos documentos necessários para obter a cidadania foi preso na semana passada. Consulte Mais informação

Abramovich estava entre vários bilionários russos adicionados na terça-feira a uma lista negra da União Europeia depois de ser alvo de sanções do Reino Unido na semana passada. Consulte Mais informação

Abramovich, dono do clube de futebol inglês Chelsea, voou para Moscou em seu jato particular na terça-feira. Consulte Mais informação

Na terça-feira, o ministro das Relações Exteriores de Portugal, Augusto Santos Silva, disse que Portugal implementaria medidas restritivas contra os oligarcas russos acordadas a nível da UE, mesmo que os sancionados pelo bloco sejam cidadãos portugueses.

“Estas sanções são apoiadas pelas autoridades portuguesas e (serão) aplicadas com cuidado”, disse Santos Silva ao parlamento.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Catarina Demony, Reportagem adicional de Sérgio Gonçalves e Patricia Rua; Editado por Edmund Blair e Sandra Maler

Nosso padrão: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.