Portugal está oferecendo incentivos fiscais para atrair talentos britânicos para trabalhar lá após o Brexit

NA GRAN CANÁRIA – Portugal é oferecer isenções fiscais para atrair start-ups para suas costas à medida que a batalha pelo talento empresarial britânico esquenta, disse o ministro da digitalização do país.

com belas praias e estilo de vida descontraídoDurante anos, o país tem sido um local atraente para se mudar para os britânicos que compraram segundas residências, mas emergiu como um centro para nômades digitais nos últimos anos, após o lançamento de seu esquema de visto D7.

Agora, porém, quer ir mais longe e incentivar os empresários estrangeiros a criarem novos negócios e a beneficiarem do “ecossistema empresarial” português.

Numa nova lei que deverá ser introduzida no próximo ano, Lisboa não irá tributar as opções de compra de ações dadas a investidores ou funcionários de start-ups quando forem emitidas, apenas quando forem utilizadas. A nova taxa de imposto será menor do que outros concorrentes europeus.

As opções de ações dão aos compradores o direito de comprar ações de uma empresa iniciante em algum momento no futuro. Em muitos países, os compradores dessas opções de ações são tributados quando são emitidas pela empresa.

Mario Campargo, secretário de Estado da Digitalização de Portugal, disse que o objetivo do incentivo fiscal das opções de ações é incentivar o talento empresarial britânico a se mudar para Portugal.

“A Grã-Bretanha vê Portugal como um lugar muito bonito para visitar, um lugar muito bonito para viver e há muitos reformados que têm casa em Portugal, mas o que queremos trazer é uma terceira dimensão – venha trabalhar connosco”, disse. EU em entrevista exclusiva.

“(Estamos) lançando um desafio para os jovens do Reino Unido que desejam manter uma forte aliança com a União Europeia de que Portugal é o lugar para encontrar talentos e oportunidades para prosperar no mundo digital.”

Mais de Mundo

O ministro disse que os incentivos fiscais planejados por Portugal venceriam outros rivais europeus.

“A maioria dos países tributa as opções de ações quando o investidor ou funcionário as recebe. Vamos fazer uma nova lei para que eles não sejam tributados quando entrarem, apenas quando forem resgatados e com uma (taxa) muito barata”, afirmou.

“(A taxa de imposto) vai ser muito competitiva a nível europeu. Sim, competimos com outros países, mas (vamos) vencer, somos melhores.”

Ele se recusou a divulgar a nova taxa de imposto, pois ainda não foi aprovada pelo Parlamento Português.

O ministro disse que empresas cada vez maiores estão sendo atraídas para Portugal por causa da infraestrutura empresarial do país.

“Nem todos os que vêm a Portugal são nómadas digitais. Em alguns casos, grandes empresas trazem funcionários ou contratam funcionários no local”, disse Campargo.

A Nokia investiu recentemente num centro de competências em Lisboa.

Uma das vantagens de Portugal em relação a alguns países europeus é que quase todos falam inglês, disse Campargo. Ao contrário da vizinha Espanha, onde os níveis de inglês são geralmente mais baixos, os portugueses beneficiam do facto de os filmes de televisão nunca terem sido dobrados como em Espanha.

“Nossa forma de trabalhar em uma equipe multinacional é muito descontraída. Nossos especialistas falam inglês como uma segunda língua”, observou o Sr. Campargo.

A aliança entre Portugal e a Grã-Bretanha é a mais antiga do mundo, estabelecida há cerca de 636 anos pelo Tratado de Windsor em 1386.

Os laços ainda são fortes e têm atraído milhares de britânicos a viver em Portugal nos últimos anos.

Nicole Parsons, 46, que dirige uma empresa de postura e saúde, mudou-se para a Madeira de Didcot, em Oxfordshire, há 13 meses, pois queria aproveitar o centro nômade digital da ilha.

“Decidi tornar meu negócio 100% online e queria aprender mais sobre teletrabalho. A Madeira é um hub de trabalho remoto”, afirmou EU de sua nova casa.

“A Madeira está no mesmo fuso horário da Grã-Bretanha. Estou no mesmo lugar, mas agora tenho clientes em todo o mundo. Existe uma verdadeira comunidade nômade. Profissionalmente, há competências e eventos que posso frequentar aqui.”

Parsons e seu parceiro Derek Smith, um nômade digital canadense, conseguiram seus vistos D7 por € 600 (£ 523) cada. Ele lhe dá o direito de permanecer por um período limitado de dois anos.

As agências podem cobrar até € 2.500 para obter os vistos para quem não quer passar pela burocracia.

“Viver entre pessoas que pensam como eu era ótimo. Houve muita polinização cruzada. Eu tive uma ótima vida no Reino Unido. Não saí por causa do Brexit”, disse ela.

A Sra. Parsons planeja solicitar uma autorização de residência permanente em Portugal depois que seu visto atual expirar.

O visto D7 requer um rendimento mensal de cerca de 800€ e é fácil de obter.

Dave Williams, CEO da NomadX, empresa que ajuda os nômades digitais em Portugal, disse: “Vemos muitos britânicos de todas as idades, de nômades a aposentados, mas o principal problema para eles é que eles só ficam com eles de três a seis meses podem novas regras do Brexit.

“Mas, apesar das maiores restrições, estamos vendo muitos deles vindo para trabalhar remotamente e estender ainda mais suas estadias, iniciar negócios e comprar propriedades por causa do clima agradável e da vida acessível. Muitos estão procurando residência em tempo integral para que possam ficar mais tempo para viver e trabalhar, reduzindo seus impostos”.

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *