Procuradores venezuelanos abrem investigação sobre fraude eleitoral

CARACAS, 3 Ago (Reuters) – Promotores venezuelanos disseram na noite de quarta-feira que iniciaram uma investigação sobre alegações de que o conselho eleitoral do país fraudou o comparecimento às urnas na controversa eleição de domingo para um superórgão legislativo.

A empresa de tecnologia de votação Smartmatic, que fornece as máquinas de votação do país sul-americano, disse que o comparecimento de 8,1 milhões foi inflado em pelo menos 1 milhão de votos. Ela não descreveu como chegou a essa conclusão.

O presidente Nicolás Maduro e o conselho eleitoral rejeitaram a acusação.

A contagem dos votos foi crucial para o governista Partido Socialista legitimar a votação para a Assembleia Constituinte, que foi boicotada pela oposição e amplamente condenada por países de todo o mundo como um atentado às liberdades democráticas.

“Estamos enfrentando uma ação séria e sem precedentes que pode constituir um crime”, disse a procuradora-chefe Luisa Ortega em comunicado dos promotores, citando sua entrevista à CNN.

Ela disse que as alegações “representavam outro elemento no processo fraudulento, ilegal e inconstitucional”, de acordo com o comunicado, que não disse se a investigação seria baseada apenas nas alegações da Smartmatic.

Funcionários do Partido Socialista há meses questionam as ações de Ortega e abrem um processo judicial para removê-la do cargo por exceder seus poderes. Ortega descreveu a votação de domingo como ilegal.

Maduro disse no domingo que uma das principais prioridades da Assembleia Constituinte, que não tem limites formais de poder, é a “reestruturação” do gabinete do procurador-geral. Funcionários do Partido Socialista sugeriram que a nova assembléia os impedirá.

Os líderes da oposição estão convocando uma marcha no centro de Caracas na sexta-feira para protestar contra o estabelecimento da Assembleia Constituinte de 545 membros.

O novo corpo tem o poder de redigir uma nova constituição e pode dissolver instituições estatais, incluindo o Congresso liderado pela oposição.

Maduro diz que trará paz à nação devastada pela Opep após quatro meses de violentos protestos de rua da oposição que mataram mais de 120 pessoas.

Seus críticos o acusam de pisotear as instituições democráticas do país e supervisionar um colapso econômico que deixou milhões de pessoas na miséria e levou a inflação a três dígitos.

NÚMEROS DE PARTICIPAÇÃO

Quando solicitado a comentar o anúncio dos promotores, o Ministério da Informação encaminhou à Reuters as declarações feitas pelo presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Tibisay Lucena, na quarta-feira em resposta à Smartmatic, que precedeu o anúncio dos promotores.

Um funcionário do Conselho Nacional Eleitoral contatado pela Reuters disse que ninguém estava disponível para falar sobre o assunto.

A Smartmatic não respondeu imediatamente a um e-mail solicitando comentários sobre o anúncio.

Apenas 3,7 milhões de pessoas votaram na assembleia até a votação das 17h30, de acordo com dados internos do Conselho Eleitoral verificados pela Reuters.

O Conselho Eleitoral estendeu a votação até as 19h, mas alguns centros teriam ficado abertos até mais tarde. (Reportagem de Brian Ellsworth; Edição de W. Simon)

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *