Última guerra na Ucrânia: Putin admite pela primeira vez que a Rússia está em guerra; foto ‘embaraçosa’ provoca tumulto no Kremlin; Rússia “oferece informações” sobre novo plano de envio de tropas para perto da Suécia e da Finlândia | noticias do mundo

Um político de São Petersburgo acusou Vladimir Putin de infringir a lei depois que o líder descreveu a Rússia como estando em guerra pela primeira vez.

Conforme relatado aqui, o presidente russo disse em uma coletiva de imprensa ontem: “Nosso objetivo não é girar este volante de um conflito militar, mas, ao contrário, acabar com esta guerra. É por isso que nos esforçamos.”

Até agora, o Kremlin só descreveu a invasão da Ucrânia como uma “operação militar especial”.

Em março, Putin assinou uma legislação exigindo multas pesadas e penas de prisão por desacreditar ou disseminar “informações intencionalmente falsas” sobre as forças armadas e colocar as pessoas em risco de serem processadas por chamar a guerra pelo nome.

Nikita Yuferev, um vereador da oposição na cidade onde Putin nasceu, disse que sabia que sua contestação legal não levaria a lugar nenhum, mas que a apresentou para expor a “falsidade” do sistema.

Ele disse à Reuters: “É importante para mim fazer isso para chamar a atenção para a contradição e injustiça dessas leis que ele [Putin] aceita e assina, que ele mesmo ignora.”

“Acho que quanto mais falarmos sobre isso, mais as pessoas duvidarão de sua honestidade e infalibilidade e menos apoio ele receberá.”

A sua recusa foi apresentada numa carta aberta ao Procurador-Geral e ao Ministro do Interior, dizendo-lhes para “esperar [Putin] “responsável perante a lei por espalhar notícias falsas sobre as ações do exército russo”.

Vários críticos que descreveram publicamente o conflito como uma guerra foram condenados a sete anos de prisão.

Yuferev disse que já havia chamado a atenção das autoridades para o uso da palavra “guerra” por outras figuras proeminentes, incluindo Sergei Kiriyenko, vice-chefe da administração presidencial, e o legislador sênior Sergei Mironov.

Ele disse que a polícia lhe disse que examinou a queixa contra Kiriyenko e descobriu que ele não havia feito nada de errado e se recusou a investigar o caso de Mironov.

Yuferev disse ter recebido centenas de mensagens de ódio desde que compartilhou a carta, mas disse acreditar que a maioria dos russos entende o que realmente está acontecendo na Ucrânia.

“Guerra é uma palavra assustadora na sociedade russa. Todo mundo é criado por avós que viveram a Segunda Guerra Mundial, todo mundo se lembra do ditado ‘Qualquer coisa menos guerra'”, disse ele.

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *