Voluntários amigáveis ​​apoiam os sem-abrigo em Albufeira

Albufeira é uma das estâncias turísticas mais populares do Algarve. No entanto, em um lugar tão bonito também existem pessoas sem condições básicas de vida. Para apoiar os sem-abrigo existe uma associação local composta por pessoas amigáveis ​​que genuinamente querem ajudar os outros – sem julgamento. Chama-se CASA (Centro de Apoio ao Sem-Abrigo) e foi fundado há 10 anos em Albufeira.

À chegada ao escritório regional em Albufeira, havia uma pequena loja onde a CASA vendia roupa e outros produtos. Cátia Pereira, uma das coordenadoras, explicou primeiro que “quem pode pagar pede uma pequena quantia para ajudar o clube, mas quem não pode pode levar de graça. Estamos aqui para ajudar”.

O escritório regional de Albufeira é um dos dez no país que oferece este maravilhoso apoio a pessoas necessitadas e já criou um abrigo de emergência que deu abrigo a cerca de 50 pessoas desde 2020 – um caso de sucesso.

A Sónia Pinto, uma das voluntárias e coordenadoras com quem tive o prazer de falar, esteve presente desde o primeiro dia. Está na associação desde o dia em que iniciaram o seu trabalho em Albufeira e apesar de ser professora a tempo inteiro mantém-se totalmente empenhada na causa.


Mais pessoas vivem nas ruas

Apesar dos esforços do CASA, o número de pessoas em situação de rua aumentou. “Em termos de sem-abrigo, aumentou muito, mas a população sem-abrigo também é diferente. Quando comecei aqui na unidade, os sem-abrigo eram mais agressivos”, acrescentou Sónia.

Quando perguntei como eles ganharam a confiança da comunidade, ela respondeu que não era automático: “Ao servir as refeições, começamos a ganhar a confiança das pessoas. Essa população começou a entender que estávamos lá para eles. Não apontamos dedos, estamos aqui para ajudar. Sentamos no chão com eles, comemos com eles, tomamos café e chá com eles. Aqui não há lugar para discriminação”.

Servem cerca de 30 a 40 refeições por dia e no inverno podem chegar a 50. Eles também apoiam 70 famílias carentes. “Comer é o primeiro passo – é a necessidade mais básica”, disse Cátia.

No entanto, eles vão mais longe. Para os sem-teto que eles apoiam, eles os ajudam a criar um plano de vida para tirá-los das ruas e começar uma nova vida – desde descobrir do que eles gostam, construir um currículo, encontrar um emprego, encontrar uma casa, etc.


Proteção

Em 2020, no início da pandemia, a Câmara Municipal de Albufeira e a CASA em Albufeira fizeram o impossível. Em cerca de duas semanas criaram o CATE (Centro de Acolhimento Temporário de Emergência), onde já mais de 20 pessoas tiveram a oportunidade de começar uma nova vida com o apoio necessário.

“Enquanto o governo do país declarou ‘estado de emergência’ e disse às pessoas para se protegerem e ficarem em casa, os sem-teto não tinham casas. Encontrei-me com a equipe e decidimos que tínhamos que encontrar uma solução para essas pessoas e tivemos sorte. Na verdade, acho que a felicidade é a palavra de ordem nesta instituição”, disse-me Sónia.

Acrescentou: “Na altura tínhamos um voluntário a trabalhar num hostel e eles arrendaram-nos o hostel que era gerido por nós e pago pela Câmara de Albufeira. E foi em apenas 20 dias, em plena pandemia, que “conseguimos abrir um abrigo de emergência – foi um momento muito decisivo! Olhando para trás agora parece fácil, mas foram dias muito difíceis. as primeiras pessoas que vieram ao abrigo. Eles estavam com medo, mas pudemos ver gratidão em seus olhos.”

Dois anos se passaram e o que era temporário se tornou quase permanente para muitos. Muitas pessoas conseguiram reorganizar suas vidas e encontrar trabalho, um lar ou um retorno para suas famílias, mas muitos são deixados no limbo: velhos demais para trabalhar, mas jovens demais para se aposentar.

“Temos capacidade para 15 pessoas no abrigo e temos uma lista de espera de três pessoas. Inicialmente foi acordado que a permanência máxima seria de seis meses, mas depois não há resposta aqui. Eles não têm idade suficiente para ir para um lar de idosos, mas são velhos demais para trabalhar”, disse ela.

Recursos

Para concretizar este sonho, o CASA conta com mais de 20 voluntários e 16 pessoas que trabalham a tempo inteiro na associação só em Albufeira. Só para o abrigo, que fica aberto 24 horas por dia, eles precisam de muita gente para preencher todos os turnos.


A parte mais difícil, no entanto, continua sendo o dinheiro. Na realidade, eles são uma organização sem fins lucrativos, então eles não têm lucro, mas têm muitas despesas. Portanto, gerenciar tudo isso não é fácil.

Basicamente, o que quer que eles consigam, eles obtêm através de financiamento. Eles me mostraram com orgulho uma van que eles levam para as ruas e oferecem diferentes tipos de apoio, como apoio à saúde mental. “Também temos uma unidade móvel por meio do financiamento”, disseram.

Para conseguir dinheiro, eles enviam vários pedidos de financiamento, mas “sempre pensamos quando o financiamento acaba, o que fazemos a seguir? Por exemplo, um será concluído em dezembro e o que faremos a seguir? É uma dor de cabeça constante.” ”Cátia apontou.

Como podemos ajudar?

De acordo com a Estratégia Nacional para a Integração dos Sem-Abrigo (ENIPSSA), mais de 8.200 pessoas vivem nas ruas em Portugal.

“As pessoas podem ajudar tornando-se voluntárias doando alimentos, roupas e dinheiro. A maioria das pessoas não gosta de dar dinheiro.” Mas um clube também precisa de dinheiro. “Pagamos os medicamentos e levamos ao médico quando precisam.”

Em relação às roupas, foi-me dito que as roupas masculinas são mais necessárias, pois há mais homens sem-teto do que mulheres e eles não podem guardar suas roupas por muito tempo, pois não podem lavá-las.

Para mais informações, visite o site deles em https://casa-apoioaosemabrigo.org/ou siga-os abaixo plataformas de mídia social.

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *