Voos noturnos rejeitados pelo Conselho

Em reunião privada do conselho comunitário, a moção foi aprovada com votos a favor da liderança PSD/CDS-PP, bem como dos vereadores do BE e da independente eleita pela coligação PS/Livre para assinar a iniciativa do PCP e do Livre, enquanto o PS votou contra a rejeição mas votou a favor do resto do documento.

“Expressar ao governo a mais forte rejeição e forte rejeição à proposta de autorização de voos noturnos ilimitados no Aeroporto Humberto Delgado, ainda que temporariamente”, lê-se no primeiro ponto da moção, que foi aprovada por maioria, com quatro membros do Conselho Socialista votando contra e uma abstenção o PS e os votos sim dos restantes 12 membros eleitos do conselho municipal (sete do PSD/CDS-PP, dois do PCP, um do Livre, um do BE e um dos independentes, representados por a coligação PS/Livre foram escolhidas).

Nesta moção, a Câmara Municipal de Lisboa considera que a intenção do Governo de autorizar voos noturnos ilimitados no Aeroporto Humberto Delgado, ainda que temporariamente, é “profundamente prejudicial para a saúde, tranquilidade e segurança da população”.

A Câmara Municipal insta ainda o Governo a honrar os compromissos anteriormente assumidos, nomeadamente “assegurar que não sejam operados voos nocturnos no Aeroporto Humberto Delgado, de acordo com as condições anteriormente propostas pela Câmara Municipal de Lisboa, de modo a pôr termo à derrogação em vigor”.

A posição do Conselho deve ser comunicada ao Primeiro-Ministro, Ministro das Infraestruturas e Habitação, facções na Assembleia da República e Autoridade Nacional de Aviação Civil, e Associação Zero – Sistema Terrestre Sustentável.

Na ordem do dia da reunião de hoje esteve a discussão das propostas do PCP e do Livre sobre as medidas a tomar para a realização de uma nova infraestrutura aeroportuária na região de Lisboa e a desativação gradual do Aeroporto Humberto Delgado, mas estas foram adiadas devido à interesse de outras forças políticas na apresentação de iniciativas sobre este tema.

Estas propostas sobre o novo aeroporto da região de Lisboa já tinham sido adiadas a 27 de julho na reunião pública da administração municipal porque o PCP se tinha recusado a discutir o assunto na ausência do presidente da Câmara Carlos Moedas (PSD), que tinha saído da sala minutos atrás.

Em julho deste ano, a Associação Zero registou o número de voos noturnos e denunciou que na semana de 11 de julho foram operados 140 voos, “excedendo em mais de 50% o limite estabelecido pelo regulamento, em clara violação do regulamento é legislação e um claro desrespeito pelo bem-estar, saúde e qualidade de vida de quem dorme em Lisboa”, refere ainda a moção.

A candidatura conjunta do PCP e do Livre surge na sequência da intenção da NAV – Portuguese Air Navigation de prolongar o horário de voos em Lisboa devido à implementação do novo sistema de controlo noturno Top Sky entre 18 de outubro e 29 de novembro.

Fonte oficial do NAV explicou anteriormente à Lusa que o plano é alargar o horário de voos em Lisboa para o horário nocturno, não para aumentar o tráfego mas para distribuir os voos por mais horas e assim permitir a actualização do sistema de controlo de tráfego aéreo, a partir de 18 de Outubro .

Portanto, a ideia é que a isenção esteja em vigor entre 18 de outubro e 29 de novembro, disse o NAV.

O Aeroporto de Lisboa está sujeito a um regime de restrição de voos nocturnos que impõe um limite de 91 voos por semana entre as 00:00 e as 06:00 devido ao ruído.

O projeto Top Sky, partilhado por outros seis países e coordenado pelo Eurocontrol, foi apresentado pela NAV em 2019 e prevê um investimento de 103,8 milhões de euros até 2023.

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.