António Costa tem muito de bom – POLITICO

LISBOA – As sondagens mostram frequentemente que os portugueses competem com gregos e búlgaros pelo título de povo mais negro da Europa. Mas desde que o Primeiro-Ministro António Costa tomou posse há 18 meses, parece que o país da fado e saudade estourou pílulas felizes.

Costa supervisionou o retorno ao crescimento econômico robusto após uma década de recessão e estagnação.

O déficit orçamentário é o mais baixo desde que a democracia foi restaurada em 1974. O desemprego está em um dígito pela primeira vez desde a crise da dívida do euro em 2010. O turismo e as exportações estão crescendo.

A Comissão Europeia concordou no mês passado em retirar Portugal de sua lista de déficits excessivos, sobre a qual Lisboa se debruçou desde 2009.

Além do espírito de festa, este país amante do futebol foi coroado campeão europeu pela primeira vez no verão passado; cantou seu caminho para a vitória no Festival Eurovisão da Canção após 49 anos de fracasso e impulsionou seu homem ao topo das Nações Unidas.

O último inquérito Eurobarómetro mostra que 66 por cento dos portugueses estão satisfeitos com a sua vida, o dobro do que há quatro anos.

À medida que os dados positivos chegam, o governo está sob pressão dos sindicatos e da esquerda para acelerar a reversão das medidas de austeridade.

“Todas essas boas notícias me deixam doente”, disse o colunista Miguel Esteves Cardoso escreveu no jornal Público. “Nós não fomos feitos para lidar com esse tipo de sorte.”

Costa também acha difícil digerir a enxurrada de sucesso.

À medida que os dados positivos chegam, o governo está sob pressão dos sindicatos e da esquerda para acelerar a reversão das medidas de austeridade introduzidas pelo antecessor de centro-direita de Costa durante os anos de crise.

“É hora de trocar a moto por uma moto para acelerar a reconstrução”, disse Arménio Carlos, presidente da CGTP-IN, a maior confederação sindical, a aplaudir manifestantes no sábado.

ato de equilíbrio

Carlos liderou um “dia de luta” que levou milhares às ruas de Lisboa e Porto para exigir salários e pensões mais altos, jornadas mais curtas, fim dos contratos a termo e reversão das leis trabalhistas liberalizadas.

Arménio Carlos, Presidente da CGTP-IN | Mário Cruz/EPA

“Este governo não deve esquecer a vontade soberana de um povo que votou para exigir o rompimento com as políticas de exploração e empobrecimento”, disse Carlos, cujo sindicato é filiado ao Partido Comunista Português (PCP). “Este governo precisa ouvir os trabalhadores e responder prontamente aos seus problemas.”

Ele apontou o número crescente de greves para ilustrar a paciência cada vez menor dos sindicatos.

Os principais sindicatos de professores decretaram a paralisação para 21 de junho no meio dos exames de bacharelado, a menos que o governo atenda às demandas que incluem a liberação de escalas salariais e a contratação de mais funcionários.

Os juízes estão ameaçando fechar os tribunais se não conseguirem mais dinheiro.

Os serviços públicos pararam em 26 de maio após uma greve de funcionários públicos que prometeram que “a luta continuará” se o governo não atender às demandas por salários mais altos, mais horas extras e um máximo de 35 horas para todos os funcionários públicos.

As reivindicações da União são apoiadas pelo PCP e pelo partido de esquerda radical, cujo apoio é essencial para manter no poder o governo socialista minoritário de Costa.

“O governo assumiu compromissos sobre direitos trabalhistas que ainda não foram cumpridos”, disse a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, em recente comício sindical no fim de semana. “Chegou a hora de cumprir essas promessas fundamentais em defesa dos trabalhadores.”

A esquerda e os sindicatos estão flexionando seus músculos para garantir concessões enquanto o governo prepara o orçamento de 2018, que deve ser apresentado no outono.

Em seus dois orçamentos anteriores, Costa conseguiu fazer malabarismos com medidas para impulsionar o crescimento e aplacar os apelos antiausteridade da esquerda, enquanto assegurava a Bruxelas e Berlim que Portugal continua comprometido com a prudência fiscal.

Vulnerável a choques

Apesar do barulho crescente, Costa e o ministro da Fazenda, Mário Centeno, insistem em continuar o equilíbrio.

“Devemos continuar sendo extremamente responsáveis, como temos sido até agora”, disse Centeno na semana passada em resposta a pedidos de gastos excessivos.

“Se resistirmos a certas tentações que estão se espalhando, vamos acabar com este Parlamento com todos os nossos indicadores econômicos superando as expectativas”, disse Centeno em conversa com eleitores nas redes sociais. Ele jogou à esquerda um osso na forma de cortes de impostos para trabalhadores de baixa renda.

O governo está confiante de que, apesar dos resmungos, a extrema esquerda não provocará uma crise.

Pesquisas de opinião mostram que os socialistas de Costa estão em alto nível, com mais de 40% das intenções de voto, enquanto os dois partidos de esquerda perderam terreno desde as últimas eleições em outubro de 2015.

Se forem realizadas novas eleições, 66,2 por cento dos eleitores confiariam em Costa para continuar como primeiro-ministro, segundo uma sondagem publicada no jornal Correio da Manhã a 14 de maio.

Ministro das Finanças português, Mário Centeno |  Patricia De Melo Moreira/AFP via Getty Images

Ministro das Finanças português, Mário Centeno | Patricia De Melo Moreira/AFP via Getty Images

Apesar da enxurrada de boas notícias, o governo sabe que a economia portuguesa é frágil e vulnerável a choques externos. Ela quer usar o crescimento para reduzir a dívida nacional, que em 130,4 por cento do produto interno bruto ainda é a terceira maior da União Europeia.

A Centeno pretende reduzir o índice de endividamento em 2,5 pontos neste ano. Ao fazê-lo, espera persuadir as três principais agências internacionais de rating a elevarem os ratings das obrigações portuguesas acima dos níveis ‘junk’, reduzir os custos de financiamento e dar mais margem de manobra financeira ao governo.

Português otimista

Centeno não faz feliz apenas os portugueses.

O ministro das Finanças alemão Wolfgang Schäuble – que alertou há pouco menos de um ano que a frouxidão fiscal dos socialistas levaria Portugal a um novo resgate internacional – agora elogia o progresso feito em Lisboa, chamando Centeno de “Cristiano Ronaldo” dos ministros das Finanças da UE.

Os elogios do falcão-chefe fiscal da zona do euro alimentaram a especulação – generalizada em Lisboa – de que Centeno substituirá o holandês Jeroen Dijsselbloem como presidente do Eurogrupo de ministros das Finanças.

Costa, por sua vez, diz que o país pode lidar com mais boas notícias.

De repente, os portugueses otimistas agora sonham com Cristiano Ronaldo continuando sua série de vitórias na Copa do Mundo do próximo ano.

“Há pessoas que dizem que temos muitas notícias boas”, disse Costa em um comício do partido no início deste mês. “Infelizmente, o país passou por momentos tão ruins que precisamos de muitas boas notícias antes que o país possa recuperar sua compostura e confiança.”

De acordo com o Eurostat, o crescimento português atingiu 2,8 por cento em termos homólogos no primeiro trimestre. Em Lisboa fala-se que este ano a taxa anual poderá ultrapassar os 3 por cento pela primeira vez desde a década de 1990.

Espera-se que as exportações sejam impulsionadas pela gigante Volkswagen Autoeuropa, ao sul de Lisboa, que já representa 1% do PIB de Portugal e deve aumentar a produção em 20% este ano se um novo modelo entrar em operação e pode dobrar a produção até 2018.

A receita do turismo, que subiu para um recorde de € 11,9 bilhões ou 6,4 por cento do PIB no ano passado, deve crescer mais 3 por cento em 2017, de acordo com o Conselho Mundial de Viagens e Turismo.

Repentinamente otimistas, os portugueses agora sonham com Cristiano Ronaldo continuando sua série de vitórias na Copa do Mundo no próximo ano e, claro, uma repetição do sucesso musical de Salvador Sobral em seu primeiro jogo em casa na Eurovisão.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.