Burkina Faso confirma pedido francês de retirada de tropas

a partir de Ebi Kesiena

Em uma tentativa de se defender, o governo de Burkina Faso esclareceu na segunda-feira que instou a França a retirar suas tropas do país atingido pela insurgência dentro de um mês.

A França destacou cerca de 400 soldados das forças especiais em Burkina governado pela junta, mas as relações se deterioraram nos últimos meses.

O porta-voz do governo da Radio-Television du Burkina, Jean-Emmanuel Ouedraogo, disse que o contrato com as forças armadas francesas foi cancelado. Ele disse que a decisão não estava ligada a nenhum evento específico, mas à ordem normal das coisas.

“Este não é o fim das relações diplomáticas entre Burkina Faso e a França. Esta rescisão é normal e prevista nos termos do contrato. Queremos que a França entregue a responsabilidade de sua própria defesa a Burkina Faso. O prazo de um mês faz parte do acordo militar”, afirmou.

A agência de notícias estatal de Burkina Faso revelou o pedido na noite de sábado.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse no domingo que Paris aguarda esclarecimentos de Ouagadougou sobre a retirada.

Ele disse que houve “grande confusão” sobre os relatórios e instou o líder da junta militar, Ibrahim Traore, a se posicionar publicamente.

O porta-voz do governo disse na segunda-feira: “Neste momento, não vemos como podemos deixar isso mais claro.”

Burkina Faso está sofrendo com a violência jihadista que eclodiu no vizinho Mali em 2015.

A revolta já custou a vida de milhares e forçou pelo menos dois milhões de pessoas a fugir de suas casas.

Traore fez da retomada de áreas ocupadas por jihadistas uma prioridade máxima.

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *